Síria: “Não é uma guerra, é o massacre do século XXI”

“Estamos perante o massacre do século XXI”. O lamento é de um médico que exerce na zona de Ghouta oriental, cidade síria que está a ser alvo de intensos bombardeamentos, por parte do governo de Bashar al-Assad, que não poupam escolas, nem hospitais.

“Está-se a destruir tudo, incluindo mercados, hospitais e escolas”, lamenta ao El Mundo o médico Habla Abu Bashir, que trabalha em Ghouta, na zona mais bombardeada pelo exército sírio, que tenta retirar aos rebeldes o poder que mantêm na cidade.

Seis hospitais da zona, que fica nos arredores de Damasco, foram bombardeados nas últimas 48 horas, com três a ficarem inoperacionais e dois a funcionarem parcialmente, indicou o coordenador regional do gabinete dos assuntos humanitários da ONU para a Síria, Panos Moumtzis, num comunicado.

Abu Bashir fala no “Dia do Juízo Final” e lamenta que o seu hospital não tenha condições mínimas para funcionar, com simples quartos convertidos em salas de operações, sem qualquer tipo de esterilização, nem equipamentos médicos básicos.

“A comunidade internacional deve assumir as suas responsabilidades” para “deter este rio de sangue e a fome”, apela o médico que fala em “crimes de guerra”.

Outro médico também ouvido pelo The Guardian define esta situação na Síria como “o massacre do século XXI”, considerando que se trata de puro “terrorismo”.

“O que pode ser mais terrorismo do que matar civis com toda a espécie de armas? Não é uma guerra. Chama-se um massacre”, queixa-se este médico ao jornal britânico.

Só desde domingo passado, morreram pelo menos 251 pessoas, incluindo 58 menores de idade, devido a ataques aéreos e de artilharia em Ghouta Oriental, de acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos.

Nos últimos três meses, o número de mortos ascende a “mais de 700 pessoas”, segundo o jornal espanhol, que cita “relatos locais”, notando que estamos perante “uma das maiores matanças da sangrenta guerra na Síria“.

As tropas de Al-Assad estarão, entretanto, a preparar uma operação terrestre de grande dimensão contra aquele que é considerado o grande bastião dos rebeldes.

O exército sírio tem contado com o apoio fulcral do Irão e da Rússia, que têm fornecido meios financeiros e militares para a guerra contra os rebeldes. Os russos terão também levado a cabo vários bombardeamentos aéreos na região.

Turquia ameaça cercar cidade de Afrine

Entretanto, noutro âmbito da guerra síria, cresce a tensão entre o regime de Assad e a Turquia.

O presidente da Turquia, Recep Erdogan, afirmou que o Exército do seu país prevê cercar a cidade síria de Afrine nos próximos dias, numa operação militar que visa atacar as Unidades de Protecção do Povo (YPG), aliados curdos dos EUA na luta contra o grupo Estado Islâmico na Síria, mas considerados “terroristas” pela Turquia.

As palavras de Erdogan levaram a uma resposta imediata de Assad que deslocou forças do exército sírio para o enclave curdo. A BBC nota que o governo de Assad recebeu um pedido de “ajuda militar” de uma “milícia curda que está a tentar repelir uma ofensiva das tropas turcas e dos aliados rebeldes sírios”.

A Turquia alega que bombardeou a zona e que conseguiu afastar as forças pró-governamentais sírias, ainda segundo a BBC.

De acordo com a agência noticiosa France-Presse (AFP), até hoje, as forças turcas tomaram o controlo de mais de 30 localidades, situadas maioritariamente nas zonas fronteiriças do norte da região de Afrine.

“Estamos a tentar criar um ambiente seguro e pacífico para as centenas de milhares de sírios que vivem na região”, refere Erdogan, aludindo aos mais de três milhões de refugiados que procuraram a Turquia para fugir à guerra civil.

As autoridades turcas argumentam que a ofensiva em Afrine, bem como a realizada em 2016 um pouco mais a leste, visa garantir a segurança dos territórios no norte da Síria, para permitir o regresso dos refugiados à Síria.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Pelos vistos, a indignação do bastonário, não são os médicos, serem chamados de Doutores, mas que , só eles deveriam ser chamados de doutores. Pois entendem que, deixaram de ter domínio na sociedade, como seres com maior prestígio e mais importantes (acham ). Caíram na vulgaridade, e deve haver razão para isso, pois nem todos os Drs. tem o direito de matar semelhantes.Na verdade, só a humildade, traduz competência. E estes senhores, raramente a manifestam. Todos se tapam uns aos outros, com ou sem razão. E isso é no mínimo triste. Sim! devem acabar os títulos, para que as pessoas, entendam que, não são diferentes uns dos outros. O que acontece, é que aqueles, a quem as pessoas, insistem em tratar por Dr. é porque os serviços que presta, é muito valorizado pelos utentes,por os ter tratado como seres humanos que realmente são, e nessa medida, os tratam por Dr.,como sinal de agradecimento e de humildade perante esse Dr. E assim deve ser. Os títulos, só servem, aos orgulhosos, não aos humildes.

RESPONDER

Cientistas investigam estranho gelo cor-de-rosa num glaciar dos Alpes italianos

Uma equipa de cientistas anunciou esta segunda-feira estar a tentar averiguar a origem de gelo cor-de-rosa num glaciar nos Alpes italianos. O fenómeno deverá ser provocada por algas que aceleram os efeitos das mudanças climáticas. A origem …

Especialistas de 32 países alertam OMS: covid-19 também se transmite pelo ar

Numa carta aberta à Organização Mundial de Saúde, 239 cientistas pedem que a organização reveja as recomendações que tem emitido, alertando para o facto de a covid-19 poder transmitir-se pelo ar. Numa carta dirigida à Organização …

Moreirense 0-0 Sporting | Nulo em jogo de pólvora seca

A 30ª jornada fechou no Minho com um nulo entre Moreirense e Sporting, que continua sem derrotas sob o comando de Rúben Amorim. A formação leonina poderia muito bem ter vencido em Moreira de Cónegos, pois …

Armazém flutuante. A China está a guardar petróleo no mar (e já se sabe porquê)

A China está a guardar uma quantidade épica de petróleo no mar. De acordo com a CNN, o país comprou tanto petróleo estrangeiro a preços baratos que formou um congestionamento maciço de navios-tanque no mar, …

Peregrinos em Meca proibidos de tocar ou beijar a Caaba por causa da covid-19

Os muçulmanos que vão participar na peregrinação a Meca não poderão tocar ou beijar a Caaba nem a "pedra negra", presentes na Grande Mesquita, local considerado como um dos mais sagrados pelo Islão, informaram as …

Países Baixos continuam a abater milhares de martas. 20 quintas afetadas pela pandemia

Esta segunda-feira, as autoridades holandesas abateram milhares de martas em mais duas fazendas onde foram detetados surtos de covid-19. Esta segunda-feira, as autoridades abateram milhares de martas em mais duas fazendas, sendo agora 20 as quintas …

Cientistas criam robô para fazer testes à covid-19 (e proteger os profissionais de saúde)

O Korea Institute of Machinery & Materials (KIMM) desenvolveu um novo robô de coleta remota de amostras que elimina o contacto direto entre os profissionais de saúde e os pacientes, potencialmente infetados com o novo …

"Não use desodorizante". A peculiar estratégia de Berlim para promover o uso de máscaras nos transportes públicos

"Não use desodorizante". Esta é a peculiar campanha adotada pela empresa que controla os transportes públicos em Berlim, na Alemanha, para promover o uso correto de máscaras, evitando assim novos casos de covid-19.  Tal como escreve …

Vírus pode ter estado adormecido antes de surgir na China, diz investigador de Oxford

O novo coronavírus pode ter estado adormecido algures no mundo antes de ter surgido na China, defendeu o investigador da Universidade de Oxford, Tom Jefferson, apontando para várias descobertas de amostras do vírus em Espanha, …

Federer sente falta de Wimbledon. "Deu-me tudo"

Roger Federer admitiu sentir a falta de Wimbledon, o torneio do "Grand Slam" que, se não tivesse sido cancelado devido à pandemia de covid-19, estaria a decorrer em Londres. O tenista suíço Roger Federer admitiu, esta …