Livro revela que tio-avô de Almeida Garrett era traficante de escravos

Novo livro revela que o o tio-avô do autor da obra “Viagens da Minha Terra” foi traficante de escravos no século XVIII.

Em entrevista à agência Lusa, o estudante de doutoramento brasileiro Gairo Garreto, autor do livro “Garrett: Traficante de Escravos”, revelou que é descendente da sétima geração da família Garrett e, após pesquisas feitas em Portugal, Brasil, Espanha, Cabo Verde, Angola e Nicarágua, descobriu que o tio-avô do autor da obra “Viagens da Minha Terra” foi traficante de escravos no século XVIII e que um primo-direito do escritor foi um fazendeiro de algodão assassinado pelos próprios escravos.

António Bernardo Garrett dedicou-se ao “tráfico de escravos no Brasil”, no Estado do Grão-Pará e Maranhão, na atual Amazónia brasileira, disse hoje à Lusa Gairo Garreto (sobrenome aportuguesado do nome Garrett).

“Tinha curiosidade sobre uma história de um assassinato do fazendeiro António Raulino Garrett. (…) Essa história cruel era contada desde muito miúdos e havia uma curiosidade em relação a isso, porque não tinha isso documentado. Não sabia quando tinha sido. E foi para sanar a minha curiosidade que eu comecei a pesquisa”, conta o autor de “Garrett: Traficante de Escravos”.

“É uma história que é sempre repetida na minha família. Ficou na tradição oral. Quando eu era miúdo e fazia qualquer coisa errada, diziam logo: ‘é porque é parente do António Raulino que foi assassinado pelos escravos'”, recorda Gairo Garreto, a frequentar o programa doutoral em Segurança e Higiene Ocupacionais na Universidade do Porto.

O livro “Garrett: Traficante de Escravos”, apresentado esta quinta-feira, pelas 18h00, na Reitoria da Universidade do Porto, tem 146 páginas, e aborda a família Garrett “como um todo”, descreve Gairo Garreto, acrescentando que a obra é centrada no António Garrett, tio-avô de Almeida Garrett.

“O livro esclarece como é que a família acabou por chegar a Portugal e de onde veio, quais são as reais origens da família e o que levou a família a vir para Portugal, mais especificamente para os Açores e como se estabeleceu”, explica Gairo Garreto, cuja tese de doutoramento é sobre a escravatura moderna, na ótica da segurança ocupacional.

O investigador descobriu que António Garrett, o tio-avô, fora um capitão de navio e uma figura fundamental para o ramo da família que ficou em Portugal, apoiando e ajudando a avó do escritor, Margarida, que ficou viúva com vários filhos e sem condições financeiras.

“Após [António Garrett] ficar viúvo e já quase com 70 anos de idade, ele resolveu mudar de vida, trocar de atividade (…) e foi investir no Maranhão, no início da Amazónia brasileira (na época Amazónia portuguesa). Foi investir no tráfico de escravos”, desvendou, acrescentando que nessa altura o mercado de escravos tinha ficado livre do monopólio da Companhia do Comércio do Maranhão Grão-Pará.

“O Almeida Garrett não chega a entrar no tráfico de escravos, mas é interessante ressaltar que António Garrett, além de tio-avô de Almeida Garrett, era também padrinho do pai do escritor”, observou o especialista.

Quem teve alguma relação com o tráfico de escravos foi um outro tio de Almeida Garrett, Alexandre da Sagrada Família (1737-1818), um dos maiores pensadores abolicionistas da altura em Portugal, indicou Gairo Garreto, recordando que esse homem foi bispo em Angra do Heroísmo, (Açores), bispo de Angola, e ao mesmo tempo um outro tio de Almeida, o António Bernardo, estava traficar escravos a partir de Angola.

Alexandre da Sagrada Família é considerado pela sua linha de pensamento “mais liberal”.

António Raulino Garrett, filho de António Garrett e primo do escritor português, chegou a viver em França, mas depois veio estabelecer-se também no Maranhão, criando o ramo da família que vive hoje no Maranhão e da qual Gairo Garreto é descendente.

Raulino Garrett, o primo de Garrett, abandonou o tráfico de escravos, mas foi um dos grandes proprietários de escravos dedicado às fazendas de algodão no Maranhão.

Raulino era conhecido na região do Maranhão como sendo “especialmente cruel na lida com os seus escravos e em janeiro de 1840, numa época em que havia uma revolta popular no Maranhão, foi “assassinado sangrado como se se sangra um porco, ou seja de arma branca na jugular, porque era assim que ele matava os escravos dele”, recorda o investigador, citando a tradição oral da família que ouve desde criança.

“Aparentemente Raulino, que chegou a viver em França, não tinha muito interesse em ter ligação com a família Garrett em Portugal e nos Açores, vendendo e desfazendo-se de todas as propriedades nos Açores e perdendo as ligações familiares, acrescentou o descendente do autor de “Folhas Caídas”.

Gairo Garreto é licenciado em engenharia mecânica, com especialização em engenharia de segurança do Trabalho pela Universidade Estadual do Maranhão, e é professor/investigador efetivo no Instituto Federal do Maranhão.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Em risco de perder a imunidade, Puigdemont fala em "pressão espanhola"

Carles Puigdemont, Toni Comín e Clara Ponsati estão em risco de perder imunidade. O ex-presidente do governo da Catalunha fala em "pressão espanhola" no Parlamento Europeu. O levantamento da imunidade de Carles Puigdemont e de dois …

Plano de desconfinamento a circular nas redes sociais é falso. Governo faz denúncia ao Ministério Público

Esta quinta-feira, começou a circular nas redes sociais um alegado plano de desconfinamento que teria início já no mês de março. O Governo já veio avisar que o documento é falso e vai fazer uma …

Carlos Carreiras diz que "Passos Coelho não é passado, é presente"

O presidente da Câmara de Cascais voltou a criticar a liderança do líder do PSD e, em sentido contrário, deixou rasgados elogios ao seu antecessor. Numa entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Carlos Carreiras …

PSP diz que jovem que se gabou de violação no Instagram pode ter "fantasiado"

A Polícia de Segurança Pública (PSP) de Viseu afirma que "tudo leva a crer" que o jovem que assumiu, em direto no Instagram, ter violado uma rapariga estivesse a fantasiar. A PSP de Viseu identificou o …

Termina hoje o prazo para validar faturas para apresentar no IRS

Os contribuintes têm até esta quinta-feira para validar e verificar as faturas de 2020 no Portal e-fatura e que vão servir de base no cálculo das deduções no IRS. Há já vários anos que as deduções …

“Foi torturada”. Princesa Latifa escreve carta à polícia a pedir que investigue desaparecimento da irmã

Latifa escreveu à polícia britânica em 2019. O caso da sua irmã Shamsa, raptada em Inglaterra há mais de vinte anos, tem muitas semelhanças com o drama agora vivido pela princesa. A princesa Latifa, filha do …

Pelo menos oito mortos após golpe de Estado em Myanmar. ONG pedem embargo ao fornecimento de armas

Pelo menos oito pessoas morreram em Myanmar, como resultado da violência desencadeada após o golpe de Estado realizado pelos militares a 1 de fevereiro, segundo a Associação de Assistência aos Prisioneiros Políticos (AAPP). Até agora, o …

24 mil milhões até 2025 e 100% renovável até 2030. Eis o novo plano estratégico da EDP

A EDP apresenta esta quinta-feira o seu novo plano estratégico, comprometendo-se a investir 24 mil milhões de euros até 2025 na transição energética e anunciando o objetivo de até 2030 se tornar 100% verde. Na nota …

Manchester United e Liverpool querem Raphinha, ex-Sporting

Raphinha, antigo jogador do Sporting CP e do Vitória SC, está a ser sondado pelo Manchester United e pelo Liverpool. O brasileiro tem estado em destaque na Premier League, ao serviço do Leeds. Manchester United e …

50 deputados e menos de 100 pessoas na sala. Posse de Marcelo segue modelo do 25 de Abril

Marcelo Rebelo de Sousa vai tomar posse como Presidente da República, no parlamento, no dia 9 de março, numa cerimónia em que apenas estarão presentes 50 dos 230 deputados e menos de 100 pessoas no …