“Os nossos salários são baixos? Muitas pessoas até ganham mais do que deviam”

O presidente do Fórum para a Competitividade acusa o Governo de usar toda a folga orçamental que tinha para seduzir funcionários públicos.

“Para algumas pessoas os salários até são mais altos do que deviam.” O empresário Pedro Ferraz da Costa, presidente do Fórum da Competitividade, em entrevista ao jornal i, quando confrontado com a ideia de que os salários em Portugal continuam a ser muito baixos, considera que esse não é o problema do país.

“Não estou a dizer que os salários devem ser altos ou baixos. Acho que para muitas pessoas até são mais altos do que deviam, pois não deviam ser tão altos para os que apresentam maior absentismo ou para os que não se importam com o que se passa ou para os que ficam em casa. Está tudo muito mal repartido”, defende o empresário licenciado em Finanças.

Na sua opinião, deveria existir um tipo de avaliação mais séria para evitar este tipo de situações. A travá-la estão, na sua opinião, as estruturas sindicais.

“É evidente que temos um movimento sindical que, no essencial, é comandado por líderes comunistas que defendem um modelo económico-social que não existe em sítio nenhum com sucesso”, acrescenta.

No entanto, Ferraz da Costa também se queixa da falta de mão de obra em Portugal em setores estratégicos e acaba por atribui-la a dois fatores: fraco crescimento demográfico e pouca competitividade no mercado de trabalho para atrair trabalhadores estrangeiros ou emigrantes.

“Nos últimos 20 anos, Espanha aumentou a sua população em 16%. Portugal aumentou em 1,3%. Se não tivermos mais pessoas como é que conseguimos criar mais emprego? As pessoas também não estão muito interessadas em vir para Portugal porque as condições não são muito boas. Quando olhamos para o diferencial de salários entre o que ganha um médico em Portugal e o que é oferecido a um médico na Galiza ficamos com uma ideia clara do desnível que existe”, defende o empresário.

Pedro Ferraz da Costa, que liderou a CIP — Confederação Empresarial de Portugal entre 1981 e 2001, considera também ser “muito difícil” convencer quem emigra a regressar ao país e queixa-se de que quem fica nem sempre são os mais produtivos.

“As pessoas que podem emigram e é muito difícil com as condições atuais que oferecemos atrair gente. Depois há muitos que conseguem não trabalhar por vários outros esquemas: rendimentos sociais de inserção, subsídios de desemprego, programas de formação. Temos uma das taxas mais elevadas de jovens que não estudam nem trabalham.”

Quanto às condições de trabalho em Portugal, o Fórum para a Competitividade sempre considerou as 35 horas semanais um luxo. Questionado sobre se o ideal seria voltar às 40 horas, Ferraz da Costa diz que o ideal “era não se ter feito isso”.

“Já viu o que é andar para trás com uma coisa dessas? Imagine o que seria pôr todos os que passaram a trabalhar sete horas por dia a voltar a trabalhar oito horas quando já se habituaram a receber mais uma hora extraordinária.”

Crítico do fraco crescimento económico do país e defensor de que Portugal tem capacidade para crescer acima dos 4%, acusa o Governo de não ter, na atual legislatura, uma estratégia para exponenciar a economia portuguesa.

“Não me recordo, nesta legislatura, de ouvir um conjunto de medidas com vista a pôr o país a crescer mais”, argumenta, dizendo que se a economia não cresce mais é “porque não se faz nada para isso, até se faz tudo ao contrário disso”.

Em contrapartida, considera que o Executivo de António Costa usou toda a folga orçamental que tinha para tentar ganhar votos de funcionários públicos. “A grande responsabilidade de não haver dinheiro para todos estes projetos é do atual governo porque quis gastar toda a folga que tinha em seduzir os eleitores da função pública. O dinheiro foi todo para aí.”

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Este individuo ainda pensa que estamos no século passado onde o patronato foi “obrigado” a pagar os salários estipulados por lei (por volta de 1960/70) mas os seus colegas (patrões) diziam aos empregados (na segunda feira trazes (X) porque havia uma tabela negociada entre trabalhadores e patronato da qual o patronato se servia para iludir as entidades fiscalizadoras. Sei de casos concretos de pessoas (algumas já falecidas), mas ainda há gente viva dessa época para o confirmar.

  2. Desta vez, este parasita que pouco ou nada fez na vida (e que há uns tempos disse que os portugueses não querem trabalhar!), até acertou: ele e outros malandros como ele certamente que ganham do que deviam!!
    E, o Fórum para a Competitividade é mais uma associação que recebe dinheiros PÚBLICOS para defender os grandes grupos económicos!…
    Quando este souber o que é trabalhar, que venha cá dar conselhos!…

  3. De facto ele tem razão: há uns que ganham descaradamente muito em relação aos restantes ordenados das empresas. E são estes a dar o exemplo do absentismo pelo tempo que passam nos campos de golf ou restaurantes. O empresário tuga, um dos mais mal formados do planeta sempre gostou de explorar o empregado com baixos salários e longas cargas horárias. Depois não se queixem que não se arranjam trabalhadores e que muitos desandem para o estrangeiro. Os que cá ficam são tão pouco ou nada motivados que é lógico repercutir na produtividade. Viva a tugalândia!

RESPONDER

"Não há vagas". Ambulâncias fazem fila à porta dos hospitais (até parece Itália em Março)

Os engarrafamentos de ambulâncias à entrada das urgências dos Hospitais de Torres Vedras e de Santa Maria, em Lisboa, ilustram a gravidade do que está a acontecer no Serviço Nacional de Saúde (SNS) com o …

PSD prepara reforma do sistema político e quer "conquistar" PS

Até maio, o PSD vai lançar um processo de debate, interno e externo, para preparar uma série de reformas no sistema político, na Justiça e para a revisão constitucional. O PSD vai preparar um pacote de …

Arranca na Índia a "maior campanha de vacinação do mundo"

Começou este sábado, na Índia, aquela que é considerada a "maior campanha de vacinação do mundo" pelo Governo de Narendra Modi. Depois de ter registado 175 mortes e 15.158 novos casos nas últimas 24 horas, a …

Entre críticas e um mea culpa, Marcelo não quer "sistema manco" e deixa recados à direita e esquerda

Marcelo Rebelo de Sousa deixa algumas críticas ao Governo e aos partidos políticos pela forma como tem sido alinhada a resposta à pandemia de covid-19, mas também faz um mea culpa quanto ao alívio das …

PS consegue o seu melhor resultado desde as legislativas. Chega ultrapassa CDU

O PS consegue o seu melhor resultado desde as legislativas de 2019, com 39%, num estudo da Eurosondagem em que o Chega ultrapassa a CDU nas intenções de voto. Na sondagem, para o Porto Canal e …

ACT não tem carros suficientes para fiscalizar teletrabalho

Apesar de a falta de viaturas ser um problema antigo, o regresso ao teletrabalho obrigatório aumenta as preocupações da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), que está sem carros suficientes para garantir a fiscalização. Os …

Livros, vestuário e brinquedos. Supermercados proíbem venda de artigos não essenciais a partir de segunda-feira

A partir de segunda-feira, os supermercados estão proibidos de vender produtos que não sejam essenciais ou de primeira necessidade. O decreto que regulamenta o novo estado de emergência prevê a possibilidade de o Governo limitar as …

Sindicato promete "guerra total" para travar "destruição" do SEF

"Nenhuma força policial tem competências necessárias" para substituir o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. Este é o entendimento do sindicado dos inspetores, que promete "guerra" contra qualquer tentativa de "destruir" o SEF. O Sindicato da Carreira …

Arqueólogos acreditam ter encontrado a arte rupestre mais antiga do mundo

Arqueólogos da Universidade de Griffith, na Austrália, acreditam ter descoberto a arte rupestre mais antiga do mundo já encontrada. Em causa está a figura de um javali, pintada numa caverna da Indonésia há pelo menos …

Num cenário "pessimista", internados podem chegar aos 7500 já na próxima sexta-feira

A Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares (APAH) traçou dois cenários tendo em conta a atual situação epidemiológica, sendo que, segundo o mais "pessimista", o país pode ter de se confrontar com um número inédito de …