Trump admite ter desvalorizado gravidade do vírus “para não criar pânico”

David Maxwell / EPA

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

O mais recente livro do jornalista norte-americano Bob Woodward revela que Donald Trump admitiu que sabia que o novo coronavírus era perigoso, mas desvalorizou-se “para não criar pânico”.

De acordo com a CNN, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deu uma série de entrevistas ao jornalista norte-americano Bob Woodward nos últimos meses, entre 5 de dezembro de 2019 e 21 de julho de 2020, que são agora reveladas no seu novo livro “Raiva”, que será publicado a 15 de setembro.

O livro revela que Trump admitiu, numa entrevista a 7 de fevereiro, antes de os Estados Unidos serem atingidos pelo novo coronavírus, que o vírus era mortal e perigoso. “Isto é uma coisa mortal”, disse nessa altura.

O presidente dos Estados Unidos terá mesmo confessado a Wodward que era “impressionante” como o vírus era “provavelmente cinco vezes mais mortal do que a gripe”. “Ele circula pelo ar, o que é sempre pior do que se for só pelo toque. Uma pessoa pode não tocar em coisas, certo? Mas no ar, no ar é impossível, basta respirarmos o ar e é assim que ele passa. Por isso é que é tão complicado. É muito delicado, e mais mortal do que a gripe sazonal”, disse.

Apesar destas declarações, em público, Trump desvalorizou o uso de máscara e recusou-se a fechar antecipadamente o comércio e os serviços, dizendo que tudo ficaria bem.

Uma semana depois da entrevista com Woodward, Trump garantiu, numa conferência de imprensa na Casa Branca, que “dentro de uns dias o número de casos vai ser perto de zero”.

O livro mostra que o Presidente quis desvalorizar para não causar pânico, mesmo sabendo que não tomar medidas poderia contribuir para a morte de milhares de pessoas. A 19 de março, Trump terá explicado que “sempre quis minimizar a situação” e que continua a fazê-lo: “Não quero causar o pânico”, admitiu.

Numa das últimas entrevistas, em julho, Trump dusse que não tinha nada a ver com o vírus. “O vírus não tem nada a ver comigo, não é culpa minha. A China é que deixou o raio do vírus sair”, disse.

Ex-assessores consideram Trump “incapaz e perigoso”

Vários ex-assessores de defesa e segurança nacional de Trumo consideram-no “incapaz”, “perigoso” e sem capacidade de discernimento para governar, segundo entrevistas incluídas no novo livro do jornalista Bob Woodward.

Woodward menciona, por exemplo, o ex-secretário da Defesa, James Mattis, que é de opinião que Trump não tem capacidade para exercer o cargo presidencial, é “perigoso” e “não tem bússola moral”.

Mattis, que foi secretário da Defesa nos dois primeiros anos da presidência de Trump, garantiu a Woordward que o Presidente mostra o caminho aos adversários do país sobre “como destruir os Estados Unidos. Como isolar-nos dos nossos aliados e como destruir-nos. E está a funcionar muito bem”.

No livro é também citado o ex-diretor das Informações Nacionais, Dan Coats, que assegura que, para Trump, “uma mentira não é uma mentira, apenas algo que pensa” e o chefe de Estado norte-americano “não sabe diferenciar entre a verdade e uma mentira”.

Coats opinou que ainda que não haja provas de que o Presidente russo, Vladimir Putin, tem material secreto para chantagear Trump, apenas se pode entender o comportamento deste em relação à Rússia se existir algo devido aos negócios e movimentos do milionário “no lado escuro”.

O antigo chefe das Informações Nacionais considera que dirigentes estrangeiros como Putin ou o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, “manipulam” Trump, “colocam-lhe o tapete vermelho”, tratam-no com ostentação e “fazem o que querem”.

Anthony Fauci, principal conselheiro para a área da epidemiologia e doenças infeciosa, aparece no livro a criticar a liderança “sem rumo” de Trump e a sugerir que o seu “único objetivo” é a reeleição.

Analista pressionado para suprimir textos incómodos

Um dirigente do Departamento de Segurança Interna (DSI) dos Estados Unidos afirmou, em denúncia divulgada esta quarta-feira, que foi pressionado pelos líderes da agência para suprimir passagens nos seus relatórios de informações, que poderiam desagradar a Donald Trump. Entre estas estavam algumas relativas à interferência russa nas eleições presidenciais e à ameaça colocada pelos supremacistas brancos.

Brian Murphy afirmou na queixa, dirigida ao inspetor-geral da agência, que tinha sido despromovido por se recusar a alterar o seu relatório de informações de uma forma “ilegal e imprópria”.

Este antigo agente da polícia federal (FBI) e do corpo de fuzileiros (marines) era o primeiro vice-subsecretário no Gabinete de Informações e Análise. Em agosto foi despromovido para assistente do vice-subsecretário para a Gestão do DSI.

“O senhor Murphy é, dito de forma simples, um dedicado funcionário público, que teve uma carreira meritória antes dos acontecimentos recentes que levaram à apresentação desta queixa ao Gabinete do Inspetor-Geral” do DSI, declarou-se no texto. “Antes das atuais circunstâncias, ele nunca teve sequer um relatório negativo sobre a sua forma física na sua carreira profissional no Governo dos EUA”, acentuou-se.

Na queixa, alegou-se que a antiga secretária do DSI, Kirstjen Nielsen, o atual secretário interino, Chad Wolf, e o vice deste, Ken Cuccinelli, pressionaram-no de forma repetida para alterar as avaliações da informação trabalhada de forma que corroborassem as políticas do Governo de Trump ou que evitassem ofendê-lo.

Um dos exemplos dados foi o de que Nielsen e os seus adjuntos pressionaram-no para exagerar o número de imigrantes com ligações ao terrorismo que tinham sido detidos na fronteira sul. Murphy acusou-a de ter mencionado números falsos elevados durante um testemunho no Congresso.

O queixoso alegou também que Wolf, que foi nomeado para secretário do DSI por Trump, instruiu Murphy para deixar de fazer avaliações de informações sobre a ameaça da interferência russa nos EUA, porque isso “dava mau aspeto ao presidente”. Murphy disse que rejeitou a instrução, porque aceitá-la seria uma violação dos seus deveres.

Adiantou ainda que Cuccinelli ordenou-lhe que modificasse um relatório sobre a supremacia branca, para que esta ameaça ficasse mais diluída, e que incluísse informação sobre grupos de esquerda, reproduzindo os tópicos do discurso da Casa Branca sobre os confrontos subsequentes à morte de George Floyd.

Uma cópia da queixa foi divulgada pelo congressista democrata Adam Schiff, da comissão de Informações da Câmara dos Representantes.

  ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Agora, nos dicionários americanos, os termos estupidez e ignorância, poderão ter o novo significado de “para não criar pânico”,

RESPONDER

Cientistas estão a plantar mesas de xadrez de corais para restaurar recifes - e contam com a ajuda de garrafas de Coca-Cola

Nas últimas três décadas, os recifes de coral têm sofrido uma grande tensão e consequente destruição, devido ao impacto das alterações climáticas. Agora, os cientistas querem minimizar os danos e já encontraram uma solução. O objetivo …

Belenenses 0-4 Sporting | Melhor o resultado que a lesão

O Sporting, da I Liga, venceu hoje o Belenenses, do Campeonato de Portugal, por 4-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, garantindo o apuramento para a próxima fase da competição. No …

Sintrense 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto, da I Liga, venceu hoje o Sintrense, do Campeonato de Portugal, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, e segue em frente na competição. A jogar em …

Nova tecnologia usa calor dos estacionamentos subterrâneos para aquecer apartamentos

A startup Enerdrape, que funciona dentro da Escola Politécnica de Lausanne (EPFL), na Suíça, desenvolveu uma tecnologia que aproveita o calor emanado pelo solo no aquecimento de apartamentos. Quase 60% do aquecimento utilizado nos edifícios residenciais …

Pela primeira vez, um drone transportou os pulmões de um dador em segurança. Voo demorou seis minutos

Pela primeira vez na história da medicina, um drone aéreo transportou os pulmões de um dador com rapidez e segurança entre dois hospitais. O voo, que durou apenas seis minutos, ocorreu no passado dia 25 de …

Grupo de hackers clonou a voz de empresário para roubar 35 milhões de dólares do banco

Um grupo de hackers clonou a voz do diretor de uma empresa, conseguindo assim roubar mais de 35 milhões de dólares de um banco nos Emirados Árabes Unidos. No início do ano passado, o gerente de …

Portugueses comem duas vezes mais do que o recomendando

Os portugueses consumiram, em média, duas vezes mais calorias do que o recomendando para um adulto entre 2016 e 2020, ano em que a pandemia provocou uma redução do consumo de alimentos diário, mas ainda …

Aos 95 anos, a rainha Isabel II terá de abdicar da sua bebida favorita

A monarca foi aconselhada pelos médicos a abdicar do seu habitual martini de fim de dia, em antecipação a uma fase de agenda especialmente preenchida. Com 95 anos, a rainha Isabel II tem tido uma semana …

Médicos vão avaliar estado mental do atacante da Noruega

A investigação ao ataque com arco e flecha que na quarta-feira fez cinco mortos na Noruega reforçou, até agora, a tese de um ato devido a doença, anunciou hoje a polícia norueguesa. “A hipótese que foi …

Há mais de 100 anos, o Hawai teve uma monarquia - mas a força da princesa Ka'iulani não chegou para a preservar

Antes de morrer, com apenas 23 anos, a princesa Victoria Ka'iulani foi a última herdeira da coroa havaiana. A jovem era uma das últimas esperanças em manter a monarquia viva, mas nem a sua determinação …