/

Rússia planeia clonar e “ressuscitar” um exército cita com 3.000 anos

1

Russian Geographical Society

Há duas décadas, arqueólogos da Sibéria encontraram os restos mortais de guerreiros citas com três mil anos com os seus cavalos na República de Tuva. Agora, a Rússia quer cloná-los.

O ministro da Defesa da Rússia anunciou um plano para a clonagem de ADN de antigos guerreiros siberianos e dos seus cavalos. O antigo cemitério Tunnug, localizado no Vale dos Reis, na República de Tuva, na Sibéria, guarda os restos mortais de guerreiros citas com três mil anos.

Agora, Sergei Shoigu, um dos assessores mais próximos de Vladimir Putin, revelou o seu desejo de usar a clonagem de ADN para recriar um exército de nobres guerreiros.

De acordo com o Ancient Origins, tribos nómadas citas eram de origem iraniana e dominaram a estepe da Eurásia desde as fronteiras do norte da China até a região do Mar Negro entre os séculos III e VII a.C.

Arqueólogos têm escavado o túmulo de Tuva, conhecido como “Arzhan 2”, desde 1998 e uma equipa começou a escavar sepulturas e túmulos no chamado “Vale dos Reis” em 2001. Agora, uma equipa russo-suíça está a tentar encontrar amostras para a clonagem de ADN de um exército de guerreiros.

Um artigo publicado no jornal britânico Daily Mail explica que o antigo cemitério de Tunnug contém guerreiros nómadas com três mil anos que “costumavam descansar com os seus cavalos”.

Shoigu, que é da República de Tuva, falou recentemente sobre o “potencial dos extraordinários sepultamentos citas” no Vale dos Reis. A parte polémica é que este “potencial” de que fala é recolher uma amostra do ADN para que os cientistas militares possam recriar um antigo exército de guerreiros “avançados”.

De acordo com um relatório da UniLad, divulgado há três anos, quando Shoigu iniciou as escavações arqueológicas russo-suíças, chamou um “xamã moderno para que as escavações não enfurecessem os espíritos“.

Na quarta-feira passada, a TV Zvezda relatou que o ministro da defesa russo disse, numa sessão online da Sociedade Geográfica Russa, na qual Putin participou, que os cemitérios foram descobertos “em permafrost” que deveriam ter preservado a matéria orgânica, portanto, “seria possível fazer algo com isso, como à ovelha Dolly”.

Em julho de 1996, recorde-se, a Escócia anunciou que uma ovelha doméstica, chamada Dolly, foi o primeiro mamífero clonado de uma célula somática adulta, usando o processo de transferência nuclear.

Não é claro, contudo, quão genuínos são os supostos esforços dos russos para clonar um antigo exército milenar. Um relatório de 2017 revelou que tanto o Kremlin com os media russos trabalham em conjunto para produzir desinformação a fim de turvar os atos do Estado russo no cenário internacional.

Atualmente, a Rússia e a Ucrânia estão sob forte tensão na fronteira onde a Rússia anunciou estar a realizar “exercícios militares”. Moscovo denunciou terem chegado pelo menos cinco aviões norte-americanos de transporte militar à zona e dois navios de guerra da Marinha dos Estados Unidos terão pedido autorização à Turquia para cruzar o Bósforo e entrar no Mar Negro.

  Maria Campos, ZAP //

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.