Trump admite ter desvalorizado gravidade do vírus “para não criar pânico”

David Maxwell / EPA

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

O mais recente livro do jornalista norte-americano Bob Woodward revela que Donald Trump admitiu que sabia que o novo coronavírus era perigoso, mas desvalorizou-se “para não criar pânico”.

De acordo com a CNN, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deu uma série de entrevistas ao jornalista norte-americano Bob Woodward nos últimos meses, entre 5 de dezembro de 2019 e 21 de julho de 2020, que são agora reveladas no seu novo livro “Raiva”, que será publicado a 15 de setembro.

O livro revela que Trump admitiu, numa entrevista a 7 de fevereiro, antes de os Estados Unidos serem atingidos pelo novo coronavírus, que o vírus era mortal e perigoso. “Isto é uma coisa mortal”, disse nessa altura.

O presidente dos Estados Unidos terá mesmo confessado a Wodward que era “impressionante” como o vírus era “provavelmente cinco vezes mais mortal do que a gripe”. “Ele circula pelo ar, o que é sempre pior do que se for só pelo toque. Uma pessoa pode não tocar em coisas, certo? Mas no ar, no ar é impossível, basta respirarmos o ar e é assim que ele passa. Por isso é que é tão complicado. É muito delicado, e mais mortal do que a gripe sazonal”, disse.

Apesar destas declarações, em público, Trump desvalorizou o uso de máscara e recusou-se a fechar antecipadamente o comércio e os serviços, dizendo que tudo ficaria bem.

Uma semana depois da entrevista com Woodward, Trump garantiu, numa conferência de imprensa na Casa Branca, que “dentro de uns dias o número de casos vai ser perto de zero”.

O livro mostra que o Presidente quis desvalorizar para não causar pânico, mesmo sabendo que não tomar medidas poderia contribuir para a morte de milhares de pessoas. A 19 de março, Trump terá explicado que “sempre quis minimizar a situação” e que continua a fazê-lo: “Não quero causar o pânico”, admitiu.

Numa das últimas entrevistas, em julho, Trump dusse que não tinha nada a ver com o vírus. “O vírus não tem nada a ver comigo, não é culpa minha. A China é que deixou o raio do vírus sair”, disse.

Ex-assessores consideram Trump “incapaz e perigoso”

Vários ex-assessores de defesa e segurança nacional de Trumo consideram-no “incapaz”, “perigoso” e sem capacidade de discernimento para governar, segundo entrevistas incluídas no novo livro do jornalista Bob Woodward.

Woodward menciona, por exemplo, o ex-secretário da Defesa, James Mattis, que é de opinião que Trump não tem capacidade para exercer o cargo presidencial, é “perigoso” e “não tem bússola moral”.

Mattis, que foi secretário da Defesa nos dois primeiros anos da presidência de Trump, garantiu a Woordward que o Presidente mostra o caminho aos adversários do país sobre “como destruir os Estados Unidos. Como isolar-nos dos nossos aliados e como destruir-nos. E está a funcionar muito bem”.

No livro é também citado o ex-diretor das Informações Nacionais, Dan Coats, que assegura que, para Trump, “uma mentira não é uma mentira, apenas algo que pensa” e o chefe de Estado norte-americano “não sabe diferenciar entre a verdade e uma mentira”.

Coats opinou que ainda que não haja provas de que o Presidente russo, Vladimir Putin, tem material secreto para chantagear Trump, apenas se pode entender o comportamento deste em relação à Rússia se existir algo devido aos negócios e movimentos do milionário “no lado escuro”.

O antigo chefe das Informações Nacionais considera que dirigentes estrangeiros como Putin ou o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, “manipulam” Trump, “colocam-lhe o tapete vermelho”, tratam-no com ostentação e “fazem o que querem”.

Anthony Fauci, principal conselheiro para a área da epidemiologia e doenças infeciosa, aparece no livro a criticar a liderança “sem rumo” de Trump e a sugerir que o seu “único objetivo” é a reeleição.

Analista pressionado para suprimir textos incómodos

Um dirigente do Departamento de Segurança Interna (DSI) dos Estados Unidos afirmou, em denúncia divulgada esta quarta-feira, que foi pressionado pelos líderes da agência para suprimir passagens nos seus relatórios de informações, que poderiam desagradar a Donald Trump. Entre estas estavam algumas relativas à interferência russa nas eleições presidenciais e à ameaça colocada pelos supremacistas brancos.

Brian Murphy afirmou na queixa, dirigida ao inspetor-geral da agência, que tinha sido despromovido por se recusar a alterar o seu relatório de informações de uma forma “ilegal e imprópria”.

Este antigo agente da polícia federal (FBI) e do corpo de fuzileiros (marines) era o primeiro vice-subsecretário no Gabinete de Informações e Análise. Em agosto foi despromovido para assistente do vice-subsecretário para a Gestão do DSI.

“O senhor Murphy é, dito de forma simples, um dedicado funcionário público, que teve uma carreira meritória antes dos acontecimentos recentes que levaram à apresentação desta queixa ao Gabinete do Inspetor-Geral” do DSI, declarou-se no texto. “Antes das atuais circunstâncias, ele nunca teve sequer um relatório negativo sobre a sua forma física na sua carreira profissional no Governo dos EUA”, acentuou-se.

Na queixa, alegou-se que a antiga secretária do DSI, Kirstjen Nielsen, o atual secretário interino, Chad Wolf, e o vice deste, Ken Cuccinelli, pressionaram-no de forma repetida para alterar as avaliações da informação trabalhada de forma que corroborassem as políticas do Governo de Trump ou que evitassem ofendê-lo.

Um dos exemplos dados foi o de que Nielsen e os seus adjuntos pressionaram-no para exagerar o número de imigrantes com ligações ao terrorismo que tinham sido detidos na fronteira sul. Murphy acusou-a de ter mencionado números falsos elevados durante um testemunho no Congresso.

O queixoso alegou também que Wolf, que foi nomeado para secretário do DSI por Trump, instruiu Murphy para deixar de fazer avaliações de informações sobre a ameaça da interferência russa nos EUA, porque isso “dava mau aspeto ao presidente”. Murphy disse que rejeitou a instrução, porque aceitá-la seria uma violação dos seus deveres.

Adiantou ainda que Cuccinelli ordenou-lhe que modificasse um relatório sobre a supremacia branca, para que esta ameaça ficasse mais diluída, e que incluísse informação sobre grupos de esquerda, reproduzindo os tópicos do discurso da Casa Branca sobre os confrontos subsequentes à morte de George Floyd.

Uma cópia da queixa foi divulgada pelo congressista democrata Adam Schiff, da comissão de Informações da Câmara dos Representantes.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Agora, nos dicionários americanos, os termos estupidez e ignorância, poderão ter o novo significado de “para não criar pânico”,

RESPONDER

Assimetrias celestes. Afinal, os ventos estelares não são esféricos

Uma equipa de astrónomos realizou várias observações de ventos estelares em torno de estrelas envelhecidas e, como resultado, apresentaram uma nova explicação para as formas das nebulosas planetárias. Os cientistas descobriram que, afinal, os ventos estelares …

Consumo excessivo de álcool afeta o sistema nervoso (e aumenta a ansiedade)

Investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde concluíram que o consumo repetitivo de álcool afeta diretamente células imunes do sistema nervoso central, que eliminam parte da comunicação entre os neurónios, e provoca o …

Afinal, os tubarões-baleia macho não são os maiores peixes dos oceanos

Um novo estudo revela que, afinal, os tubarões-baleia machos não são os maiores peixes do oceano. As fêmeas crescem continuamente muito depois de os machos pararem, atingindo tamanhos maiores - ainda que demorem mais tempo …

Exército norte-americano usou fundos de emergência covid-19 para comprar armas

O exército dos Estados Unidos utilizou fundos de emergência aprovados pelo Congresso especificamente para combater a covid-19 para comprar armas, denuncia esta semana o jornal norte-americano The Washington Post. O caso remonta a março passado, …

Carpinteiros usam técnica medieval na reconstrução de Notre Dame

A reconstrução de Notre Dame - que se prevê estar concluída no prazo de cinco anos - continua a avançar e os carpinteiros usaram técnicas medievais para erguer uma estrutura na fachada do monumento. A Catedral …

Durante um ano e meio, uma aldeia inteira perdeu a Internet todos os dias à mesma hora (e já se sabe porquê)

Durante 18 meses, os residentes de uma vila no País de Gales perderam a Internet todos os dias à mesma hora. Agora, engenheiros identificaram o motivo: uma televisão em segunda mão que emitia um sinal …

Gado na UE produz 704 milhões de toneladas de CO2 (mais do que todos os transportes juntos)

De acordo com uma nova análise da Greenpeace, animais de criação como vacas, porcos e outros, estão a emitir mais gases com efeito de estufa na Europa do que todos os transportes juntos. Na última década, …

É distraído e está sempre a perder a carteira? A Cashew Smart Wallet é para si

Uma simples carteira pode vir a melhorar os seus dias. A Cashew Smart Wallet é dotada de uma tecnologia de bluetooth que permite proteger os seus bens e ainda o ajuda caso a perca por …

Desportivo das Aves SAD desiste do Campeonato de Portugal

O Desportivo das Aves SAD vai abdicar da participação no Campeonato de Portugal (CdP), após ter falhado as negociações com o Perafita para utilizar as instalações do clube de Matosinhos. "As inscrições fechavam ontem [terça-feira] e …

Celebridades doam dinheiro para pagar dívidas a ex-presos impedidos de votar nos EUA

O bilionário Michael Bloomberg, o cantor John Legend e o basquetebolista LeBron James são algumas das celebridades que estão a doar dinheiro para pagar dívidas de ex-presidiários da Florida, impedidos de votar nas próximas eleições …