Governo anuncia repatriamento de portugueses no Brasil

portocomfuturo / Facebook

O Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva

O ministro dos Negócios Estrangeiros anunciou, esta quarta-feira, o repatriamento de portugueses que se encontram no Brasil e que precisam de regressar ao país por “razões humanitárias”.

A 27 de janeiro, o Governo suspendeu os voos de e para o Brasil entre os dias 29 de janeiro e 14 de fevereiro, uma medida “de último recurso” que o ministro dos Negócios Estrangeiros admitiu ser necessária tendo em conta a “situação muito difícil” que se vivia em Portugal em relação à pandemia de covid-19.

“Na altura, falei com o ministro das Relações Exteriores do Brasil, ao qual expliquei que era uma medida que tomávamos não por qualquer avaliação negativa da situação epidemiológica do Brasil, mas porque vivíamos uma situação epidemiológica muito difícil em Portugal e tínhamos de tomar medidas desta natureza última”, explicou Augusto Santos Silva, numa audição na comissão parlamentar de Assuntos Europeus, respondendo assim à questão colocada pela deputada do Bloco de Esquerda Fabíola Cardoso quanto aos pedidos de repatriamento de portugueses no estrangeiro.

Com a renovação desta suspensão, face aos números elevados de infetados, o chefe da diplomacia de Portugal revelou ter dado instruções à embaixada e aos serviços consulares portugueses no Brasil “para começarem a identificar os casos em que, por razões humanitárias, era necessário apoiar o repatriamento das pessoas”.

Até ao momento, o Ministério dos Negócios Estrangeiros já recebeu pedidos de 70 portugueses que se encontram no Brasil e que, “por razões de saúde, necessitam de regressar a Portugal”, razão pela qual Portugal está a organizar um voo de repatriamento destinado a pessoas nesta situação.

O Governo ainda está a receber indicações sobre esta matéria, acrescentou, no sentido de procurar identificar os casos que precisam desta ajuda, nomeadamente pessoas que foram de férias sem perceber a gravidade da situação epidemiológica, pessoas que não têm recursos financeiros ou que estão a passar por dificuldades de natureza familiar.

Para Santos Silva, “estas pessoas cabem numa definição lata e humanista daquilo que são razões humanitárias” e às quais o Governo procura dar resposta.

Contudo, o responsável alerta que esta ajuda não pretende “incentivar as pessoas a comportamentos que não devem ter”, recordando os episódios de maio do ano passado, quando “ainda havia pessoas na União Europeia que aproveitavam para realizar viagens de cruzeiro”, incluindo portugueses, situação que Santos Silva lamentou.

“Nós temos de desincentivar comportamentos que não podemos ter agora“, alertou, considerando as recentes mutações do vírus que têm sido identificadas no Reino Unido, África do Sul e Brasil e sobre as quais ainda não há informação suficiente.

“É essa a razão de ser da nossa suspensão de voos de e para o Reino Unido, de e para o Brasil, e temos de definir com critério, verificando como podemos apoiar, que é também nosso dever, aqueles que por razões humanitárias devem ter o seu repatriamento apoiado”, concluiu.

Um dos três países mais afetados pela pandemia no mundo, juntamente com os Estados Unidos e a Índia, o Brasil contabiliza mais de 240 mil óbitos associados à doença, enquanto os casos confirmados se aproximam dos 10 milhões.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Reunião no Infarmed. Especialistas propõem plano de quatro níveis (e a máscara cai no nível 2)

A sede da Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed), em Lisboa, voltou a acolher mais uma reunião de peritos esta terça-feira. Foi apresentada uma proposta de alteração da matriz de risco, assente em quatro níveis. Portugal não …

Mais de 11.300 suspeitas de reações adversas às vacinas registadas em Portugal

Mais de 11.300 suspeitas de reações adversas às vacinas contra a covid-19 foram registadas em Portugal e houve 68 casos de morte comunicados em idosos, mas não está demonstrada a relação causa-efeito, segundo o Infarmed. De …

Incêndios "sem precedentes" devastam Sardenha

Condições climatéricas adversas e severas, como altas temperaturas e ventos fortes, estiveram na origem dos incêndios florestais que se registaram em vários países do sul do continente europeu, como Itália, Espanha, França ou Grécia. A ilha …

Gabriel foi afastado do plantel e pode ser reforço de Rui Vitória

Jorge Jesus não conta com Gabriel para a próxima temporada e já colocou o médio a treinar à parte do plantel, acompanhado por um preparador físico. O Benfica está a trabalhar com o representante do jogador …

Governo quer reduzir para três o número de testemunhas em processos civis

O Governo quer reduzir para três o número máximo de testemunhas por cada facto que se queira ver provado em tribunal no âmbito de um processo, visando aumentar a celeridade e estabelecer um critério de …

Myanmar. Junta militar anula resultados das eleições de 2020

Militares entendem que a votação não foi "livre e justa". Anúncio da anulação das eleições de 2020 não foi acompanhado de uma data para a realização de um novo ato eleitoral — tal como seria …

Contas públicas agravam-se face a 2020. Receita fiscal volta a crescer

Ministério de João Leão atribui incumprimento à terceira vaga da economia, que significou novas restrições à circulação e nos horários dos estabelecimentos. A receita fiscal e contributiva cresceu, um sinal animador para uma recuperação económica …

Ugarte está a caminho de Alvalade, mas Amorim quer mais três reforços

O Sporting já terá garantido a contratação de Manuel Ugarte, mas Rúben Amorim ainda quer trazer mais um avançado, um extremo e um defesa-central. Depois de várias rondas de negociações, o Sporting finalmente chegou a acordo …

Marcelo começou a receber partidos. "Recuperação socioeconómica" é preocupação comum

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, começou a receber os partidos políticos com assento parlamentar esta segunda-feira. À saída do encontro com Marcelo Rebelo de Sousa, João Cotrim de Figueiredo disse que levou até …

"Não consigo aceitar": português chora depois de perder nos Jogos Olímpicos

Anri Egutidze ficou claramente desiludido por ter perdido logo no seu primeiro combate no torneio masculino de judo: "Vim para ganhar, mesmo". Anri Egutidze chegou aos Jogos Olímpicos para lutar por uma medalha no judo, categoria …