TAP inicia processo para reduzir custos com pessoal. Parlamento chumbou auditoria à gestão privada

A administração da TAP deu início, na quarta-feira, ao processo de alterações aos acordos de empresa (AE) em vigor, com o objetivo de reduzir os custos com pessoal.

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) afirmou, de acordo com o jornal Público, aos seus associados ter recebido esta terça-feira “uma proposta extremamente gravosa”, que inclui “a supressão de inúmeras e importantes cláusulas” do atual acordo de empresa, ligadas a matérias como o trabalho, remunerações e reformas.

Segundo o sindicato, a TAP não apresentou os objectivos de poupança ligados à supressão das cláusulas do AE em causa, “tendo ficado de enviar esses dados no decorrer desta semana”.

No dia 25, haverá uma nova reunião, tendo o SNVPAC reiterado que, antes de tudo, devem ser consideradas as medidas de adesão voluntária que entregou ao Governo e à administração, como as reformas antecipadas, trabalho a tempo parcial e a realocação de trabalhadores para a Portugália/TAP Express.

De acordo com este sindicato, os representantes da transportadora aérea, controlada a 72,5% pelo Estado, sublinharam que, não havendo um acordo, isso conduzirá “à imposição de um regime sucedâneo”, que substituirá, provisoriamente, os acordos estabelecidos com os representantes dos trabalhadores, depois das empresas do grupo TAP terem sido declaradas como estando “em situação económica difícil”.

Com base no diploma de 1977, isto significa que pode haver a “redução de condições de trabalho e a não aplicação ou a suspensão, total ou parcial, das cláusulas dos acordos de empresa ou dos instrumentos de regulamentação coletiva aplicáveis, com estabelecimento do respectivo regime sucedâneo”.

De acordo com o despacho publicado em Diário da República, são os conselhos de administração da TAP, da Portugália e da Cateringpor “quem estão melhor colocados e têm as condições materiais de pontual e casuisticamente, identificar a necessidade de não aplicação ou a suspensão, total ou parcial, das cláusulas” dos instrumentos de regulamentação coletiva de trabalho (IRCT).

Isso abrange as prestações pecuniárias, tempo de trabalho e organização da prestação de trabalho, “férias, feriados, faltas, descanso diário e semanal, descanso compensatório e tempos de repouso”, “carreiras, promoções, progressões, anuidades e diuturnidades”, “prémios de qualquer espécie, seguros e outros benefícios equivalentes” e reformas e benefícios sociais.

Parlamento rejeita auditoria à gestão privada

A Assembleia da República rejeitou esta quarta-feira dois projetos de resolução de Bloco de Esquerda e PCP, que recomendavam ao Governo uma auditoria à gestão privada da TAP e a opção por um plano de contingência “em vez” do plano de reestruturação.

O BE recomendava ao Governo “uma auditoria independente que identifique e quantifique todas as ações lesivas do serviço público tomadas pela gestão privada da TAP – SGPS” e que fosse “apurada a indemnização devida ao Estado pelos titulares de participações sociais” desta empresa.

Esta iniciativa mereceu o voto contra de PS, PSD e CDS-PP e o voto favorável de BE, PCP, PAN, PEV, Iniciativa Liberal e das deputadas não inscritas Joacine Katar Moreira e Cristina Rodrigues.

O PCP queria que o Governo concretizasse, “em vez de um plano de reestruturação, um plano de contingência para próximos três anos, até à previsível recuperação do setor da aviação comercial para os níveis de procura de 2019″.

Esse plano deveria ter como linhas centrais a “manutenção da atual força de trabalho com os níveis de resposta operacional necessários”, a manutenção “da frota e destinos voados em 2019”, o “fim dos processos de flexibilização das relações laborais” e ainda a “inclusão no perímetro do plano contingência de todas as empresas do Grupo TAP (nomeadamente da SPdH) e das prestadoras de serviços à TAP”.

O projeto recomendava ao Governo tornar público o plano de reestruturação da TAP, “cumprindo a lei no que respeita à participação dos trabalhadores nestes processos”, que anulasse a “inconstitucional decisão de colocar a TAP sob um regime sucedâneo” e que avançasse com a renacionalização da ANA.

O projeto de resolução dos comunistas foi rejeitado com o voto contra de PS, PSD, CDS-PP e Iniciativa Liberal, a abstenção do PAN e os votos favoráveis do proponente, BE, PEV e das deputadas não inscritas.

Ricardo Penarroias, diretor do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), disse, em declarações ao Jornal Económico que “pessoalmente não tenho nada contra porque uma auditoria permitiria esclarecer se a TAP teria ou não direito a apoios relacionados com os efeitos da crise pandémica da covid-19, ou se, pelo contrário, por causa de problemas de gestão privada, não teria acesso a esses apoios”.

“Não me choca que seja proposta uma auditoria, mas isso é a minha posição a título pessoal”, sublinhou o sindicalista. Apesar dos sindicatos terem sido avisados pelo BE, as posições assumidas pelos partidos não viabilizam a auditoria. “Essas são questões políticas que ficam entre os partidos”.

Maria Campos Maria Campos, ZAP // Lusa

 

PARTILHAR

RESPONDER

Decisão da insolvência da Groundforce pode demorar dois meses. Salários de maio em risco

Os salários de maio de 2400 trabalhadores da Groundforce devem ser pagos dentro de duas semanas, mas é grande a probabilidade de que isso não aconteça, à semelhança do que ocorreu em fevereiro, elevando as …

Pedro Nuno Santos garante que investimento público em redes de nova geração vai avançar

Pedro Nuno Santos garantiu, na quinta-feira, que o “investimento público” em redes de comunicações eletrónicas “vai avançar”, de forma a levar conectividade às regiões do país onde as redes das operadoras privadas não chegam. O ministro …

PPP hospitalares geraram poupanças para o Estado

O Tribunal de Contas publicou um relatório em que sustenta não ter dúvidas sobre as vantagens que as parcerias público-privadas (PPP) na saúde trouxeram ao Estado, ao longo da última década. Os hospitais em parceria público-privada …

Banco de Fomento está a integrar trabalhadores do antigo BPN

O Banco Português de Fomento está a recrutar colaboradores do antigo BPN para desempenhar funções técnicas, numa altura em que a Parvalorem, onde estão integrados, solicitou ao Executivo o estatuto de empresa em reestruturação. Segundo apurou …

PAN começa a ser julgado por falsos recibos verdes

O PAN vai começar a ser julgado este mês devido ao caso dos falsos recibos verdes. O partido enfrenta três processos judiciais, sendo que o arranque do julgamento do primeiro está marcado para 17 de …

Radovan Karadzic vai ser transferido para o Reino Unido

Radovan Karadzic, antigo líder dos sérvios da Bósnia condenado por genocídio no massacre de mais oito mil muçulmanos bósnios em Srebrenica, em 1995, vai ser transferido para o Reino Unido, onde vai continuar a cumprir …

Adjunta de Matos Fernandes era sócia de empresa que fez negócios com o ministério

Entre 2016 e 2019, a secretária de Estado do Ambiente, Inês Santos Costa, acumulou funções quando integrou o gabinete de João Pedro Matos Fernandes, na qualidade de adjunta, sendo, na altura, sócia de uma empresa, …

Cavaco acusa Governo de Costa de continuar a alimentar "monstro" da despesa pública

Cavaco Silva volta a criticar o Governo de Costa, desta vez por criar “impostos adicionais” sobre “tudo o que mexe” para alimentar “o monstro” da despesa pública. O ex-primeiro-ministro e antigo Presidente da República Aníbal Cavaco …

Dívidas de Vieira investigadas. Com falência à vista, grupo do líder do Benfica pagou viagens de luxo

Afinal, o Fundo de Resolução nunca aceitou a reestruturação das dívidas do grupo empresarial de Luís Filipe Vieira, ao contrário do que foi dito aos deputados na Comissão Parlamentar de Inquérito aos grandes devedores do …

João Rendeiro condenado a 10 anos de prisão

João Rendeiro, antigo presidente do Banco Privado Português (BPP), foi condenado a 10 anos de prisão efetiva esta sexta-feira. O tribunal condenou o ex-presidente do Banco Privado Português (BPP), João Rendeiro, a 10 anos de prisão …