A primeira-ministra britânica, Theresa May, acaba de apresentar demissão. “Anuncio que me demito como líder do Partido Conservador para que possa ser escolhido um sucessor”, declarou May.

May esteve esta manhã de sexta-feira reunida com Graham Brady, líder do grupo parlamentar do Partido Conservador no parlamento britânico, conhecido por Comité 1922.

“Anuncio que me demito como líder do Partido Conservador para que possa ser escolhido um sucessor”, declarou May aos jornalistas à porta da residência oficial, em Downing Street. “Fiz tudo o que era possível para convencer os deputados para apoiar o acordo com a UE. Infelizmente, não consegui. Tentei três vezes. Penso que fiz bem em persistir, mesmo quando as probabilidades de insucesso eram altas. Mas é claro agora para mim que é melhor para o país que um novo primeiro-ministro lidere esse processo”, acrescentou.

O rumor de uma possível demissão começou a circular depois de alguns ministros se terem juntado à revolta do Partido Conservador, segundo avançou o The Times. Esta quarta-feira, Andrea Leadsom —apoiante do Brexit, muito crítica de mais compromissos com Bruxelas —, demitiu-se de líder da Câmara dos Comuns, para não ter de estabelecer um calendário legislativo com que não concordava.

Caso May resistisse à clara vontade da maioria do partido de a afastar, o Comité 1922 iria dar início à votação formal para alterar as regras internas do partido. O objetivo seria permitir a votação de uma nova moção de censura interna. Theresa May sobreviveu a uma, no final de 2018, mas as regras dos tories determinam que ao superar a tentativa de afastamento o líder ganha um ano de imunidade interna.

A primeira-ministra britânica poderá permanecer no cargo mais seis semanas, enquanto os conservadores escolhem o seu sucessor, e, assim, ainda estaria em funções durante a visita do Presidente dos EUA, Donald Trump, ao Reino Unido, que acontece entre 3 e 5 de junho.

Neill Hall / EPA

À porta do nº 10 de Downing Street, discurso de demissão de Theresa May

“Sei que o Partido Conservador pode renovar-se nos próximos anos. Sei que conseguiremos fazer o Brexit”, afirmou Theresa May. A primeira-minitra terminou o discurso de forma emotiva: “Tenho orgulho de poder servir o país que amo”.

Enquanto primeira-ministra, não pode renunciar até que esteja em posição de dizer à rainha Isabel II quem esta deve nomear como sucessor. A demissão da liderança deverá tornar-se efetiva a 7 de junho, iniciando os procedimentos, que passam, numa primeira fase, por uma série de votações dentro do grupo parlamentar que eliminam progressivamente os vários candidatos a apenas dois, que depois serão sujeitos ao voto de todos os militantes do partido.

Jeremy Corbyn apelou, momentos depois do anúncio da demissão, a que se convocassem eleições gerais imediatas, alegando que May “não pode governar”. Já o partido conservador anunciou que o sucessor será anunciado antes de dia 20 de julho.

Theresa May, de 62 anos, assumiu o cargo em julho de 2016, pouco depois de os britânicos terem votado a favor do Brexit, no referendo de 23 de junho de 2016. Até agora, a líder não conseguiu reunir consenso quanto às condições para a saída da União Europeia entre a classe política, profundamente dividida sobre a questão, como também está a sociedade britânica.

O acordo de saída negociado com Bruxelas foi rejeitado três vezes pelos parlamentares, o que obrigou o executivo a adiar o Brexit até 31 de outubro, quando a data inicial era 29 de março, e realizar ainda as eleições para o Parlamento Europeu.

Na terça-feira, Theresa May apresentou um plano de “última oportunidade”, que incluiu uma série de compromissos para tentar convencer os parlamentares britânicos. A tentativa foi em vão, já que o texto foi alvo de uma enxurrada de críticas tanto da oposição trabalhista quanto dos eurocéticos de seu próprio partido, levando à renúncia na noite de quarta-feira da ministra encarregada das relações com o Parlamento, Andrea Leadsom.

O projeto de lei, que Theresa May contava votar na semana de 3 de junho, não aparece no programa legislativo anunciado na quinta-feira pelo Governo aos deputados.

Os pretendentes à sucessão

Boris Johnson é o grande favorito das casas de apostas e ativistas de base do Partido Conservador. O ex-presidente de Londres disse que seria “naturalmente” candidato ao cargo de primeiro-ministro. “Bojo”, de 54 anos, foi um dos grandes arquitetos da vitória do Brexit no referendo de junho de 2016, e continua a ser a cara mais conhecida entre os defensores da saída da União Europeia.

Ex-ministro dos Negócios Estrangeiros, criticou a estratégia de Theresa May nas negociações com Bruxelas e acabou por deixar o Governo para defender uma rutura clara com a UE.

Andrea Leadsom é defensora do Brexit e era a ministra encarregada das relações com o parlamento até se ter demitido na quarta-feira, o que representou uma perda significativa para Theresa May. Andrea Leadsom, de 56 anos, passou três décadas na City de Londres. Começou a tornar-se conhecida na campanha do referendo, quando era secretária de Estado da Energia, por defender com paixão a saída da UE sem perder a calma e o sorriso.

Michael Gove, ministro do Ambiente, é um eurocético de 51 anos e desempenhou o papel de homem de confiança dos partidários do Brexit no Governo de Theresa May. Braço direito de Boris Johnson durante a campanha do referendo, “apunhalou-o” pelas costas em 2016, retirando o seu apoio enquanto se preparava para concorrer ao Governo, mas foi eliminado na votação dos membros do partido.

Jeremy Hunt tem 52 anos e é o ministro dos Negócios Estrangeiros. Apoiou a manutenção do Reino Unido na UE, tendo depois mudado de ideias por considerar que Bruxelas teve uma abordagem “arrogante” nas negociações.

Dominic Raab foi nomeado ministro do Brexit em julho, mas demitiu-se quatro meses depois, em confronto com Theresa May sobre o acordo de saída da UE feito com Bruxelas. Questionado sobre se se via em Downing Street, respondeu “nunca se diz nunca”.

Sajid Javid foi nomeado em 2018 para a liderança do ministério do Interior e ganhou o respeito dos seus pares com a gestão do escândalo “Windrush” – o tratamento dos imigrantes caribenhos que já estavam no Reino Unido desde 1948. Manifestou-se contra o Brexit durante o referendo de junho de 2016 e continua a ser um eurocético.

Amber Rudd acompanhou Theresa May na sua ascensão ao poder, apoio pelo qual colheu frutos, recebendo primeiro a pasta do Interior e depois a do Trabalho. Pode ser, contudo, prejudicada pela sua reputação de defensora da Europa.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

13 COMENTÁRIOS

  1. Se os britânicos chegarem à conclusão de que afinal não querem sair deviam ser obrigados a adotar o euro e deixar a libra.

  2. A minha mensagem foi apagada, mas aqui fica novamente:

    Sr. jornalista, em portugues de Portugal o que significa “ex-prefeito”??

    • Ena, temos chico-esperto, mas já agora diga-nos lá agora no que é que o seu reparo contribui para a notícia. E já que é para corrigir, português meu caro sr. leva um acento no “e”, e mais lhe digo, que não o irei chamar de burro porque não quero insultar os pobres animais.

  3. Qualquer pessoa com capacidade intelectual para fazer contas de somar e subtrair, compreende a simples realidade de que o Brexit não pode ser, nem nunca será uma coisa com um resultado positivo para o povo Britânico. De facto, os promotores da campanha Leave nunca tiveram em mente o melhor para o povo Britânico, ou para economia do país. De Boris Johnson a Rees-Mogg, passndo pelo palhaço do Nigel Farage, todos sem excepção têm negócios baseados na evasão fiscal, e a única coisa que têm contra a UE, é o facto desta andar a apertar cada vez mais contra os paraísos fiscais, que como todos sabemos, apenas beneficiam as grandes fortunas, como as destes três palhaços. Por isso é que Farage e Boris Johnson dizem que o Reino Unido se deve transformar num paraíso fiscal como… Imagine-se: Singapura.

    Singapura é o cancro do crime económico… Só! Numa altura em que até a Suiça já deixou de dar sigilo bancário a criminosos, apenas Singapura continua a ser cada vez mais o paraiso onde todos os crimes de lavagem de dinheiro, tráfico de estupefacientes, corrupção política, tráfico de influências, evasão fiscal, suborno, etc… Encontram porto seguro para se esconder da justiça. Claro que os defensores do Brexit querem que o Reino Unido possa ser uma Singapura 2… Convêm-lhes bem. Ainda agora o Nigel Farage foi apanhado por não ter declarado às Finanças (HMRC) 450 mil Libras pagas por Arron Banks, o principal finaciador da campanha Leave (com conhecidas ligações à oligarquia Russa).

    A Campanha LEave foi um role de mentiras de uma ponta à outra. Inclusivamente diziam que iria haver mais dinheiro para o sistema nacional de saúde (NHS), quando Nigel Farage já foi apanhado a dizer que tinha de se acabar com o NHS e privatizar totalmente a saúde do Reino Unido com seguros tipo EUA. Além de mentirem que nem uns cães, os da campanha Leave infringiral a Lei Eleitoral e já foram condenados a pagar 70 mil Libras de multa em tribunal. Tudo bons rapazes…

    Para se perceber o quanto o Brexit é feito para beneficiar os milionários que o promoveram, e não o povo ou a economia, veja-se este singelo video: https://www.youtube.com/watch?v=_HDFegpX5gI

    • Completamente de acordo e, mesmo já hoje, se não fosse a autêntica “máquina de lavar dinheiro” que é a city londrina, coitada da economia britânica!…

  4. Caro João Saraiva Cunha da Albregaria e Costa… Então você não via “O Bem-Amado”? Prefeito era o Odorico Paraguaçu! “Deixemos os entretanto e vamos directo nos finalmente!”

  5. A demissão só peca por ser tardia, essa mulher foi demais humilhada por todos os políticos britânicos.
    À primeira nega do parlamento deveria ter-se logo demitido.
    Finalmente uma mulher que ganhou bolas.

  6. de passo em passo até ao passo final que é adormecer os britânicos até um novo referendo.

    a mafia globalista é assim, o pessoal não tem palavra nenhuma a dizer e qd diz qq coisa vai-se votando até alinharem com a voz do dono.

    tipo referendo ao tratado de Lisboa.

  7. Ai agora demite-se?!
    Bonito… só gente competente, não haja duvida!…
    Convenceram os britânicos a votar pelo Brexit, mas sem antes terem o mínimo cuidado de o preparar e, o resultado está a vista!

RESPONDER

A estátua dourada de Marilyn Monroe foi roubada do Passeio da Fama

https://vimeo.com/343328311 A Polícia de Los Angeles, nos Estados Unidos, está a investigar o roubo da estátua de aço de Marilyn Monroe, que foi removida de um monumento localizado na entrada do Passeio da Fama esta segunda-feira. A …

Marcelo promulga diploma. Funcionários públicos podem faltar para acompanhar filhos no primeiro dia de aulas

O Presidente da República promulgou e louvou a medida do Governo para que funcionários públicos possam faltar para acompanhar um filho menor no primeiro dia de escola, e defende um regime idêntico para trabalhadores do …

Leilão de arma que vitimou Van Gogh reacende debate sobre a sua morte

O leilão de uma pistola que teria sido usada pelo pintor Vincent Van Gogh para atirar em si mesmo reacendeu um debate sobre quem realmente puxou o gatilho: o artista cometeu suicídio ou foi baleado …

200 milhões de euros. Mais de seis mil investidores compraram obrigações da TAP

Mais de seis mil investidores subscreveram as obrigações da TAP, uma operação no valor de 200 milhões de euros, em que a procura superou a oferta em 1,55 vezes. No segmento geral a procura atingiu 162,5 …

Piloto do avião desaparecido da Malaysia Airlines terá cortado o oxigénio

Já lá vão mais de cinco anos desde o desaparecimento do voo MH370 da Malaysia Airlines, que continua um mistério até hoje. Agora, acredita-se que o piloto terá cortado o oxigénio no avião. A noite de …

Sergio Moro diz que sai do Governo caso se provem irregularidades

O ministro da Justiça brasileiro reiterou a sua inocência no Senado, esta quarta-feira, mas afirmou que deixa o cargo caso se provem irregularidades nas mensagens trocadas com procuradores da Operação Lava Jato. "Estou absolutamente convicto das …

Nuvens brilhantes invadiram o céu de Espanha. Foi um "espetáculo quase inédito"

Este fim de semana, as nuvens noctilucentes (que em latim significa “brilho noturno”) ou nuvens mesosféricas polares foram vistas em Espanha. Surgem antes do amanhecer ou depois do pôr do sol, a sua cor varia normalmente …

Luís Enrique deixa comando da seleção espanhola (e já tem substituto)

Luis Enrique foi obrigado a abandonar o cargo de selecionador espanhol devido a um problema familiar que se arrasta desde março. “As razões que me impediram, desde março, de exercer normalmente as minhas funções de treinador …

Urso polar localizado em cidade russa longe do habitat natural

Um urso polar emagrecido foi visto numa cidade industrial da Sibéria, afastado para sul dos seus territórios de caça. As entidades de emergência da cidade de Norilsk, no Ártico Russo, alertaram na terça-feira os residentes locais …

Teixeira dos Santos não se arrepende de ter nomeado Vara e Santos Ferreira

O ex-ministro das Finanças disse, esta quarta-feira, no Parlamento que não tem "razões para se arrepender" de ter nomeado Armando Vara e Carlos Santos Ferreira para a administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD). "Até este …