Ryanair ganha caso das raspadinhas ao fisco

A filial portuguesa da Ryanair ganhou um processo à Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) num tribunal arbitral, conseguindo ver anuladas correções de IVA relativas às raspadinhas vendidas a bordo de alguns voos da companhia irlandesa em 2014, 2015 e 2016.

De acordo com a edição desta segunda-feira do jornal Público, a sucursal da Ryanair em Portugal ganhou um processo arbitral à Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) num caso relacionado com as raspadinhas vendidas a bordo dos aviões, entre 2014 e 2016.

A companhia aérea viu anuladas correções de IVA dessas raspadinhas. Em causa está o facto de os cartões do lotto terem sido vendidos pela casa-mãe da transportadora aérea, em Dublin, na Irlanda, segundo os árbitros nomeados pelo Centro de Arbitragem Administrativa (CAAD).

Segundo o tribunal arbitral, a atividade da filial nacional da Ryanair “está reduzida ao apoio em terra” nos aeroportos de Lisboa, do Porto e de Ponta Delgada (Açores). Na prática, as liquidações de 75,9 mil euros de IVA deverão ser anuladas.

“Sendo o serviço prestado pela Ryanair DAC, em aviões seus e através de tripulantes que têm contrato de trabalho com esta empresa, não há suporte factual para concluir que os seus serviços tenham sido prestados pela sucursal em Portugal, independentemente de esta se poder ou não considerar como um estabelecimento estável”, concluem os árbitros.

Liam Hicky, consultor da Ryanair em Dublin, afirmou que a sucursal não tem aviões, não tem pessoal afeto ao transporte de passageiros – pilotos ou pessoal de cabine – nem instalação fixa em Portugal, lembrando que a própria casa-mãe e a sucursal têm números de IVA diferentes.

No fundo, a sucursal não é o sujeito passivo nestas operações. Além disso, refere o diário, não é por ter declarado aqueles valores (vindo, depois, alegar que o fez por erro, procurando afastar a tributação de Portugal para a colocar no país da sede da multinacional) que passa a poder ser-lhe imputado o imposto.

ZAP //

PARTILHAR

15 COMENTÁRIOS

      • Não nos queres “iluminar” e dizer qual foi o tribunal arbitral e quem foram os arbitros?!
        Tentei descobrir mas ainda não consegui…

        • Terá mesmo que estudar que eu não dou lições grátis. E já agora estude também português porque não encontro em lado algum da notícia que as “raspadinhas” tenham sido vendidas em território português.

          • Pois, pois… é o “argumento” típico dos sabichões – aconselham e ir estudar, mas também não sabem!…
            É… se calhar as rapadinhas foram vendidas em voos entre a Estónia e a Letónia e a AT de Portugal lembrou-se de ir lá cobrar impostos!…
            Faz todo o sentido…

    • Nada disso, só se paga imposto uma única vez, que é no país onde é feito o faturamento, o nosso estado é que gosta de tentar meter a unha em todo o lado

      • E, como é óbvio, o “facturamento” devia ser feito onde é realizada a venda!
        O Estado faz muito bem em “meter a unha” nesses mafiosos da Ryanair porque, além de tratarem os clientes como gado e os funcionários como escravos, andam sempre com esquemas para não pagar impostos!

    • Voltou o maluco…
      Mafioso deves ser tu, que só vês máfias…e por falar em máfias…conheces alguma pior que a Máfia do Governo Português?
      A Máfia do Governo Português quer meter o dedo em tudo mas não é por nós, povo, ou pela evolução seja do que for no país….naaaaa, é que quanto mais entra mais há pra sair, prós bolsos dos do costume claro.
      Abre a pestana, tenho-te dito, andas a dormir e um dia quando acordares já será tarde 😉 Enfim…

      • Sim, sim, anjinho… toda a gente sabe que a Ryanair é uma empresa exemplar…
        E claro que são empresas assim que fazem muito pelos povos e pela evolução… por isso é que foram corridos da Dinamarca!…

      • Por experiência, por trabalhar neste ramo específico, o comum e usual é pagar os impostos na cidade de partida, ou seja tudo o que é vendido a bordo de um avião que sai de Lisboa, Porto, Faro, etc, paga o imposto a Portugal.
        As companhias quando fazem o preço do produto já contam com o maior IVA de que podem sofrer.
        Quer isto dizer que o produto tem preços sem IVA diferentes para cada origem, para o preço de venda ser sempre o mesmo após adicionar o IVA.(assim o menu é igual para todos os voos)

        Eu não acredito que vou dizer isto, mas concordo com o “eu”, este tribunal arbitral baseou-se em algo que não é correto e sem precedentes por interesse de alguns, mas Portugal pode resolver isso de forma simples e estou seguro que o vão fazer, até porque o retail a bordo é um mercado de milhões.
        A própria Europa não tem interesse em que isto não fique resolvido, imaginem todos os estados membros a perder dinheiro com a abertura deste precedente, o próximo passo seria as outras a fazer o mesmo e os governos a perder o cash da easyJet, Vueling, wizzair, air Europa, Norwegian, e outras que fazem vendas a bordo

        • Haja alguém com o mínimo de bom senso (e que fala do que sabe)!
          .
          Não sei de onde vem admiração no facto de comcordarmos (confesso que não decoro os nicks, nem estou assim tão atento a quem discorda das minhas opiniões – e também há outros a utilizar o “meu” nick!), mas, certamente, que estaremos de acordo noutras situações…

  1. E, como é óbvio, o “facturamento” devia ser feito onde é realizada a venda!
    O Estado faz muito bem em “meter a unha” nesses mafiosos da Ryanair porque, além de tratarem os clientes como gado e os funcionários como escravos, andam sempre com esquemas para não pagar impostos!

  2. “aeroportos de Lisboa, do Porto, de São Miguel e de Ponta Delgada (Açores).”
    – São Miguel é o nome da ilha, Ponta Delgada é o nome da cidade situada em São Miguel.
    Portanto aeroportos de “Lisboa, Porto e de Ponta delgada (Açores)*”.

  3. Se o estado tivesse ganho, o passo seguinte, era pôr os tripulantes a pagar IRS aos países de onde partem em cada vôo! Ia ser lindo. Preenchiam 50 declarações por ano. Em nome da ganância, o estado só complica.
    Gostava de saber quantos dos que chamam “mafiosa” à Ryanair, é que costumam viajar nela. Ao menos essa tem bons preços e não me vai ao bolso sem eu poder fazer nada a respeito, se for mal gerida. Ao contrário da TAP, que alguns iluminados decidiram deveria pertencer a todos (ser 50% pública), e agora dá-nos prejuizos de milhões enquanto a respetiva administração se atribui a si própria, bónus chorudos por bom desempenho!

RESPONDER

"Checkmate". Rússia apresenta o seu novo jacto de combate revolucionário

O novo jacto é a aposta do governo russo para as exportações e pode vir a ditar o fim da supremacia (aérea e no mercado) do F-35 norte-americano. A Rússia apresentou o protótipo do novo jacto …

"É demasiado tarde". As palavras dos médicos aos doentes com covid-19 que recusaram a vacina

Estados Unidos da América contam com 48.49% da população totalmente vacinada, apesar de o processo ter estagnado nas últimas semanas. Os números de novas infeções crescem, assim como as mortes face ao crescimento galopante da …

"Pingdemic". Há uma nova "pandemia" a causar escassez de comida e combustível no Reino Unido

As medidas de distanciamento social no Reino Unido caíram e, como consequência, centenas de milhares de pessoas estão a ser notificadas para cumprir isolamento. A partir desta segunda-feira o uso de máscara e outras medidas de …

O lago mais improvável de Roma é um refúgio urbano (que impulsiona o ativismo ambiental)

O lago mais improvável de Roma, que nem sequer devia existir, motivou uma luta pela proteção ambiental do local. No anos 90, num local de construção a apenas alguns quilómetros a leste do Coliseu de Roma, …

Afeganistão. EUA lançam ataques aéreos enquanto Talibãs exigem a renúncia do Presidente

Os Estados Unidos (EUA) entraram num confronto pela cidade de Kandahar, realizando ataques aéreos em apoio às forças afegãs, enquanto os Talibãs apelam ao Presidente Ashraf Ghani para renunciar. O porta-voz do Pentágono, John Kirby, avançou …

A primeira casa impressa em 3D no Canadá é inspirada na sequência de Fibonacci

Depois de ter inspirado inúmeros edifícios, a sequência de Fibonacci serviu de musa à empresa de impressão em 3D Twente Additive Manufacturing (TAM), que criou a primeira casa impressa em 3D do Canadá. A Fibonacci House é …

Marcha do Orgulho de Budapeste será um protesto contra as leis anti-LGBTQI, diz organização

A marcha do Orgulho em Budapeste, que ocorrerá no sábado, será "uma celebração, mas também um protesto", disseram os organizadores, enquanto a comunidade LGBTQI húngara se prepara para desafiar a escalada da campanha anti-homossexual do …

PSD propõe máximo de 215 deputados e divisão de grandes círculos eleitorais

O PSD apresentou, esta sexta-feira, a sua proposta para a reforma do sistema eleitoral, que fixa um máximo de 215 deputados, menos 15 do que o total atualmente em vigor. A proposta do PSD para a …

Variante Lambda: o que saber sobre a nova mutação que preocupa as autoridades

Está a ter um foco mais circunscrito à América Latina, mas já houve dois casos desta mutação em Portugal. A OMS está atenta e de momento classifica a Lambda como uma variante de interesse. Foi inicialmente …

PSD força audição de Eduardo Cabrita sobre inquérito da IGAI

O PSD recorreu à figura da audição potestativa a que os partidos têm direito a usar regimentalmente para ouvir membros do Governo e entidades públicas.  O PSD requereu esta sexta-feira a audição parlamentar obrigatória do ministro …