Sindicatos da função pública voltam às negociações (mas já ameaçam com greve)

José Sena Goulão / Lusa

A coordenadora da Federação dos Sindicatos da Função Pública, Ana Avoila

O Ministério das Finanças e as três estruturas sindicais da administração pública voltam esta quinta-feira a reunir-se para discutir a proposta de aumentos salariais, com “muitas dúvidas” ainda por esclarecer, segundo os sindicatos.

O Ministério das Finanças e as três estruturas sindicais da administração pública regressam esta quinta-feira à mesa de negociações para discutir os aumentos salariais para este ano.

Em causa está a proposta do Governo para atualizar a base remuneratória da função pública, que passará de 580 euros em 2018 para 635,07 euros em 2019, montante correspondente ao quarto nível da Tabela Remuneratória Única (TRU). No entanto, do lado dos sindicatos, esta proposta não é suficiente: e já ameaçam com protestos.

A medida custará cerca de 50 milhões de euros e, segundo o Governo, deverá abranger 70 mil trabalhadores, dos mais de 670 mil existentes, o que significa que mais de 600 mil não terão atualização salarial.

Segundo disseram à agência Lusa os dirigentes sindicais, os aumentos só deverão ser pagos depois de janeiro, com retroativos, pois o diploma está em negociação e existem “muitas dúvidas” sobre a sua aplicação, que esperam ver clarificadas no encontro desta tarde. Além disso, vários serviços processaram as remunerações de janeiro, pelo que a atualização proposta pelo Governo não irá a tempo de ser paga este mês.

As três estruturas sindicais – Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP), Frente Comum de Sindicatos e Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE) – querem esclarecer como se irão conjugar os aumentos salariais até 635 euros com as progressões na carreira ou com a atualização do salário mínimo nacional para os 600 euros, em vigor desde 1 de janeiro.

Além disso, os sindicatos querem saber se haverá atualização imediata no Estado para os 600 euros já em janeiro ou se o Governo vai esperar pela atualização da tabela da função pública para os 635 euros para aplicar as duas medidas ao mesmo tempo.

Outra questão é saber o que acontecerá a quem obteve direito à progressão na carreira no ano passado para o nível dos 635 euros, mas que ainda está a receber abaixo desse valor devido ao faseamento previsto no Orçamento do Estado.

As estruturas sindicais exigem também saber se os trabalhadores que progredirem terão direito a manter ou não os pontos extra (acima dos 10 necessários para a progressão) obtidos nas avaliações de desempenho dos anos anteriores, para efeitos da próxima progressão na carreira.

Governo está a empurrar trabalhadores para todas as formas de luta

O Governo propôs atualizar a base remuneratória da função pública de 580 para 635,07 euros, montante correspondente atualmente ao quarto nível da Tabela Remuneratória Única, mas para a Frente Comum a proposta não chega.

A par dos 50 milhões de euros que serão destinados a atualizar os salários mais baixos, a estrutura sindical defende ainda aumentos para todos os funcionários públicos.

Para salários até 1500 euros quer subidas de 60 euros e, acima desse ordenado, defende uma atualização de 4%. “Trata-se de uma proposta minimalista tendo em conta que não há há dez anos aumentos salariais para a função pública. Estes aumentos são mínimos para fazer face à subida do custo de vida”, adiantou Ana Avoila em declarações ao Jornal i.

A sindicalista defende que com esta solução de aumentar apenas os trabalhadores com salários mais baixos, “o Governo está a criar problemas atrás de problemas”.

A coordenadora da Frente Comum considera que as perspetivas de um acordo são muito reduzidas. Por esse motivo, acena com um plenário que vai realizar-se no próximo dia 15 e tem em cima da mesa duas propostas: “Uma greve nacional ou uma manifestação nacional”, revela ao matutino.

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) é da mesma opinião. José Abraão deixa inclusivamente um alerta: se o Governo mantiver a postura que tem tido até agora, de aumentar apenas a remuneração mínima do Estado em 2019 para 635 euros, a contestação vai crescer.

Para o sindicalista, o executivo “só está a empurrar os trabalhadores para todas as formas de luta e para esta insatisfação que está hoje na sociedade portuguesa, com greves quase todos os dias. E não serão greves de apenas um dia que acontecerão se não houver resposta para isto”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Há uma nova ameaça nas salas de aula e chama-se Fortnite

O jogo online mais popular do mundo, com mais de 200 milhões de utilizadores registados, encanta crianças cada vez mais novas. Numa escola primária do Montijo, as aulas passaram a decorrer de forma diferente por …

Empresa portuguesa quer produzir alface em câmaras frigoríficas (e podem ser levadas para Marte)

A empresa Grow to Green promete que vai produzir alimentos indoor. É possível gastar menos 98% de água na produção de alface, o que permite cultivá-lo diretamente no supermercado, no deserto ou, quem sabe um …

May rejeita novo referendo, apresenta Plano B do Brexit e pede ajuda à oposição

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, rejeitou esta segunda-feira convocar um segundo referendo sobre o Brexit e afirmou que espera voltar a debater com a União Europeia o controverso plano de salvaguarda elaborado para …

Porto vende 35 mil francesinhas por dia (e os turistas adoram)

O Porto vende pelo menos 35 mil francesinhas por dia nos mais de 700 cafés e restaurantes da cidade, o que significa que por mês há cerca de um milhão daquelas sanduíches especiais a serem …

China limita número de alpinistas autorizados a escalar Everest

O número total de alpinistas que tentam alcançar o topo do Everest, a 8.850 metros de altitude, a partir do norte, serão limitados a menos de 300, e a temporada de escalada será restringida à …

Rede francesa de solidariedade acolhe brasileiros que queiram fugir de Bolsonaro

Solidarité Brésil é o nome da iniciativa, lançada esta sexta-feira, em Paris, que tem como objetivo ajudar estudantes, artistas ou intelectuais que se sintam ameaçados no Brasil de Jair Bolsonaro. Podem ser estudantes, investigadores, artistas, professores, …

Todos os dias cinco portugueses tornam-se britânicos

Todos os dias, em média, cinco emigrantes portugueses tornam-se britânicos. Só entre janeiro de 2017 e setembro de 2018, 2.655 emigrantes no Reino Unido conseguiram obter cidadania britânica, número que supera o total de autorizações …

O maior encontro religioso do mundo leva 150 milhões de pessoas à Índia

Até 04 de março, são esperados na cidade indiana Allahabad cerca de 150 milhões de peregrinos, que buscam proteção e purificação nas águas que cruzam os rios sagrados Ganges, Yamuna e Saraswati, durante aquele que é …

Ciclistas indignados com anúncio que mostra bicicleta a ser abalroada

Um anúncio de publicidade do Continente em que um ciclista é abalroado por um automóvel está a gerar indignação. A Federação Portuguesa de Ciclismo já pediu a retirada do anúncio e apresentou queixa à Entidade …

Hoje, Wall Street parou. É dia de Martin Luther King Jr

Desde 1986 que se realiza, nos EUA, na terceira segunda-feira de janeiro, o dia de Martin Luther King Jr., um feriado federal. A bolsa de Nova York estará encerrada, assim como a maior parte das …