Livro revela que tio-avô de Almeida Garrett era traficante de escravos

Novo livro revela que o o tio-avô do autor da obra “Viagens da Minha Terra” foi traficante de escravos no século XVIII.

Em entrevista à agência Lusa, o estudante de doutoramento brasileiro Gairo Garreto, autor do livro “Garrett: Traficante de Escravos”, revelou que é descendente da sétima geração da família Garrett e, após pesquisas feitas em Portugal, Brasil, Espanha, Cabo Verde, Angola e Nicarágua, descobriu que o tio-avô do autor da obra “Viagens da Minha Terra” foi traficante de escravos no século XVIII e que um primo-direito do escritor foi um fazendeiro de algodão assassinado pelos próprios escravos.

António Bernardo Garrett dedicou-se ao “tráfico de escravos no Brasil”, no Estado do Grão-Pará e Maranhão, na atual Amazónia brasileira, disse hoje à Lusa Gairo Garreto (sobrenome aportuguesado do nome Garrett).

“Tinha curiosidade sobre uma história de um assassinato do fazendeiro António Raulino Garrett. (…) Essa história cruel era contada desde muito miúdos e havia uma curiosidade em relação a isso, porque não tinha isso documentado. Não sabia quando tinha sido. E foi para sanar a minha curiosidade que eu comecei a pesquisa”, conta o autor de “Garrett: Traficante de Escravos”.

“É uma história que é sempre repetida na minha família. Ficou na tradição oral. Quando eu era miúdo e fazia qualquer coisa errada, diziam logo: ‘é porque é parente do António Raulino que foi assassinado pelos escravos'”, recorda Gairo Garreto, a frequentar o programa doutoral em Segurança e Higiene Ocupacionais na Universidade do Porto.

O livro “Garrett: Traficante de Escravos”, apresentado esta quinta-feira, pelas 18h00, na Reitoria da Universidade do Porto, tem 146 páginas, e aborda a família Garrett “como um todo”, descreve Gairo Garreto, acrescentando que a obra é centrada no António Garrett, tio-avô de Almeida Garrett.

“O livro esclarece como é que a família acabou por chegar a Portugal e de onde veio, quais são as reais origens da família e o que levou a família a vir para Portugal, mais especificamente para os Açores e como se estabeleceu”, explica Gairo Garreto, cuja tese de doutoramento é sobre a escravatura moderna, na ótica da segurança ocupacional.

O investigador descobriu que António Garrett, o tio-avô, fora um capitão de navio e uma figura fundamental para o ramo da família que ficou em Portugal, apoiando e ajudando a avó do escritor, Margarida, que ficou viúva com vários filhos e sem condições financeiras.

“Após [António Garrett] ficar viúvo e já quase com 70 anos de idade, ele resolveu mudar de vida, trocar de atividade (…) e foi investir no Maranhão, no início da Amazónia brasileira (na época Amazónia portuguesa). Foi investir no tráfico de escravos”, desvendou, acrescentando que nessa altura o mercado de escravos tinha ficado livre do monopólio da Companhia do Comércio do Maranhão Grão-Pará.

“O Almeida Garrett não chega a entrar no tráfico de escravos, mas é interessante ressaltar que António Garrett, além de tio-avô de Almeida Garrett, era também padrinho do pai do escritor”, observou o especialista.

Quem teve alguma relação com o tráfico de escravos foi um outro tio de Almeida Garrett, Alexandre da Sagrada Família (1737-1818), um dos maiores pensadores abolicionistas da altura em Portugal, indicou Gairo Garreto, recordando que esse homem foi bispo em Angra do Heroísmo, (Açores), bispo de Angola, e ao mesmo tempo um outro tio de Almeida, o António Bernardo, estava traficar escravos a partir de Angola.

Alexandre da Sagrada Família é considerado pela sua linha de pensamento “mais liberal”.

António Raulino Garrett, filho de António Garrett e primo do escritor português, chegou a viver em França, mas depois veio estabelecer-se também no Maranhão, criando o ramo da família que vive hoje no Maranhão e da qual Gairo Garreto é descendente.

Raulino Garrett, o primo de Garrett, abandonou o tráfico de escravos, mas foi um dos grandes proprietários de escravos dedicado às fazendas de algodão no Maranhão.

Raulino era conhecido na região do Maranhão como sendo “especialmente cruel na lida com os seus escravos e em janeiro de 1840, numa época em que havia uma revolta popular no Maranhão, foi “assassinado sangrado como se se sangra um porco, ou seja de arma branca na jugular, porque era assim que ele matava os escravos dele”, recorda o investigador, citando a tradição oral da família que ouve desde criança.

“Aparentemente Raulino, que chegou a viver em França, não tinha muito interesse em ter ligação com a família Garrett em Portugal e nos Açores, vendendo e desfazendo-se de todas as propriedades nos Açores e perdendo as ligações familiares, acrescentou o descendente do autor de “Folhas Caídas”.

Gairo Garreto é licenciado em engenharia mecânica, com especialização em engenharia de segurança do Trabalho pela Universidade Estadual do Maranhão, e é professor/investigador efetivo no Instituto Federal do Maranhão.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

Responder a Val Cancelar resposta

"Esforço coletivo para salvar o Natal". Nóbeis da Economia querem novo confinamento em dezembro

Esther Duflo e Abhijit Banerjee, prémios Nobel da Economia de 2019, propõem quarentena em França em dezembro, para que seja possível "festejar o Natal". O casal acredita que só assim será possível festejar a quadra …

Venda de vinhos alentejanos para a Suécia disparou (e foi graças à pandemia)

Nunca se tinham vendido tantos vinhos alentejanos para a Suécia como durante o período de confinamento em Portugal. A estratégia menos restritiva dos suecos contra a covid-19 ajuda a explicar esse cenário, verificando-se a mesma …

Spray nasal investigado na Austrália pode travar covid-19 (e tem uma taxa de eficácia de 96%)

É simples: com apenas uma ou duas aplicações por semana, o novo spray pode evitar que as pessoas infetadas com o novo coronavírus contagiem as outras à sua volta. Muito se tem falado sobre uma potencial …

Brad Parscale, ex-diretor de campanha de Trump, hospitalizado após tentativa de suicídio

O antigo diretor digital de campanha de Donald Trump, Brad Parscale, foi hospitalizado depois de a mulher ter alertado para tentativa de suicídio. Brad Parscale, ex-diretor digital de campanha do atual Presidente dos Estados Unidos, Donald …

Variante de SARS-CoV-2 oriunda de Itália marcou início da pandemia. Circulou durante dias sem controlo

O arranque da epidemia em Portugal foi marcado pela “disseminação massiva” de uma variante do SARS-CoV-2 com uma mutação específica, que começou a circular nas regiões Norte e Centro mais de uma semana antes do …

Existem 51 surtos ativos de covid-19 em lares e 12 em escolas

Existem atualmente em Portugal 51 surtos ativos de covid-19 em lares e 12 em escolas, revelou esta segunda-feira, em conferência de imprensa, a diretora-geral da Direção-Geral da Saúde, Graça Freitas. Sem identificar especificamente os lares …

Catalunha. Supremo Tribunal espanhol confirma inabilitação de Quim Torra

O Supremo Tribunal espanhol confirmou esta segunda-feira a inabilitação por um ano e meio do presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, por desobediência à junta eleitoral central. O acórdão, aprovado por unanimidade, obriga Torra …

Já há mais 6.829 mortes do que em 2019, mas covid-19 só fez 2 mil. Óbitos em casa subiram 18%

Desde o início da pandemia, há registo de um aumento de 18% de óbitos que ocorrem em casa e as mortes em investigação subiram 24%. Nos hospitais há uma subida de 5,6% na taxa de …

PCP diz que pandemia é usada como pretexto para intensificar exploração dos trabalhadores

O secretário-geral do PCP consideraque a pandemia de covid-19 está a ser utilizada como pretexto para se tentar fazer regredir décadas em conquistas de direitos, através do que apelidou de "teorias do 'novo normal'". Jerónimo de …

Morreu o bailarino e coreógrafo Jorge Salavisa

O bailarino e coreógrafo Jorge Salavisa, que dirigiu o Ballet Gulbenkian e a Companhia Nacional de Bailado (CNB), morreu esta segunda-feira, aos 81 anos, confirmou à agência Lusa fonte oficial da CNB. A notícia da morte …