/

Sonangol nunca questionou transferências no Eurobic (nem depois da denúncia pública)

(dr) Academia Sonangol

Plataforma petrolífera da Sonangol

A petrolífera estatal Sonangol nunca questionou o EuroBic sobre as transferências bancárias que esvaziaram as suas contas em 2017 e que agora vieram a público através do caso “Luanda Leaks”, que denuncia alegados esquemas fraudulentos que envolvem a empresária Isabel dos Santos. 

Em causa estão transferências realizadas da conta da empresa estatal de Angola para uma outra empresa offshore, a Matter Business Consulting, controlada por Jorge Brito Pereira, advogado de Isabel dos Santos, com sede no Dubai.

De acordo com o Jornal de Negócios, que avança com a notícia esta quinta-feira, a empresa tinha 60 dias para questionar as movimentações após ter recebido o extrato em dezembro de 2017. Contudo, nunca o fez, nem depois depois de Carlos Saturnino, sucessor de Isabel dos Santos na Sonangol, ter denunciado a empresária em 2018.

Carlos Saturnino acusou publicamente Isabel dos Santos de ter feito “transferências monetárias irregulares ordenadas pela anterior administração”. Mesmo assim, o responsável não chegou a questionar o EuroBic sobre estas mesmas transferências.

“Tomamos posse no dia 16 de novembro de 2017 e nesse dia, à noite, apercebemos que o administrador que cuidava das finanças na Sonangol, embora tivesse sido exonerado no dia 15, ordenou uma transferência no valor de 38 milhões de dólares para a Matter Business Solution, com sede no Dubai”, acusou Carlos Saturnino em conferência de imprensa no âmbito dos 42 anos de existência da petrolífera angolana, em fevereiro de 2018.

Um dos “bancos preferenciais” da Sonangol

Segundo Carlos Saturnino, a referida transferência foi realizada através do banco BIC, “que passou a ser um dos bancos preferenciais a nível da Sonangol”.

“Acho que isso dispensa comentários. Não foi o único caso. No dia 17 de novembro, houve o pagamento de mais quatro faturas também. Ou seja, como é que pessoas que tinham sido exoneradas pelo Governo ainda faziam transferências. Não pode ser um ato de boa fé de certeza absoluta”, observou Carlos Saturnino.

O Correio da Manhã já tinha avançado que a empresa angolana não tinha feito qualquer pedido de esclarecimento ao Eurobic, instituição liderada por Teixeira dos Santos.

De acordo com os mais de 700 mil ficheiros do “Luanda Leaks”, só num dia foram retirados 57 milhões de dólares da conta da Sonangol para a Matter Business Consulting. No espaço de duas semanas, o montante terá ascendido aos 73 milhões de euros.

Isabel dos Santos foi presidente do conselho de administração da Sonangol entre junho de 2016 e novembro de 2017, até ser exonerada pelo novo Presidente da República, João Lourenço, que colocou Carlos Saturnino na liderança da petrolífera.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.