Ricciardi recusa responsabilidade na queda do impérito e acusa Salgado

(td) Isabelmariapinto / Wikimedia, sinanyuzakli / Flickr

José Maria Espírito Santo Silva Ricciardi, Presidente do BES Investimento

José Maria Espírito Santo Silva Ricciardi, Presidente do BES Investimento

O presidente do Banco Espirito Santo Investimento (BESI), José Maria Ricciardi, responsabilizou o primo Ricardo Salgado pela queda do império Espírito Santo, numa carta enviada, em maio, ao Banco de Portugal e publicada esta terça-feira no Diário de Notícias.

Na carta, datada de 27 de maio de 2014, ao vice-governador do Banco de Portugal, Ricciardi desmentiu Ricardo Salgado, ex-presidente do BES e do GES, e recusou qualquer quota de responsabilidade pelo buraco detetado no banco.

A missiva, a que o Diário de Notícias teve acesso, foi enviada cinco dias depois de Ricardo Salgado ter afirmado, em entrevista ao Jornal de Negócios, não ter sido o único responsável pela crise no banco e no Grupo Espirito Santo (GES), avançando que os vários membros da família no Conselho Superior do Grupo tinham cometido erros.

Hoje, Ricardo Salgado e o seu primo José Maria Ricciardi vão ser ouvidos, em separado, pela primeira vez, na comissão parlamentar de inquérito ao BES para explicarem como se desmoronou o maior grupo financeiro português.

Na carta publicada pelo DN, Ricciardi explica que as contas e os movimentos financeiros da Espirito Santo International, holding do Grupo GES, eram tratados por um “núcleo restrito” sob a direção do antigo homem-forte do BES, Ricardo Salgado, garantindo nunca ter sido chamado a interferir.

Na altura, o presidente do BESI alertou que já tinha pedido um inquérito, em novembro de 2013, para apurar as responsabilidades sobre a situação financeira e contabilística do grupo. No entanto, o banqueiro não revelou publicamente a sua posição pois considerava que tal penalizaria a imagem e reputação do BES.

O ano 2014 ficará para sempre ligado à queda do império Espírito Santo, consumada com o colapso do BES, a jóia da coroa, que foi alvo de uma intervenção pública da qual resultou o Novo Banco.

As desavenças públicas entre Ricardo Salgado, líder histórico do Banco Espírito Santo, e José Maria Ricciardi, presidente do BESI, no final de 2013, foram o primeiro sinal.

Mesmo depois de emitirem uma declaração conjunta em que apaziguavam a tensão existente, em novembro de 2013, a guerra entre primos não deixou boas perspetivas para 2014.

Durante os primeiros meses do ano, a sucessão de Ricardo Salgado continuava a ser notícia.

Em meados de fevereiro, o BES apresentou um prejuízo de 517,6 milhões de euros relativamente a 2013, quando tinha fechado 2012 com um lucro de 96,1 milhões de euros.

Na apresentação dos resultados, a última em que os órgãos de comunicação social foram convocados, Salgado admitiu a possibilidade de o BES vir a fazer um novo aumento de capital.

Com a divulgação dos resultados do BES relativos ao primeiro trimestre, marcado pelo prejuízo próximo de 90 milhões de euros é também confirmado que o banco vai mesmo avançar com um aumento de capital superior a mil milhões de euros.

E é o prospeto desse aumento de capital, publicado em maio, que, entre muitas outras informações relevantes, confirma a existência de irregularidades graves nas contas da holding Espírito Santo International (ESI).

É o dia que marca o início do fim do império da família Espírito Santo.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Rara cobra de duas cabeças e dois cérebros independentes encontrada na Florida

Uma rara cobra com duas cabeças e dois cérebros independentes foi resgatada no estado norte-americano da Florida por uma equipa de especialistas do organização Florida Fish and Wildlife Conservation Commission. Na rede social Facebook, a organização, …

Benfica 2-0 Belenenses SAD | Darwinismo rende arranque histórico

O Benfica cumpriu e venceu o Belenenses SAD por 2-0, no Estádio da Luz, na partida que encerrou a quinta jornada da Liga NOS. Foi o quinto triunfo benfiquista no campeonato em cinco partidas, o …

Uma tarefa doméstica está a poluir sorrateiramente o ambiente

O que vestimos e como lavamos as nossas roupas influencia o número de microfibras sintéticas que libertamos no meio ambiente. Há uma tarefa doméstica a poluir sorrateiramente o ambiente. Um novo artigo científico, publicado na PLOS …

A companhia aérea que faliu devido à covid-19 está de volta

A pandemia de covid-19 foi traiçoeira para muitas empresas. A Flybe, uma das primeiras vítimas, está agora a ressuscitar - e pode voltar a rasgar os céus já no próximo ano. A economia mundial foi muito …

Dormir bem antes de tomar a vacina da gripe pode ajudar a aumentar a sua eficácia

Segundo os especialistas, uma boa noite de sono pode mesmo ajudar a aumentar a eficácia da vacina da gripe, que neste ano ganha particular relevância em plena pandemia de covid-19. De acordo com Matthew Walker, autor …

Há um petroleiro abandonado há mais de uma década nas Caraíbas (e é uma "bomba-relógio")

Um navio de armazenamento de petróleo venezuelano está ancorado no Golfo de Paria, um trecho de mar fechado entre a Venezuela e a ilha de Trinidad, há mais de uma década. Antes de os Estados Unidos …

Portugal deve bater recorde de doentes em cuidados intensivos ainda esta semana

Portugal deverá ultrapassar, esta quarta-feira, o recorde de doentes em unidades de cuidados intensivos, alertou a ministra da Saúde, Marta Temido, em conferência de imprensa sobre a capacidade do Serviço Nacional de Saúde para combater …

A Budapest Eye foi restaurante por um dia (e com estrela Michelin)

Um restaurante com estrela Michelin em Budapeste, na Hungria, ofereceu aos clientes uma experiência gastronómica na famosa roda gigante Budapest Eye. Atraiçoado pela queda de faturação após o desaparecimento de turistas estrangeiros, o restaurante Costes, premiado …

Antigo ministro da Saúde Leal da Costa admite novo estado de emergência

O antigo ministro da Saúde Fernando Leal da Costa defendeu hoje que em algum momento deve ser decretado de novo o estado de emergência, para que o Governo possa tomar medidas na luta contra a …

Marcelo promulga uso obrigatório de máscara na rua por 70 dias

O Presidente da República promulgou esta segunda-feira o decreto da Assembleia da República que determina o uso obrigatório de máscara na rua, por um período de 70 dias, sempre que não seja possível cumprir o …