2º Comandante da Proteção Civil mandou suspender fita do tempo que registava situações críticas em Pedrógão

António Cotrim / Lusa

Quase ninguém é poupado no relatório da Comissão que avaliou as circunstâncias do trágico incêndio de Pedrógão Grande, onde morreram 64 pessoas. Da Protecção Civil ao Governo, passando pelo SIRESP e pelas autarquias, as culpas são repartidas pelos diversos responsáveis no terreno.

O relatório da Comissão Técnica Independente sobre o incêndio de Pedrógão faz alusão ao facto de o segundo comandante operacional nacional aquando do incêndio de Pedrógão Grande, Albino Tavares ter recomendado aos operadores de comunicações que não registassem mais alertas na fita do tempo.

A decisão é definida como “excepcional” pelo documento, uma vez que contraria as normas recomendadas e que dificulta o apuramento pleno da verdade sobre o que aconteceu.

“É, contudo, excecional que tenha havido uma decisão de Albino Tavares, ordenando ao chefe da sala do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Leiria que os operadores de telecomunicações não deveriam registar mais informações na fita de tempo acerca dos alertas que ali recebiam”, refere o relatório da comissão independente hoje divulgado.

Durante a audição junto da Comissão Técnica Independente, Albino Tavares justificou a sua decisão com “o excesso de informação que era produzida a partir do CDOS de Leiria”.

No entanto, os peritos consideram que este procedimento “contraria toda a doutrina instituída relacionada com o funcionamento do Sistema de Apoio à Decisão Operacional (SADO), que impõe que todas as situações críticas devem, até de forma intempestiva, ficar registadas no sistema, independentemente da determinação operacional associada”.

O relatório destaca também que “esta determinação do COS pode subtrair à fita do tempo do SADO informações que poderiam ser importantes para a compreensão dos acontecimentos na noite de 17 para 18”.

“Pode até admitir-se que, para além das falhas de comunicação provocados pela rede SIRESP, pudessem ter havido pedidos de ajuda veiculadas através de chamadas efetuadas para o Posto de Comando Operacional, mas que não teriam sido registadas. Por este motivo, as informações registadas podem ter impedido que se conheça completamente o que se passou naquele período de tempo, introduzindo uma exceção no procedimento de que deveria ter sido executado de forma inquestionável”, sustenta.

Sistema de combate a incêndios desadequado

“Não houve pré-posicionamento de forças, nem análise da evolução da situação com base na informação meteorológica disponível”, refere a Comissão, imputando responsabilidades ao Governo por não ter reagido ao alerta especial do Instituto Português de Meteorologia Atmosférica (IPMA) para a região.

Os peritos referem que “a avaliação que deve ser feita relativamente à prontidão das actividades de pré-supressão de incêndios é francamente negativa“, notando que “os postos de vigia para detecção de incêndios mais próximos da ocorrência de Pedrógão Grande não estavam ainda activos”, e que “não havia vigilância móvel armada nem pré-posicionamento de meios de combate em local estratégico, à excepção dos sapadores florestais”.

Fraco investimento na prevenção

O documento menciona também que Portugal gastou cerca de 6.585 milhões de euros nos últimos 16 anos em incêndios, mas que só 410 milhões de euros foram investidos na prevenção.

Os peritos também sustentam que a ideia de que a maior parte dos incêndios florestais tem origem criminosa é “um mito profusamente difundido pela comunicação social” e “inadvertidamente” aproveitado por alguns políticos, o que contribuiu para uma “desresponsabilização da sociedade”.

Entre as recomendações deixadas ao Governo, a Comissão aponta a necessidade de “transformação progressiva” do Sistema Nacional de Combate aos Incêndios, “aproveitando as suas virtudes e tentando colmatar os seus defeitos”. Também sugere a criação de uma Agência para a Gestão Integrada dos Fogos Rurais, constituída por unidades que actuem “até ao nível regional/distrital”.

Culpas também são apontadas aos proprietários das casas e aos municípios e entidade concessionárias das vias de comunicação por não cumprirem a legislação quanto às faixas de rede secundária.

A rede secundária inclui faixas de 50 metros em redor das edificações, faixas de 10 metros para cada lado das estradas e de 100 metros à volta dos aglomerados populacionais.

“A promiscuidade entre casas e árvores nestes aglomerados, por incúria ou falta de recursos económicos dos proprietários, cria situações de enorme risco junto às habitações. Nas vias de comunicação, as obrigações das entidades gestionárias e/ou concessionárias não tinham sido cumpridas de acordo com as determinações legais”, refere o documento.

SIRESP falhou, mas não foi o principal culpado

O relatório também se refere ao sistema de comunicações de emergência SIRESP, apontando que falhou, durante o incêndio, porque se baseia numa tecnologia “obsoleta” que precisa de ser actualizada, mas que não foi o principal responsável pela tragédia.

E até os Centros de Saúde merecem a nota de que “não estão preparados nem equipados” para dar resposta a uma tragédia como a ocorrida durante os incêndios de Junho na região Centro.

Já a GNR é ilibada de responsabilidades, nomeadamente no âmbito das vítimas da chamada “estrada da morte”.

Relatório de Pedrógão Grande arrasa Protecção Civil e não poupa o Governo

O relatório da Comissão Técnica Independente, que foi entregue no Parlamento nesta quinta-feira, realça que a tragédia de Pedrógão Grande resultou de “falha humana”, ou, na verdade, de várias falhas, a começar pelas lacunas da prevenção e terminando nos erros do comando de operações da Protecção Civil.

“As consequências catastróficas do incêndio não são alheias às opções táticas e estratégicas que foram tomadas”, refere o documento de 296 páginas, sustentando que “foi unânime a opinião” de todos os responsáveis no terreno que o posto de comando operacional (PCO) “estava permanentemente superlotado, desorganizado, desorientado, descoordenado, com autoridades políticas a intervirem também nas decisões operacionais”.

A presença excessiva de autoridades e da comunicação social junto do PCO também perturbou o combate ao incêndio, constata o relatório, apontando que entre as 22 horas de 17 de Junho e as 20:50 horas de 18 de Junho foram feitos “11 briefings operacionais” a diversas entidades que se deslocaram ao local, “o que se entende não ser razoável para o bom comando da operação em curso”.

O relatório considera também que, perante a pior e mais fatídica ocorrência no país provocada por um incêndio florestal, se “exigiria a presença dos operacionais mais qualificados, designadamente do Comandante Operacional Nacional (CONAC), que deveria ter mantido a avocação desta operação de socorro”.

“Houve subavaliação e excesso de zelo na análise da fase inicial do incêndio, que contribuíram para que o ataque inicial não conseguisse debater o avanço do fogo”, menciona ainda o documento que refere, igualmente, a inexperiência do comando no terreno.

Ministra da Administração Interna reafirma que não se demite por Pedrógão Grande

“Não vou pedir a demissão, senhor deputado”, disse Constança Urbano de Sousa ao deputado centrista Nuno Magalhães num debate no parlamento, pedido pelo PSD, sobre o relatório técnico independente sobre os incêndios de junho.

Como o PS e os partidos de esquerda, a ministra afirmou que ainda não foi possível examinar com profundidade o relatório, o que impede um “debate sério”, mas admitiu que houve falhas e que num Conselho de Ministros extraordinário, no dia 21, serão tiradas conclusões.

No debate o PSD pediu por várias vezes que o Governo peça desculpas aos portugueses sobre o que aconteceu em junho passado em Pedrógão Grande, com o CDS-PP a pedir a demissão de Constança Urbano de Sousa.

O líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, defendeu que, perante as conclusões da comissão independente aos incêndios na região centro e as declarações do primeiro-ministro, a ministra da Administração Interna “já está demitida, só não sabe quando“.

António Costa, em declarações ao jornalistas na conferência de imprensa em São Bento, disse, por sua vez, que assumiria “responsabilidades políticas, se fosse caso disso. Iremos tirar todas ilações que temos a tirar e assumiremos as responsabilidades”.

Já Marcelo Rebelo de Sousa remeteu as declarações para sábado. “O Presidente da República não fala por ter ouvido, tem de ler, e eu não tive tempo para ler“, respondeu, referindo que teve “um dia muito cheio”, mas já tem o relatório, “devidamente impresso”, com “mais de 150 páginas, fora os anexos”.

Marcelo Rebelo de Sousa disse que tenciona começar a ler o documento ainda na quinta-feira e terminar na sexta-feira, porque tem nesse dia, à noite, “um encontro com a associação dos familiares das vítimas” do incêndio de Pedrógão Grande.

“E no dia seguinte estarei a abrir um colóquio que elas organizam”, adiantou, concluindo que espera, no sábado, “estar em condições” de falar sobre o relatório.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Não foram estes senhores que tirar curso por equivalências???

    Será que so aprenderam a receber os ordenados e andaram de carros com luzes de emergência para passarem a frente de todos?

    Parece-me que sim, pois quando lhes pedem para serem competentes naquilo que sao nomeados, falham!

    Agora pergunto:
    De quem é a responsabilidade?

  2. É logico que se mandasse parar a gravação.
    Como se previa que aquilo ia ter registos em barda, há que poupar na fita !!!!
    Mera gestão de recursos !!!!

  3. Muita filosofia barata, tantos milhões e apenas uma migalha para o mais importante a prevenção!
    Mas claro a prevenção não dá tantos milhões a ganhar aos amigos!
    “Os peritos também sustentam que a ideia de que a maior parte dos incêndios florestais tem origem criminosa é “um mito profusamente difundido pela comunicação social” “ esta parte do texto é um tesouro…
    Mito, é já vi muitos incêndios começarem e muitos a horas tardias sem trovoadas, mas com vias (estradas, caminhos,… ) por perto…
    Tem de se apostar tudo na prevenção e criminalização!
    Penas mais pesadas, mais formação e tornar os nossos bombeiros de voluntários a profissionais

  4. A Lei, na sua generalidade é boa… poucos a cumprem e muitos menos a fazem cumprir!

    “A rede secundária inclui faixas de 50 metros em redor das edificações, faixas de 10 metros para cada lado das estradas e de 100 metros à volta dos aglomerados populacionais.
    “A promiscuidade entre casas e árvores nestes aglomerados, por incúria ou falta de recursos económicos dos proprietários, cria situações de enorme risco junto às habitações. Nas vias de comunicação, as obrigações das entidades gestionárias e/ou concessionárias não tinham sido cumpridas de acordo com as determinações legais”, refere o documento.”

  5. Pois é, já se sabia desde Junho que houve falhas nos comandos da Protecção Civil, por inexperiência ou incompetência, agora com o agravante da eliminação das gravações no dia fatídico.
    Que responsabilidades e consequências políticas foram assumidas? Até ao momento, nada.
    Apenas um elemento se auto-demitiu, pelo escândalo gerado com a obtenção da sua licenciatura.
    Não podemos esquecer que António Costa foi quem nomeou o Presidente da Protecção Civil, como o já tinha nomeado para os Bombeiros Sapadores de Lisboa, na altura em que era Presidente da Câmara. Onde pára a acutilância de António Costa na resposta rápida verbal que costuma ter?
    Isto faz lembrar a figura ridícula que ocorreu, em Junho de 2016, ao proteger os Secretários de Estado que aceitaram as viagens pagas pela Galp, dizendo que o problema se resolvia com o pagamento das referidas viagens e com o Manual de boas práticas para “ensinar os meninos” a não aceitarem prendas. Demorou um ano e os Secretários, ao sentirem-se apertados pela Justiça, acabaram por tomar a iniciativa de demissão.
    Mas este caso é bem mais grave, pois nele perderam a vida 64 portugueses, vítimas da não protecção que deveriam ter, como cidadãos deste País.
    Comparem com o exemplo do então Ministro Jorge Coelho, quando ruiu a ponte de Entre-os-Rios.
    E, assim, vai a Nação….

  6. Temos os Políticos que merecemos, e mais nada. Aonde para os milhões de euros doados ???
    Os meus sentimentos as Famílias lutadas

  7. Penso que este é um bom relatório e que de facto aponta diversos erros correntes, mitos e outras concepções erradas. Existem diversos problemas bem identificados:
    – a incompetência generalizada da maior parte das pessoas em lugares de comando, sem qualquer experiência de comando, sem conhecimentos técnicos específicos, o que não tem nada a ver com habilitações académicas. A competência vem da experiência, da inteligência, do bom senso, e não dos diplomas!
    – o mito generalizado que a maior parte dos incêndios são criminosos o que contribui fortemente para a desresponsabilização.
    – O total desprezo pela detecção precoce de incêndios e por uma rede adequada em meios técnicos e humanos. Um helicóptero e “um balde de água” eliminariam a maioria dos incêndios na sua fase inicial.
    – todas as “personalidades” a “correrem” para os locais de catástrofe, como se pudessem ajudar nalguma coisa. Só prejudicam o trabalho operacional (onde à partida a competência técnica não abunda!), geram “ruído”, só querem “aparecer”, e só fazem perder tempo!
    – os meios técnicos, como SIRESP e outros, completamente obsoletos, desadequados, sem manutenção, e com custos absolutamente exorbitantes.
    Enfim, com todos estes problemas será milagre quando alguma coisa corre bem!!!

RESPONDER

Há escolas fechadas neste início de ano letivo e o problema é o mesmo: falta de funcionários

No arranque do ano letivo, há escolas encerradas no país. O Governo garante que haverá novos funcionários nas escolas ainda durante o mês de setembro.  Segundo avança a Rádio Renascença na manhã desta segunda-feira, há escolas …

Maternidade Alfredo da Costa fechou Urgência este domingo. Faltam anestesistas

No dia em que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) faz 40 anos, a emblemática Maternidade Alfredo da Costa (MAC), em Lisboa, ficou com a porta da Urgência fechada durante a madrugada e toda a …

"Jojo Rabbit" vence prémio do público do Festival Internacional de Cinema de Toronto

O filme "Jojo Rabbit" venceu no domingo o prémio do público do Festival Internacional de Cinema de Toronto (TIFF), tornando-se assim um forte candidato a vencedor dos Óscares deste ano. O filme do realizador neozelandês Taika …

Dívida da Assistência na Doença aos Militares ascende a quase 95 milhões de euros

A dívida da Assistência na Doença aos Militares (ADM), gerida pelo Instituto de Ação Social das Forças Armadas (IASFA), ascende a quase 95 milhões de euros, valor que representa um aumento de 5,5% face aos …

Portugal conquista três medalhas na Taça do Mundo de ginástica acrobática

Portugal conquistou no domingo três medalhas, uma de ouro e duas de prata, no último dia da Taça do Mundo de ginástica acrobática. Esta prova antecede o Europeu, que acontecerá entre 30 de Outubro e …

"Nesta legislatura, andámos a recuperar aquilo que tinha sido destruído"

O secretário-geral do PS, António Costa, promete que, na próxima legislatura, o partido vai "fazer o avanço de que o SNS precisa". O secretário-geral do PS, António Costa, defendeu este domingo que quem quer a …

De esquiador a vencedor da Vuelta, Roglic pedalou para entrar na história

O esloveno Primoz Roglic, da Jumbo-Visma, confirmou este domingo a vitória da Volta à Espanha na sua estreia na competição. O pódio ficou completo com Alejandro Valverde e Tadej Pogacar, respetivamente. O holandês Fabio Jakobsen (Deceuninck-Quick …

CDS quer estatuto de benefícios fiscais para o interior

A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, disse hoje em Viseu que o interior deve ter um estatuto de benefícios fiscais, com reduções no IRS, no IRC ou nas portagens. "Temos uma proposta muito forte para o …

Jerónimo responde com sorriso à tese do voto útil do Bloco

O Bloco diz que o voto útil é no BE, contra a maioria absoluta. Jerónimo de Sousa, questionado sobre o que pensa da afirmação de Catarina Martins, respondeu: "Não acho nem deixo de achar. O …

No seu primeiro encontro, Boris dirá a Juncker que não vai adiar novamente o Brexit

Naquela que será a primeira vez que Boris Jonhson e Jean-Claude Juncker se encontram, o primeiro-ministro britânico vai defender que o Reino Unido não está preparado para adiar mais uma vez o Brexit. Boris Johnson prepara-se …