“Derrotámos o Estado Islâmico”. Trump anuncia retirada das tropas norte-americanas da Síria

Michael Reynolds / EPA

O Presidente norte-americano, Donald Trump, disse que “chegou a hora” de fazer regressar a casa os dois mil soldados que os EUA mantêm na Síria para lutar contra o grupo jihadista do Estado Islâmico.

Não é claro se o país vai continuar envolvido na guerra através de bombardeamentos ou outras operações pontuais, mas a declaração de Trump no Twitter aponta para uma retirada total: “Ganhámos!”, reforçou o presidente. “Os nossos rapazes, as jovens mulheres, os nossos homens, vão todos regressar, e vão todos regressar agora”.

Trump já tinha recorrido antes à sua conta no Twitter para justificar por escrito a decisão de retirar as tropas: “Derrotámos o Estado Islâmico na Síria, a única razão para estar ali durante a Presidência”.

Os Estados Unidos anunciaram na quarta-feira que vão retirar da Síria os dois mil soldados norte-americanos no terreno, “de forma rápida e completa”.

“Começámos a fazer regressar as tropas norte-americanas a casa, e a entrar na fase seguinte desta campanha”, disse a porta-voz da Casa Branca Sarah Sanders, numa declaração que não permite esclarecer se todos os cerca de dois mil militares dos EUA que estão no país vão sair, ou quando.

A iniciativa terá partido do próprio presidente dos EUA, Donald Trump, e produzirá efeitos já em 2019, embora os norte-americanos continuem com tropas no Iraque, com capacidade de desferir ataques na Síria.

A Reuters cita uma fonte da Administração Trump que diz que o objetivo é retirar as forças norte-americanas dentro de 60 a 100 dias e que o Departamento de Estado esperava retirar todo o seu pessoal da Síria dentro de 24 horas. Outra fonte disse que os militares querem sair fazer uma retirada completa – e que querem fazê-lo num prazo mais acelerado do que os 60 a 100 dias.

Porém, segundo o jornal New York Times, alguns conselheiros da Casa Branca estão a tentar demover o presidente de retirar os militares da Síria.

“Uma retirada dos EUA nesta altura seria uma grande vitória para o Daesh, o Irão, Bashar Al-Assad e a Rússia”, afirmou o senador Lindsey Graham, um dos maiores defensores do envolvimento norte-americano na guerra da Síria. “Com todo o respeito, o Daesh não foi derrotado na Síria e no Iraque e, tendo acabado de regressar da região, posso dizer que certamente não foi derrotado no Afeganistão”, escreveu o senador.

As tropas americanas lideram desde 2014 a coligação internacional contra a ameaça terrorista. Durante a campanha presidencial de 2016, Donald Trump tinha defendido a diminuição da presença militar norte-americana no Médio Oriente.

Contudo, quando tomou posse como presidente dos EUA, Trump recuou nessa intenção, concordando com assessores militares que o convenceram da necessidade de manter forças na Síria, para acabar com o Estado Islâmico.

No início de dezembro, o Pentágono tinha desmentido qualquer intenção de retirada de tropas da Síria.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Friends: atores já terminaram as gravações do episódio especial

Ainda antes de os talk shows serem suspensos devido à COVID-19, Matt LeBlanc foi um dos convidados do The Kelly Clarkson Show, onde confirmou que as gravações do episódio especial de FRIENDS estavam concluídas. O programa …

YouTube remove vídeos que vinculam falsamente a Covid-19 ao 5G

A onda de teorias falsas que ligam a pandemia da COVID-19 ao 5G levou a uma série de incidentes, incluindo ameaças a engenheiros. Agora, o YouTube está a reprimir essa desinformação. O YouTube informou que removerá …

Engenheiros construiram um ventilador caseiro. Pode servir como "último recurso"

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Vanderbilt, nos Estados Unidos, construiu um ventilador caseiro que pode ser usado como último recurso. A pandemia de covid-19 continua a desafiar as comunidades médicas e uma das ameaças …

Sepultura de genocídio encontrada no Ruanda pode conter 30 mil corpos

No Ruanda, foi encontrada uma sepultura que pode conter 30 mil vítimas do genocídio no país em 1994. Cerca de 800 mil tutsis e hutus moderados foram assassinados. Mais de 25 anos depois de um genocídio …

Belenenses SAD entra parcialmente em lay-off

"A indústria do futebol está entre as mais atingidas pelos efeitos da pandemia", que provocou a suspensão de praticamente todas as provas futebolísticas, destaca o Belenenses SAD. O Belenenses SAD, da I Liga de futebol, entrou …

Dois milhões de máscaras furtadas em Espanha podem ter sido vendidas em Portugal

O equipamento médico e sanitário furtado está avaliado em cinco milhões de euros e terá sido adquirido por uma empresa portuguesa que conhecia a proveniência do material. Um empresário de Santiago de Compostela foi detido por, …

Facebook terá tentado comprar um software de espionagem em 2017

O Facebook tem estado envolvido em vários escândalos e o mais recente está relacionado com a alegada compra da ferramenta Pegasus, usada para hackear iPhones. A empresa de segurança informática NSO Group, responsável pela Pegasus, alega …

Primeiro-ministro espanhol diz que coronavírus desafia o futuro da UE. E fá-lo em sete idiomas

O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez publicou no domingo um artigo em sete idiomas europeus, argumentando que o coronavírus pode ser a ruína da União europeia (UE) caso não sejam tomadas medidas mais drásticas para lidar …

Viseiras de Leiria despertam cobiça. Bélgica e EUA queriam comprar toda a produção

Várias empresas de moldes e plásticos da região de Leiria estão a fabricar viseiras de protecção contra a Covid-19. Uma adaptação em tempos de pandemia que está a levantar atenção no estrangeiro, com EUA e …

Apple vai começar a produzir um milhão de máscaras por semana

O presidente da Apple, Tim Cook, anunciou que a empresa poderá produzir um milhão de máscaras por semana a partir do próximo fim de semana. Tim Cook explicou, na sua conta da rede social Twitter, que …