Tancos. Defesa de João Paulino refuta terrorismo e associação criminosa

Paulo Cunha / Lusa

Guarita abandonada no complexo militar de Tancos

A defesa de João Paulino refutou que o arguido tenha praticado os crimes de terrorismo e associação criminosa no âmbito do caso de Tancos.

O advogado de João Paulino refutou, na terça-feira, que o arguido tenha praticado os crimes de terrorismo e associação criminosa no âmbito do caso de Tancos, mas anteviu que a acusação vá “ipsis verbis” a julgamento.

Carlos Melo Alves, disse à saída do tribunal de Monsanto, onde decorre o debate instrutório do processo de furto e recuperação das armas dos paióis de Tancos, que segundo a acusação João Paulino queria contactar com a ETA (Espanha), mas como tal não aconteceu, o crime de terrorismo não está preenchido. “Ou seja, é um crime impossível porque a ETA já não existia.”

O advogado disse ainda não compreender a acusação de associação criminosa, uma vez que é o próprio Ministério Público (MP) a referir que foi criado um grupo “só e unicamente com a finalidade de furtar o material de guerra”. Segundo Carlos Melo Alves, esta “finalidade cirúrgica”, reconhecida pelo próprio MP, destrói a argumentação de o arguido pertencer a uma associação criminosa.

Nas alegações, o advogado afirmou que é preciso retirar as consequências jurídicas sobre a alegada existência de um acordo entre João Paulino e representantes do Estado para a recuperação do material furtado.

Há aqui um vício inultrapassável”, observou Carlos Melo Alves, considerando ilegal toda a prova produzida com base numa promessa feita para o arguido obter vantagem. “Para um juiz das liberdades este [processo] era a praia dele. É um processo rico em questões técnicas.”

A defesa insistiu que é preciso apurar se foi ou não celebrado um acordo de facto entre o ex-fuzileiro, altas patentes da GNR, o ex-diretor da Polícia Judiciária Militar e o então ministro da Defesa Azeredo Lopes.

João Paulino é apontado pelo Ministério Público como autor do furto de armas da base militar de Tancos, tendo o arguido já assumido o crime, estando ainda acusado de detenção de cartuchos e munições proibidas e associação criminosa, tráfico e mediação de armas, terrorismo e tráfico e outras atividades ilícitas.

Foi ainda salientado que uma das peças centrais na defesa de João Paulino é esclarecer o papel desempenhado por Paulo Lemos, conhecido por “Fechaduras”, uma “personagem misteriosa”, segundo o advogado, pois foi informador e agente encoberto na investigação da PJ.

Para o advogado, todo o caso “é um jogo de meias verdades”, porque “uma das provas mais importantes continua escondida” para a defesa. Caso o processo siga para julgamento, o defensor advertiu que o depoimento de Paulo Lemos será “totalmente desmontado”.

Na sessão desta terça-feira alegaram ainda Tiago Melo Alves, defensor de João Pais, um dos responsáveis pelo assalto aos paióis segundo o MP e Lúcia Dias, mandatária do coronel Amândio Marques, diretor da direção de Investigação Criminal da GNR.

A advogada disse não encontrar na acusação algo que objetivamente permita sustentar aquilo que é imputado ao militar e que são crimes graves, tais como associação criminosa, tráfico e mediação de armas, denegação de justiça e prevaricação. A advogada lamentou também que o seu cliente, suspenso da GNR desde 2019, “tenha ficado com a vida destruída por algo que não fez”.

O debate instrutório continua no dia 13 de maio com mais alegações das defesas.

O furto de material de guerra foi divulgado pelo Exército em 29 de junho de 2017 e, quatro meses depois, a PJM revelou o aparecimento do material furtado, na região da Chamusca, a 20 quilómetros de Tancos, em colaboração com elementos do núcleo de investigação criminal da GNR de Loulé, que a acusação colocou em causa.

Aos arguidos são imputados crimes como terrorismo, associação criminosa, denegação de justiça, prevaricação, falsificação de documentos, tráfico de influência, abuso de poder, recetação e detenção de arma proibida.

Nove dos 23 arguidos foram acusados de planear e executar o furto do material militar dos paióis nacionais e os restantes 14, entre os quais Azeredo Lopes, Luís vieira, Vasco Brazão (PJM) e Amândio Marques (GNR) da encenação que esteve na base da recuperação do armamento. O ex-ministro da Defesa está acusado de prevaricação e denegação de justiça, abuso de poder e favorecimento pessoal.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Lufthansa vai cortar mil empregos administrativos (e reduzir novas aeronaves a metade)

Esta terça-feira, a Lufthansa anunciou novas medidas do seu plano de reestruturação que incluem uma redução de mil postos de trabalho nos serviços administrativos. A companhia aérea alemã Lufthansa anunciou, esta terça-feira, que irá reduzir o …

Bloco deixa recado ao PS: voto do Suplementar não estará garantido para o OE2021

Depois de o PCP ter rompido o espírito de acordos à esquerda, foi a vez de o Bloco de Esquerda deixar avisos para 2021. Em entrevista ao portal esquerda.net, divulgada esta terça-feira, Mariana Mortágua deixa claro …

Ferrari vai enfrentar problemas no Mundial de F1 "sem chorar"

O diretor-geral da Ferrari elogiu o talento de Leclerc e mostrou-se preocupado com os problemas que afetaram Sebastian Vettel. O diretor-geral da Ferrari, Louis Camilleri, reiterou esta terça-feira a confiança na equipa e assegurou que a …

Governo russo exige 1,8 mil milhões de euros a empresa mineira por poluição no Ártico

A agência russa de defesa do ambiente exigiu uma indemnização de 147,8 mil milhões de rublos (1,8 mil milhões de euros) ao conglomerado mineiro Norilsk Nickel, pela grave poluição do Ártico com hidrocarbonetos. Em comunicado, a …

Perda de habitat pode aumentar doenças que passam de animais para humanos, prevê ONU

Um novo relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) alertou que podem surgir mais doenças que passam de animais para humanos, como a covid-19, à medida que os habitats são devastados pela exploração da vida …

Rússia ameaça retaliar face às sanções "hostis" do Reino Unido

A Rússia ameaçou responder às sanções "hostis" anunciadas por Londres contra 59 pessoas e entidades, 25 delas russas. A Rússia vai responder às sanções "hostis" anunciadas pelo Governo britânico contra 49 pessoas e organizações, 25 das …

Ministério dispensa quase todos os alunos da renovação de matrículas (após ataques informáticos e o desespero dos pais)

As matrículas online são agora obrigatórias apenas para os alunos que no próximo ano lectivo vão iniciar os 5.º, 7.º e 10.º anos de escolaridade. O anúncio é feito pelo Ministério da Educação depois das …

"Estavam prontos para bater". Atleta Ricardo dos Santos vai processar polícia londrina

O atleta português Ricardo dos Santos disse na segunda-feira que não demorou mais de 20 segundos a parar o carro, quando lhe foi pedido pelas autoridades em Londres, e garantiu que vai processar a polícia …

Motorista de autocarro em morte cerebral depois de agressões de passageiros em França

Um motorista de autocarro foi declarado em morte cerebral esta segunda-feira, em França, depois de ter sido agredido no domingo por passageiros a quem recusou a entrada no transporte público. No domingo à noite, um motorista …

Erro de laboratório origina 20 casos em dois clubes da Liga búlgara

Vinte pessoas estão infetadas com o novo coronavírus, após um futebolista com covid-19 ter participado no duelo entre o Cherno More e o Tsarko Selo, da Liga búlgara, devido ao erro de um laboratório, foi …