“Os nossos salários são baixos? Muitas pessoas até ganham mais do que deviam”

O presidente do Fórum para a Competitividade acusa o Governo de usar toda a folga orçamental que tinha para seduzir funcionários públicos.

“Para algumas pessoas os salários até são mais altos do que deviam.” O empresário Pedro Ferraz da Costa, presidente do Fórum da Competitividade, em entrevista ao jornal i, quando confrontado com a ideia de que os salários em Portugal continuam a ser muito baixos, considera que esse não é o problema do país.

“Não estou a dizer que os salários devem ser altos ou baixos. Acho que para muitas pessoas até são mais altos do que deviam, pois não deviam ser tão altos para os que apresentam maior absentismo ou para os que não se importam com o que se passa ou para os que ficam em casa. Está tudo muito mal repartido”, defende o empresário licenciado em Finanças.

Na sua opinião, deveria existir um tipo de avaliação mais séria para evitar este tipo de situações. A travá-la estão, na sua opinião, as estruturas sindicais.

“É evidente que temos um movimento sindical que, no essencial, é comandado por líderes comunistas que defendem um modelo económico-social que não existe em sítio nenhum com sucesso”, acrescenta.

No entanto, Ferraz da Costa também se queixa da falta de mão de obra em Portugal em setores estratégicos e acaba por atribui-la a dois fatores: fraco crescimento demográfico e pouca competitividade no mercado de trabalho para atrair trabalhadores estrangeiros ou emigrantes.

“Nos últimos 20 anos, Espanha aumentou a sua população em 16%. Portugal aumentou em 1,3%. Se não tivermos mais pessoas como é que conseguimos criar mais emprego? As pessoas também não estão muito interessadas em vir para Portugal porque as condições não são muito boas. Quando olhamos para o diferencial de salários entre o que ganha um médico em Portugal e o que é oferecido a um médico na Galiza ficamos com uma ideia clara do desnível que existe”, defende o empresário.

Pedro Ferraz da Costa, que liderou a CIP — Confederação Empresarial de Portugal entre 1981 e 2001, considera também ser “muito difícil” convencer quem emigra a regressar ao país e queixa-se de que quem fica nem sempre são os mais produtivos.

“As pessoas que podem emigram e é muito difícil com as condições atuais que oferecemos atrair gente. Depois há muitos que conseguem não trabalhar por vários outros esquemas: rendimentos sociais de inserção, subsídios de desemprego, programas de formação. Temos uma das taxas mais elevadas de jovens que não estudam nem trabalham.”

Quanto às condições de trabalho em Portugal, o Fórum para a Competitividade sempre considerou as 35 horas semanais um luxo. Questionado sobre se o ideal seria voltar às 40 horas, Ferraz da Costa diz que o ideal “era não se ter feito isso”.

“Já viu o que é andar para trás com uma coisa dessas? Imagine o que seria pôr todos os que passaram a trabalhar sete horas por dia a voltar a trabalhar oito horas quando já se habituaram a receber mais uma hora extraordinária.”

Crítico do fraco crescimento económico do país e defensor de que Portugal tem capacidade para crescer acima dos 4%, acusa o Governo de não ter, na atual legislatura, uma estratégia para exponenciar a economia portuguesa.

“Não me recordo, nesta legislatura, de ouvir um conjunto de medidas com vista a pôr o país a crescer mais”, argumenta, dizendo que se a economia não cresce mais é “porque não se faz nada para isso, até se faz tudo ao contrário disso”.

Em contrapartida, considera que o Executivo de António Costa usou toda a folga orçamental que tinha para tentar ganhar votos de funcionários públicos. “A grande responsabilidade de não haver dinheiro para todos estes projetos é do atual governo porque quis gastar toda a folga que tinha em seduzir os eleitores da função pública. O dinheiro foi todo para aí.”

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Este individuo ainda pensa que estamos no século passado onde o patronato foi “obrigado” a pagar os salários estipulados por lei (por volta de 1960/70) mas os seus colegas (patrões) diziam aos empregados (na segunda feira trazes (X) porque havia uma tabela negociada entre trabalhadores e patronato da qual o patronato se servia para iludir as entidades fiscalizadoras. Sei de casos concretos de pessoas (algumas já falecidas), mas ainda há gente viva dessa época para o confirmar.

  2. Desta vez, este parasita que pouco ou nada fez na vida (e que há uns tempos disse que os portugueses não querem trabalhar!), até acertou: ele e outros malandros como ele certamente que ganham do que deviam!!
    E, o Fórum para a Competitividade é mais uma associação que recebe dinheiros PÚBLICOS para defender os grandes grupos económicos!…
    Quando este souber o que é trabalhar, que venha cá dar conselhos!…

  3. De facto ele tem razão: há uns que ganham descaradamente muito em relação aos restantes ordenados das empresas. E são estes a dar o exemplo do absentismo pelo tempo que passam nos campos de golf ou restaurantes. O empresário tuga, um dos mais mal formados do planeta sempre gostou de explorar o empregado com baixos salários e longas cargas horárias. Depois não se queixem que não se arranjam trabalhadores e que muitos desandem para o estrangeiro. Os que cá ficam são tão pouco ou nada motivados que é lógico repercutir na produtividade. Viva a tugalândia!

RESPONDER

A Lua pintou-se de vermelho na Argentina (e a causa não é propriamente boa)

Uma estranha lua com tons avermelhados pintou o céu da Argentina. O fenómeno misterioso encheu as redes sociais de fotografias e teorias. Em diferentes regiões da Argentina, várias pessoas puderam apreciar, nas últimas noites, a Lua …

Aeronave autónoma é uma alternativa acessível aos satélites (e já fez o seu primeiro voo)

A empresa Swift Engineering, em parceria com o Ames Research Center, da NASA, desenvolveu uma alternativa acessível aos satélites: uma aeronave autónoma de alta altitude e longa resistência. Já nasceu a alternativa acessível aos satélites: chama-se …

Reservas naturais chinesas salvaram os pandas da extinção (mas "esqueceram-se" dos leopardos)

Uma nova investigação revela que os esforços da China para salvar os pandas gigantes foram bem sucedidos, mas os mesmos falharam na proteção de outros animais que partilham o mesmo habitat, como é o caso …

Comunidade científica critica Trump por dizer que NASA estava "morta"

Na quarta-feira, o Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, afirmou no Twitter que "a NASA estava fechada e morta" até que o próprio fez com que voltasse a funcionar, afirmação que gerou consternação na …

É "bastante provável" que chegue à Europa uma Cybertruck de menores dimensões

É "bastante provável" que uma Cybertruck de menores dimensões venha a ser produzida e chegue depois ao mercado europeu, revelou Elon Musk, CEO da Tesla, empresa que produz estas pickups elétricas. Questionado na rede social …

Mais seis mortos e 131 novos casos em Portugal nas últimas 24 horas

Portugal regista hoje mais seis mortos e 131 novos casos de infeção por covid-19 em relação a sábado, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. O número de pessoas internadas é de 366, mais nove …

"Erro" do Instagram favoreceu conteúdo de Trump face ao de Biden

Um "erro" da rede social Instagram favoreceu durante dois meses o conteúdo gerado pela campanha de reeleição do atual Presidente norte-americano, Donald Trump, quando comparado com as publicações de Joe Biden, candidato democrata que está …

Fotografia partilhada nas redes sociais levou à suspensão de alunos nos Estados Unidos

Pelo menos dois alunos da North Paulding High School, no estado da Georgia, dizem ter sido suspensos depois de terem partilhado nas redes sociais uma fotografia na qual é possível ver um corredor da escola repleto …

Estado de Nova Iorque com mais mortes por Covid-19 do que França ou Espanha

Os Estados Unidos registaram 1.252 mortos e 63.913 infetados com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo uma contagem independente da Universidade Johns Hopkins. Os últimos números de casos e óbitos registados devido a Covid-19 …

Turistas voltam a viajar, mas optam pelo low-cost

Mesmo num contexto de pandemia mundial o desejo de ir de férias continua vivo. Os turistas voltaram a procurar voos, contudo as opções recaem em percursos de curta distância e mais económicos. Ao longo dos últimos …