Rui Rio desiste da candidatura a Belém

presidencia.pt

O ex-presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Rio

O ex-presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Rio

O ex-presidente da Câmara do Porto Rui Rio anunciou esta quinta-feira que não será candidato à Presidência da República, num artigo, publicado no Jornal de Notícias, em que critica a liberdade de voto dada pela coligação PSD-CDS/PP.

No artigo de opinião publicado pelo JN, apesar de se colocar fora da corrida a Belém, Rui Rio considera que, no “quadro parlamentar instável” que o país vive, a sua candidatura “poderia ser a que melhores condições tinha de, no quadro do espaço ideológico moderado, conseguir garantir a indispensável estabilidade e sobriedade na política nacional”.

Rui Rio diz que a sua decisão de não ser candidato às Presidenciais é “sustentada e coerente”, e assenta no resultado eleitoral de 4 de outubro, que ditou um “quadro parlamentar instável”.

“Foi por essa clarificação que esperei e é ela que me permite ter hoje uma leitura política final e uma decisão de não candidatura sustentada e coerente”, disse.

O ex-secretário-geral do PSD justifica também a sua decisão com a escassez de condições para levar por diante uma reforma do regime.

“A hipótese de uma minha candidatura a Presidente da República reside no facto de eu próprio, e muitos outros, considerarmos que tenho vantagens comparadas sobre os demais candidatos, naquilo que considero mais relevante para o próximo mandato presidencial: ou seja, assumir efetivamente um projeto de renovação e modernização do regime”, sublinha.

Rui Rio salienta no artigo de opinião que só assume um compromisso quando nele acredita “séria e convictamente”.

“Não gosto de dizer o que me dá jeito, quando tal é contrário à minha convicção. (…) Nunca pensei ser presidente da República só por o ser. Quereria ser presidente da República se, à luz do meu pensamento, visse utilidade para Portugal”, frisa.

De acordo com o ex-presidente da Câmara do Porto, o novo quadro parlamentar é um “potenciador de instabilidade política” e, por isso, o Palácio de Belém terá de ser mais do que nunca “um sólido referencial de estabilidade”.

“Se assim não for, se a Presidência for, também ela própria, um foco de perturbação e de permanente agitação, então poderemos estar a colocar seriamente em causa o futuro próximo de Portugal”, adiantou.

O ex-autarca do Porto e ex-secretário-geral do PSD no tempo da presidência de Marcelo Rebelo de Sousa critica a decisão das lideranças do PSD e do CDS/PP de darem liberdade de voto aos seus militantes nas presidenciais de janeiro.

Face à decisão das direções dos partidos da coligação, Rio sublinha que, se avançasse na corrida presidencial, a sua candidatura “facilmente seria interpretada como divisionista, senão mesmo como desestabilizadora”.

“A diferença de opiniões não tem nada de grave nem de anormal em democracia. E se, nesta matéria em concreto, a minha visão não é coincidente com a das direções nacionais dos partidos de que estou ideologicamente mais próximo, cabe-me a mim respeitá-la e assumir que, assim sendo, a minha motivação para prestar este serviço ao país não chega, por si só, para justificar uma candidatura que, neste capítulo concreto, só fazia sentido se houvesse a mesma visão dos dois lados”, salienta.

Rui Rio alega, por outro lado, que seria muito difícil lançar fora de Lisboa uma candidatura com possibilidade de vencer.

“Num país profundamente centralizado como Portugal, lançar uma candidatura presidencial vencedora e nacionalmente reconhecida a partir de uma cidade que não a capital do país, é uma tarefa muito próxima do impossível“, sustenta.

“Como disse em 2 de setembro, não tinha, nem tenho qualquer dúvida que, do ponto de vista tático, devia ter lançado a minha candidatura nessa altura. Só que como também então o disse, os seus pressupostos não acomodavam condicionantes exclusivamente táticas: acomodavam como referi, um projeto para o país. E a exequibilidade desse projeto, pelas diversas circunstâncias da vida política nacional, apenas poderiam ficar claras após as eleições de 4 de outubro”, conclui.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

Responder a TU Cancelar resposta

CGTP volta à rua com concentrações nos distritos e greves e plenários nas empresas

A CGTP vai voltar à rua pela valorização dos salários e do emprego e o respeito pelos direitos individuais e coletivos. A CGTP volta à rua com uma Jornada Nacional de Luta descentralizada para exigir melhores …

27 reúnem-se numa videocimeira para discutir restrições e a aceleração do processo de vacinação

Esta quinta-feira, os 27 reúnem-se virtualmente, numa cimeira coordenada, a partir de Bruxelas, pelo presidente do Conselho Europeu Charles Michel.  Segundo apurou a TSF, na videocimeira desta quinta-feira, os governos deverão reconhecer que a situação epidemiológica …

Em risco de perder a imunidade, Puigdemont fala em "pressão espanhola"

Carles Puigdemont, Toni Comín e Clara Ponsati estão em risco de perder imunidade. O ex-presidente do governo da Catalunha fala em "pressão espanhola" no Parlamento Europeu. O levantamento da imunidade de Carles Puigdemont e de dois …

Plano de desconfinamento a circular nas redes sociais é falso. Governo faz denúncia ao Ministério Público

Esta quinta-feira, começou a circular nas redes sociais um alegado plano de desconfinamento que teria início já no mês de março. O Governo já veio avisar que o documento é falso e vai fazer uma …

Carlos Carreiras diz que "Passos Coelho não é passado, é presente"

O presidente da Câmara de Cascais voltou a criticar a liderança do líder do PSD e, em sentido contrário, deixou rasgados elogios ao seu antecessor. Numa entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Carlos Carreiras …

PSP diz que jovem que se gabou de violação no Instagram pode ter "fantasiado"

A Polícia de Segurança Pública (PSP) de Viseu afirma que "tudo leva a crer" que o jovem que assumiu, em direto no Instagram, ter violado uma rapariga estivesse a fantasiar. A PSP de Viseu identificou o …

Termina hoje o prazo para validar faturas para apresentar no IRS

Os contribuintes têm até esta quinta-feira para validar e verificar as faturas de 2020 no Portal e-fatura e que vão servir de base no cálculo das deduções no IRS. Há já vários anos que as deduções …

“Foi torturada”. Princesa Latifa escreve carta à polícia a pedir que investigue desaparecimento da irmã

Latifa escreveu à polícia britânica em 2019. O caso da sua irmã Shamsa, raptada em Inglaterra há mais de vinte anos, tem muitas semelhanças com o drama agora vivido pela princesa. A princesa Latifa, filha do …

Pelo menos oito mortos após golpe de Estado em Myanmar. ONG pedem embargo ao fornecimento de armas

Pelo menos oito pessoas morreram em Myanmar, como resultado da violência desencadeada após o golpe de Estado realizado pelos militares a 1 de fevereiro, segundo a Associação de Assistência aos Prisioneiros Políticos (AAPP). Até agora, o …

24 mil milhões até 2025 e 100% renovável até 2030. Eis o novo plano estratégico da EDP

A EDP apresenta esta quinta-feira o seu novo plano estratégico, comprometendo-se a investir 24 mil milhões de euros até 2025 na transição energética e anunciando o objetivo de até 2030 se tornar 100% verde. Na nota …