Síria: “Não é uma guerra, é o massacre do século XXI”

“Estamos perante o massacre do século XXI”. O lamento é de um médico que exerce na zona de Ghouta oriental, cidade síria que está a ser alvo de intensos bombardeamentos, por parte do governo de Bashar al-Assad, que não poupam escolas, nem hospitais.

“Está-se a destruir tudo, incluindo mercados, hospitais e escolas”, lamenta ao El Mundo o médico Habla Abu Bashir, que trabalha em Ghouta, na zona mais bombardeada pelo exército sírio, que tenta retirar aos rebeldes o poder que mantêm na cidade.

Seis hospitais da zona, que fica nos arredores de Damasco, foram bombardeados nas últimas 48 horas, com três a ficarem inoperacionais e dois a funcionarem parcialmente, indicou o coordenador regional do gabinete dos assuntos humanitários da ONU para a Síria, Panos Moumtzis, num comunicado.

Abu Bashir fala no “Dia do Juízo Final” e lamenta que o seu hospital não tenha condições mínimas para funcionar, com simples quartos convertidos em salas de operações, sem qualquer tipo de esterilização, nem equipamentos médicos básicos.

“A comunidade internacional deve assumir as suas responsabilidades” para “deter este rio de sangue e a fome”, apela o médico que fala em “crimes de guerra”.

Outro médico também ouvido pelo The Guardian define esta situação na Síria como “o massacre do século XXI”, considerando que se trata de puro “terrorismo”.

“O que pode ser mais terrorismo do que matar civis com toda a espécie de armas? Não é uma guerra. Chama-se um massacre”, queixa-se este médico ao jornal britânico.

Só desde domingo passado, morreram pelo menos 251 pessoas, incluindo 58 menores de idade, devido a ataques aéreos e de artilharia em Ghouta Oriental, de acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos.

Nos últimos três meses, o número de mortos ascende a “mais de 700 pessoas”, segundo o jornal espanhol, que cita “relatos locais”, notando que estamos perante “uma das maiores matanças da sangrenta guerra na Síria“.

As tropas de Al-Assad estarão, entretanto, a preparar uma operação terrestre de grande dimensão contra aquele que é considerado o grande bastião dos rebeldes.

O exército sírio tem contado com o apoio fulcral do Irão e da Rússia, que têm fornecido meios financeiros e militares para a guerra contra os rebeldes. Os russos terão também levado a cabo vários bombardeamentos aéreos na região.

Turquia ameaça cercar cidade de Afrine

Entretanto, noutro âmbito da guerra síria, cresce a tensão entre o regime de Assad e a Turquia.

O presidente da Turquia, Recep Erdogan, afirmou que o Exército do seu país prevê cercar a cidade síria de Afrine nos próximos dias, numa operação militar que visa atacar as Unidades de Protecção do Povo (YPG), aliados curdos dos EUA na luta contra o grupo Estado Islâmico na Síria, mas considerados “terroristas” pela Turquia.

As palavras de Erdogan levaram a uma resposta imediata de Assad que deslocou forças do exército sírio para o enclave curdo. A BBC nota que o governo de Assad recebeu um pedido de “ajuda militar” de uma “milícia curda que está a tentar repelir uma ofensiva das tropas turcas e dos aliados rebeldes sírios”.

A Turquia alega que bombardeou a zona e que conseguiu afastar as forças pró-governamentais sírias, ainda segundo a BBC.

De acordo com a agência noticiosa France-Presse (AFP), até hoje, as forças turcas tomaram o controlo de mais de 30 localidades, situadas maioritariamente nas zonas fronteiriças do norte da região de Afrine.

“Estamos a tentar criar um ambiente seguro e pacífico para as centenas de milhares de sírios que vivem na região”, refere Erdogan, aludindo aos mais de três milhões de refugiados que procuraram a Turquia para fugir à guerra civil.

As autoridades turcas argumentam que a ofensiva em Afrine, bem como a realizada em 2016 um pouco mais a leste, visa garantir a segurança dos territórios no norte da Síria, para permitir o regresso dos refugiados à Síria.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Pelos vistos, a indignação do bastonário, não são os médicos, serem chamados de Doutores, mas que , só eles deveriam ser chamados de doutores. Pois entendem que, deixaram de ter domínio na sociedade, como seres com maior prestígio e mais importantes (acham ). Caíram na vulgaridade, e deve haver razão para isso, pois nem todos os Drs. tem o direito de matar semelhantes.Na verdade, só a humildade, traduz competência. E estes senhores, raramente a manifestam. Todos se tapam uns aos outros, com ou sem razão. E isso é no mínimo triste. Sim! devem acabar os títulos, para que as pessoas, entendam que, não são diferentes uns dos outros. O que acontece, é que aqueles, a quem as pessoas, insistem em tratar por Dr. é porque os serviços que presta, é muito valorizado pelos utentes,por os ter tratado como seres humanos que realmente são, e nessa medida, os tratam por Dr.,como sinal de agradecimento e de humildade perante esse Dr. E assim deve ser. Os títulos, só servem, aos orgulhosos, não aos humildes.

RESPONDER

O nojo pode levar a pensamentos e sentimentos religiosos

Um novo estudo revela que o sentimento de nojo pode estar na base de pensamentos religiosos. O medo de Deus e do pecado mostrou ser maior em pessoas que se enojavam mais facilmente. Mesmo as pessoas …

"Os pássaros não são estúpidos". Secretário de Estado desvaloriza críticas a aeroporto do Montijo

Os ambientalistas têm alertado que dezenas de milhares de aves de médio e grande porte cruzam-se na zona de proteção especial do estuário do Tejo, junto ao local onde será construído o novo aeroporto do …

Acusado de racismo e sexismo, conselheiro político de Boris demite-se

Andrew Sabisky, conselheiro direto do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, demitiu-se esta segunda-feira, depois de ser acusado de racismo e sexismo pelo próprio Partido Conservador por causa de declarações suas no passado. Em causa estão declarações feitas …

"Impressora de pele" promete ajudar na cicatrização de queimaduras

Uma nova impressora 3D portátil é capaz de depositar "folhas de pele", umas sobre as outras, e criar um curativo biológico para cobrir grandes queimaduras. A nova impressora 3D foi desenvolvida por uma equipa de investigadores …

"Made in Space". A primeira fábrica espacial vai começar a ganhar forma

Com o objetivo de construir coisas cada vez maiores no Espaço, uma empresa do Colorado, nos Estados Unidos, está a preparar-se para uma missão de demonstração de construção. A Blue Canyon Technologies vai fornecer a infraestrutura …

Asteróide que passou recentemente pela Terra não estava sozinho

Astrónomos descobriram que o asteróide 2020 BX12, que passou pela Terra na semana passada, era afinal um sistema binário de asteróides. Estamos a falar do asteróide 2020 BX12, que passou a 4,3 milhões de quilómetros de distância da …

"Parasitas" vai ter uma série na HBO. E já são conhecidos dois nomes do elenco

A produção sul-coreana de Bong Joon Ho, especialmente condecorada pela Academia, merece agora uma adaptação para a televisão pelas mãos da HBO. A série televisiva de "Parasitas" foi anunciada em janeiro e a produção está encarregue …

O carregador do seu smartphone é mais potente do que o computador da Apollo 11

Não restam dúvidas de que a informática deu um passo gigante em termos de evolução nos últimos 50 anos. Agora, um engenheiro de software descobriu que até mesmo o carregador do seu smartphone é mais …

Tribunal suspende construção da Gigafactory na Alemanha

Um tribunal alemão ordenou à Tesla, este domingo, a suspensão das obras da sua fábrica "Gigafactory" por questões ambientais. Em novembro do ano passado, Elon Musk, presidente executivo da Tesla, anunciou que a Alemanha tinha sido …

Novos semáforos da Índia ficam vermelhos quando os condutores buzinam

A Polícia de Mumbai, na Índia, instalou detetores de ruído em vários semáforos de cruzamentos importantes da cidade, visando reduzir a poluição sonora. Agora, quanto mais os condutores buzinam, mais tempo a luz se mantém …