Sócrates acusa MP de campanha criminosa e acusações estapafúrdias

José Coelho / Lusa

-

“O MP está a fazer uma espécie de revisionismo histórico, que esbarra com a verdade. Tudo isso é falso”

O antigo primeiro-ministro José Sócrates considerou este domingo que o Ministério Público (MP) agiu com “motivação política” na ‘Operação Marquês’, criticando também a sua atuação nos casos das rendas da EDP e das viagens ao Euro2016 pagas pela Galp.

Falando aos jornalistas à entrada para um almoço em Lisboa, José Sócrates disse ainda ser “falso” que tenha sido Ricardo Salgado, antigo presidente do BES, a indicar-lhe o nome de Manuel Pinho para ministro da Economia quando ele assumiu a chefia do governo socialista.

José Sócrates acusou o MP de fazer uma campanha “criminosa” na comunicação social, ao divulgar uma declaração “falsa” que terá sido produzida em sede de inquérito por José Maria Ricciardi, primo de Ricardo Salgado e antigo presidente do BES Investimento (BESI).

“O MP está a fazer uma espécie de revisionismo histórico, um revisionismo que esbarra com a verdade. Tudo isso é falso“, disse Sócrates, observando que quando conheceu Manuel Pinho este já colaborava com o PS, pois fazia parte do grupo de economistas que colaboravam com Ferro Rodrigues, quando este era líder do partido.

“Quando eu o conheci, já ele era próximo da direção do PS”, recordou, precisando que conheceu Manuel Pinho através de Ferro Rodrigues e de António Costa, atual primeiro-ministro.

Sócrates assegurou que “nunca teve qualquer conversa com Ricardo Salgado antes de escolher o governo”, dizendo estar até seguro de que antes de ser primeiro-ministro só se encontrou uma vez com Ricardo Salgado, quando era ministro do Ambiente.

“Depois de ser primeiro-ministro, encontramo-nos meia dúzia de vezes, sempre a pedido dele e na residência oficial do primeiro-ministro. Nunca fui ao BES reunir-me com Ricardo Salgado, não tinha o seu número de telefone, nem éramos íntimos. Não fazíamos parte do mesmo círculo de amigos”, disse Sócrates, alegando que o objetivo do MP é fazer uma “campanha de difamação, dizendo que Sócrates e Salgado eram próximos”.

O antigo primeiro-ministro lembrou ainda que em 2010 o seu governo viu-se obrigado a tomar uma decisão contra os interesses de Ricardo Salgado e do BES, tendo a relação entre ambos “esfriado”.

Miguel A. Lopes / Lusa

-

José Sócrates conheceu Manuel Pinho através de Ferro Rodrigues e de António Costa

Quanto ao processo ‘Operação Marquês’, em que é arguido, Sócrates considerou que o MP comete um “abuso à lei” e atua como se estivesse acima da lei e da Constituição ao “adiar mais uma vez” a conclusão do inquérito que dura já há 48 meses, ou seja, há quatro anos, quando os prazos do Código de Processo Penal são, em seu entender, para serem cumpridos e não meramente indicativos.

Sócrates criticou também o MP por ainda recentemente ter constituído arguidos algumas pessoas com o objetivo de interromper o prazo de prescrição, precisando estar a referir-se a Manuel Pinho e a António Mexia, presidente da EDP, no chamado caso das rendas da EDP.

“Quero recordar que não são rendas nenhumas. Tudo isso foi definido em 2004 e aplicado em 2007 porque era o que constava da lei”, sustentou.

Sócrates criticou o facto de o MP ter tido anos e anos para investigar e só no limite do prazo de prescrição ter decidido transformar algumas pessoas em “suspeitas”, quando as suspeições devem ser “fundamentadas, sustentadas e concretas”.

No caso das viagens pagas pela Galp ao Euro2016, que levou à demissão de três secretários de Estado do atual governo, Sócrates classificou tais suspeições de “absolutamente estapafúrdias e sem o mínimo de sustentação“, observando que quiseram transformar essas pessoas em criminosos porque uma empresa que patrocinava a seleção nacional de futebol os convidou a irem assistir a um jogo de futebol.

“São, portanto, suspeitos de excesso de patriotismo”, ironizou Sócrates, insurgindo-se também contra a possibilidade de a Galp vir a ser também constituída arguida por ter organizado um voo de apoio à seleção e não ter lançado um concurso público entre 10 milhões de portugueses para ver quem devia ir no avião.

Sócrates considerou que, ao lançar tais suspeições (recebimento indevido de vantagem) sobre aqueles convidados da Galp, o MP fere a honra e a decência daquelas pessoas e interrompe uma carreira política, admitindo que o MP esteja a agir com uma “agenda política por trás”, à semelhança do que acontece no processo ‘Operação Marquês’.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

A radiação de Chernobyl está a deixar as vespas esfomeadas (e isso é má notícia)

A Zona de Exclusão de Chernobyl é a área em torno da cidade ucraniana de Pripyat, onde a Central Nuclear de Chernobyl entrou em colapso em 1986. Apesar de não haver humanos na região, e …

Beethoven deixou a 10.ª sinfonia inacabada (e a IA vai completá-la)

Um dos maiores dilemas da história da música é a obra inacabada de Ludwig van Beethoven (1770-1827), a "10ª sinfonia", com muitos músicos a esforçar-se para finalizá-la, utilizando alguns dos fragmentos disponíveis, mas sem sucesso. Desta …

Orcas bebé têm maior probabilidade de sobreviver se viverem com a avó

Crias de orca que vivam com a avó têm uma maior probabilidade de sobreviver quando comparadas às outras orcas. A experiência destas espécimes mais velhas é essencial para o grupo. Tal como nos humanos, as avós …

A "capital mundial das pessoas feias" mora na Itália

Piobbico, na Itália, é uma cidade medieval repleta de grandes edifícios de pedra cercados por florestas exuberantes. No entanto, a cidade é conhecida pela feiura dos seus habitantes. Esta cidade, com cerca de 2.000 habitantes, alberga …

Jovem norte-americano despistou-se e caiu ao rio. Siri chamou os bombeiros

Um jovem norte-americano estava a caminho da universidade quando perdeu o controlo do carro, que derrapou sobre gelo, e foi parar ao rio Winnebago. Como não conseguiu encontrar o seu telemóvel, recorreu à Siri para …

Basta uma máscara impressa para enganar os sistemas de reconhecimento facial

Especialistas da empresa de inteligência artificial Kneron testaram sistemas em três continentes e vários falharam. O reconhecimento facial é, cada vez mais, um método de controlo e de segurança encarado como credível e, inclusivamente, usado …

Pandit olha para as vacas como família e quer produzir "leite ético" para vegans

Um agricultor nos Estados Unidos quer produzir "leite ético" para vegans, mantendo como prioridade o bem-estar e a saúde das vacas. Ultimamente, o consumo de leite tem sido posto cada vez mais em causa. Não só …

Jogadores do Arsenal doam um dia de salário para ações solidárias

Os futebolistas e a equipa técnica do Arsenal vão doar um dia de salário para ações solidárias de Natal. Os elementos técnicos também entraram na iniciativa, que prevê, ainda, a doação da receita do próximo …

Turismo, indústria e energia fazem do Norte região que mais cresceu em 2018

O Norte foi a região portuguesa que mais cresceu em 2018, com um aumento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,9%, impulsionado pelo turismo, indústria e energia, segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística …

Um milhão de assinaturas contra sátira de Natal da Porta dos Fundos

A petição online contra o filme “Especial de Natal: A Primeira Tentação de Cristo”, uma sátira da produtora brasileira Porta dos Fundos, exibido na Netflix, conta com mais de um milhão de assinaturas. Lançada na semana …