“A rutura do Bloco foi anunciada aquando da formação do Governo”

partidosocialista / Flickr

José António Vieira da Silva

Ainda que admita a existência de um fosse entre o PS e o Bloco de Esquerda, o antigo ministro Vieira da Silva não o vê como “irreversível”.

O ex-ministro Vieira da Silva defendeu que a rutura entre o Bloco de Esquerda e o PS data da altura da formação do Governo, após as eleições legislativas de 2019, mas não a vê como “irreversível”.

“Quem estivesse a observar com atenção os resultados eleitorais [de 2019] e a nova relação de forças que resultou entre os partidos que formavam a chamada geringonça, perceberia que da parte do Bloco havia muito menos disponibilidade de trabalhar da mesma forma”, diz em entrevista à Lusa o agora conselheiro da presidência portuguesa da União Europeia para os direitos sociais.

Segundo Vieira da Silva, devido à “derrota séria” do PCP (que perdeu cinco deputados), “a relação entre os outros dois parceiros da geringonça mudou e isso tem impacto na forma como eles estão disponíveis para colaborar”, sublinha. “Foi uma rutura anunciada”, sintetiza.

Questionado sobre o facto de o BE ter apresentado na altura uma proposta escrita de acordo ao PS, recusada por este, Vieira da Silva lembra que também “há documentos escritos de separação”, sobretudo quando as condições que se colocam “têm uma dimensão inultrapassável” para o outro parceiro.

Mas o antigo ministro do Trabalho sustenta, no entanto, que a atual crise pode ser revertida, porque, segundo disse, a chamada geringonça “mudou as regras da vida política e muitas dessas mudanças mantêm-se, as pessoas e os partidos continuam a falar e a negociar”.

Todavia, destacou, “a excecionalidade [da atual crise] deve levar a todos a maior flexibilidade”.

Apesar da crise, o conselheiro do comissário europeu para o Emprego e Assuntos Sociais, Nicolas Schmit, rejeita que o sistema político esteja degradado, embora reconheça que é “sempre muito difícil governar numa crise e estar ou querer estar associado a essa crise do lado de quem governa”.

Em relação ao futuro do atual Governo, Vieira da Silva não vê que “seja uma impossibilidade” que ele dure até ao fim da legislatura, elogiando o talento do atual primeiro-ministro, António Costa, para “encontrar soluções momentos de dificuldade”.

“Está certo que vamos ter uns seis meses de grande tensão, de grande dificuldade, mas por tudo o que acontece e porque temos trabalho a dobrar com uma presidência europeia (…) não está escrito [que o Governo não dure a legislatura]”, concretiza.

Já quanto ao acordo feito entre o PSD e o Chega para viabilizar o governo dos Açores, Vieira da Silva considera que “é inevitável que ele tenha um alcance nacional”. “Somos um Estado unitário, com duas regiões autónomas, que fazem parte de nossa vida política e cultural, com um contributo político de relevo para o nosso país, não tenho nenhuma dúvida sobre isso”, afirma.

Para Vieira da Silva, o acordo surgiu como uma “novidade um pouco surpreendente, talvez quem a tenha desenhado não tenha feito todas as interações sobre os efeitos em cadeia que podem daí advir”. “Talvez tivesse sido melhor que não tivesse acontecido”, concluiu.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Polskie Babcie", as avós que lutam pela democracia na Polónia

Um grupo de idosas polacas organiza protestos, todas as semanas, para lutar pela democracia no país, governado pelo partido de direita nacional-conservador e democrata-cristão Lei e Justiça (PiS). É hora de ponta em Varsóvia, capital da …

Cimeira Social. Jerónimo de Sousa diz que não se respondeu aos verdadeiros problemas

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, afirmou este sábado, no Porto, que a Cimeira Social da União Europeia não respondeu às necessidades associadas ao emprego, à valorização dos salários e ao fim da precarização …

Babbage escreveu uma carta a Tennyson. Exigia a "correção matemática" de um poema

A perspicácia matemática de Charles Babbage levou-o a escrever uma carta ao poeta Alfred Tennyson, que exigia, de certa forma, rigor e precisão no poema The Vision Of Sin. Charles Babbage é conhecido como o pai …

Covid-19: Portugal com uma morte e 324 novos casos nas últimas 24 horas

Portugal registou hoje uma morte atribuída à covid-19, 324 novos casos de infeção pelo novo coronavírus e uma ligeira subida no número de internamentos em enfermaria, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o …

Roma já tem uma máquina de venda automática de pizza

A capital italiana tem agora uma máquina de venda automática que faz pizzas em apenas três minutos. Os preços variam de 4,50 aos seis euros (e as opiniões sobre esta ideia também). Raffaele Esposito, o napolitano …

Morreu Bo, o cão de água português de Barack Obama

Bo, o cão de água português que o ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, adotou em 2009 morreu este domingo com 13 anos, em consequência de um cancro, anunciou o político nas redes sociais. O cão …

Futuro pós-vacinação entre reforço de dose, controlo de variantes e medicamentos

A incerteza sobre a duração da imunidade das vacinas contra a covid-19 deixa o futuro do combate à doença entre o reforço da vacinação, a monitorização de novas variantes e o desenvolvimento de terapêuticas alternativas, …

Presidente da República promulga Carta de Direitos Humanos na Era Digital

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou este sábado a Carta de Direitos Humanos na Era Digital, aprovada em abril na Assembleia da República, segundo uma nota divulgada no site da Presidência. A lei, …

Depois de 17 anos no subsolo, biliões de cigarras vão emergir nos Estados Unidos

Biliões de cigarras vão emergir nos Estados Unidos. O aviso é de um grupo de cientistas que alerta que, dentro de alguns dias ou semanas, as cigarras da Ninhada X vão surgir depois de 17 …

Foguetão chinês regressou à Terra (e a maior parte desintegrou-se)

Um importante segmento do foguetão chinês desintegrou-se este domingo ao reentrar na atmosfera terrestre e caiu no oceano Índico, perto das Maldivas, anunciou a agência espacial da China. "De acordo com o percurso e análise, pelas …