Salgado mandou contabilista fugir para o Brasil ou Bolívia

Nisopedia / Wikimedia

Ricardo Salgado, ex-presidente do BES

Ricardo Salgado, ex-presidente do BES

Francisco Machado da Cruz, o contabilista do GES, afirma que Ricardo Salgado o aconselhou a fugir e esconder-se num país que não tivesse acordo de extradição para Portugal: “vais para o Brasil, ou para a Bolívia”.

De acordo com o Expresso, na comissão parlamentar de inquérito (CPI) à gestão do BES/GES, o contabilista da Espírito Santo Internacional contou aos deputados que Ricardo Salgado o aconselhou a fugir e esconder-se num país que não o extraditasse para Portugal.

Ó Francisco, agora vais ter de sair daqui, vais para o Brasil, ou para a Bolívia“, ter-lhe-á dito Salgado.

A conversa com o presidente do BES terá acontecido quando foi combinada a demissão de Machado da Cruz, em abril de 2014, numa tentativa de afastar o commissaire aux comptes do grupo, não apenas como contabilista, mas também nos diversos cargos de administração que ocupava.

Salgado e Morais Pires conheciam todas as decisões relevantes

Segundo o relato de Machado da Cruz, Manuel Fernando Espírito Santo sabia da ocultação de passivo, mas José Maria Ricciardi e José Manuel Espírito Santo não teriam conhecimento da mesma.

A ex-diretora do BES, Isabel Almeida, também confirma que o antigo líder do banco, assim como o ex-administrador Amílcar Morais Pires, conheciam todas as decisões relevantes na instituição financeira.

“Nunca tomei nenhuma decisão relevante sem o conhecimento e o acordo prévio de Amílcar Morais Pires”, afirmou Isabel Almeida, esta quarta-feira, quando questionada pela deputada do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua na comissão parlamentar de inquérito à gestão do Banco Espírito Santo (BES) e do Grupo Espírito Santo (GES).

A ex-diretora financeira do BES disse também que recebeu “instruções diretas” de Ricardo Salgado, “que foram sempre” comunicadas a Amílcar Morais Pires, que as validava.

“Tenho a convicção de que Ricardo Sa