/

“Sobrou uma.” Vereador de Torres Novas vacinado sem ser prioritário

4

Abir Sultan / EPA

Carlos Ramos, vereador da câmara municipal de Torres Novas, tomou a vacina contra a covid-19 sem fazer parte de nenhum grupo prioritário. É mais um caso de vacinação indevida.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O caso é noticiado pelo Observador, que escreve que o próprio justificou a toma da vacina dizendo que “sobrou uma” e que “não existia mais ninguém para ser vacinado”.

Carlos Ramos disse ainda que tomou a vacina em “circunstâncias muito específicas” que compreendem o desempenho das suas funções no âmbito da Proteção Civil.

No momento em que a tomou, encontrava-se a “fazer o acompanhamento das equipas de vacinação do ACES do Médio Tejo, em conjunto com os bombeiros”. Como sobraram várias vacinas “após a vacinação da totalidade dos utentes e funcionários, dos bombeiros, sobrou uma e não existindo mais ninguém para ser vacinado, aceitei a proposta para ser vacinado em vez da vacina transformar-se em resíduo”, explicou ao diário.

O vereador da câmara municipal de Torres Novas não quis especificar quando ocorreu a toma da vacina, mas defendeu que “é necessário contextualizar e contemporizar a situação” da sua “primeira vacina”.

No momento em que tomou, garante, “não existiam critérios para as vacinas que sobrassem”.

“Penso que cumpri o dever de cidadão e ninguém foi prejudicado ou substituído. Não ocupei o lugar de ninguém. Penso que não é sério, havendo vacinas a sobrar, que sejam deitadas para o lixo”, afirmou. Ao matutino, a câmara municipal de Torres Novas garantiu que mais nenhum membro do executivo tomou a vacina.

De acordo com o Correio da Manhã, a Policia Judiciária (PJ) já recebeu cerca de uma dezena de inquéritos-crimes, por suspeita de abuso de poder na vacinação. Os crimes são puníveis até cinco anos de prisão e, segundo o diário, o INEM e a Cruz Vermelha fazem parte desta lista.

Na mira da PJ estão também vários lares pertencentes a misericórdias, onde diversos responsáveis, foram vacinados antes dos idosos. Os processos-crimes, abertos pelo DIAP de Lisboa, já estão na posse da PJ e deverão levar à constituição de arguidos.

Para evitar casos de vacinação indevida, a Direção-geral da Saúde (DGS) incluiu a obrigatoriedade de existência de uma lista de pessoas a convocar para a vacina contra a covid-19 no caso de sobrarem doses, sublinhando que deve ser sempre respeitada a ordem das prioridades.

  ZAP //

4 Comments

  1. Uma lista de suplentes sr. Vereador. Uma lista de suplentes e excusava de fazer o “frete” de levar a última vacina. Este país está mas é cheio de hipócritas!

  2. Um verdadeiro herói. Dando o peito às balas… Só para nenhuma vacina se perder. Merecia uma condecoração! Não haveria ninguém mais necessitado… Fantástico!

  3. Sobrou uma… Gozam com as pessoas. Pois sabem que nada lhes acontece.
    Um pouco estranho ter sobrado apenas uma… E logo por sorte o senhor estava lá para a receber.
    A ver se é chamado a justiça como dizem que os incumpridores serão…

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.