Há mais quatro deputados que vivem em Lisboa e cobram subsídios

Mário Cruz / Lusa

O parecer da Subcomissão de Ética deverá recomendar ao Parlamento que reduza o valor atribuído aos deputados ou que passe a comprar os bilhetes diretamente.

A Subcomissão de Ética do Parlamento vai encomendar à Assembleia da República que diminua o montante pago por semana aos deputados eleitos pelas regiões autónomas para ajuda nas deslocações (que atualmente se fixa nos 500 euros semanais), ou então que passe a pagar diretamente os bilhetes de avião dos parlamentares.

De acordo com o Público, este é o princípio em que se baseia o esboço do parecer do presidente da Subcomissão de Ética, Luís Marques Guedes, que até esta sexta-feira de manhã irá receber os contributos dos vários partidos.

O parecer foi pedido pelo presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, e será aprovado numa reunião da Subcomissão de Ética esta manhã. No entanto, Marques Guedes disse ao jornal que não tornará públicas as conclusões do documento. Caberá ao presidente do Parlamento fazê-lo, se assim entender.

Marques Guedes recusou divulgar as recomendações que constam no parecer, mas o jornal avança que o documento se baseia no princípio de que algo tem de mudar no regime de despesa com o transporte dos deputados que vivem nas ilhas.

Assim, uma das soluções colocadas em cima da mesa é a redução do subsídio de 500 euros semanais, pago caso os deputados marquem presença no Parlamento nessa semana. Outra das alterações implica um investimento nos serviços da Assembleia, já que estes passariam a ter que assegurar a marcação das viagens dos deputados.

Esta última solução não agrada a alguns deputados, na medida em que os serviços ficariam a saber o horário das deslocações dos parlamentares.

Deputados cobram subsídios mesmo vivendo em Lisboa

Uma investigação, divulgada esta quinta-feira pela RTP, comprovou que há deputados que, mesmo com casa própria na capital, declaram moradas fora, recebendo subsídios de alimentação, alojamento e deslocação mais avultados.

Elza Soares, deputada do PS, vive a apenas 500 metros da Assembleia da República, mas declarou como morada uma casa em Mangualde, no distrito de Viseu. Mensalmente, a deputada tem direito a receber 2.109 euros em subsídios da Assembleia: 1.245,42 euros em ajudas de custo e 864 euros em despesas de deslocação. Caso declarasse a morada de Lisboa, receberia apenas 422,82 euros.

À RTP, a deputada socialista explicou que reside “entre Mangualde e Lisboa há muitos anos. Tenho a minha mãe, com 95 anos, que apoio em todos os fins-de-semana que tenho livres. Portanto, todos os fins-de-semana que tenho livres estou em Mangualde. Enquanto ela for viva a minha residência será ao pé dela. Claro que tenho casa em Lisboa, claro que tenho casa no Algarve”, afirmou.

Duarte Pacheco, do PSD, apesar de viver em Lisboa, apresentou à Assembleia como morada de residência uma casa em Sobral de Monte Agraço. Recebe 1.245,42 em ajudas de custo, mas caso apresentasse a morada real, receberia 544,50 euros. “As pessoas têm a casa fiscal, de família, e quando vêm a Lisboa precisam de dormir em algum lado”, disse.

Heitor Sousa, do Bloco de Esquerda, tem casa própria em Lisboa há 11 anos, mas declarou como morada uma residência em Leiria. Recebe 1.245,42 de ajudas de custo, mas receberia 533, 70 caso declarasse a morada de Lisboa.

No entanto, o bloquista considera legítimo. “A utilização da residência em Leiria é para efeitos de trabalho político. Quando cheguei a deputado disseram-me que, tendo residência em Leiria, teria possibilidade de obter um subsídio que permitisse cobrir essa despesa. Foi isso que fiz. Não constitui nenhuma ilegalidade”, garantiu à RTP.

Por fim, a deputada social-democrata, Clara Marques Mendes, que tem casa própria em Oeiras mas declarou à Assembleia que vive em Fafe. Recebe mensalmente 2.334,34, mas caso declarasse a morada na capital receberia apenas 596,34.

“A minha morada é Fafe, sempre foi e continua a ser. É onde vou todos os fins-de-semana. A minha situação aqui, na Assembleia, não mudou nada desde o primeiro dia até agora. Portanto, apenas – em vez de renda – pago um empréstimo ao banco”, justificou.

ZAP //

PARTILHAR

11 COMENTÁRIOS

  1. Eu e muitos portugueses acharão isto verdadeiramente atentório, oportunista e sei lá que mais. Urge acabar de vez com isto: Nenhum professor, por exemplo, deslocado a centenas de quilómetros de casa recebe qualquer ajuda. Só a título de exemplo. E há mais profissões com salários também inferiores a estes dos senhores deputados que nada recebem para ir trabalhar fora de casa. Chegou o tempo de denunciar, de todas as formas, sete vil oportunismo, sancionado pela própria AR e respeitar os cidadãos.

  2. Há noticias que me indignam, mas reservo-me a comentar tal sentimento em área mais restritas, que não aqui… Contudo esta questão da atribuição de subsídios por viver fora de Lisboa, é de alguma maneira escandalosa, já que se consubstancia na mentira!
    Pois eu, em virtude da carreira profissional que detinha, ter sido extinta, em resultado do PRACE, trabalho desde então em Lisboa e já lá vão 10 anos, auferindo um vencimento rigorosamente igual ao que receberia se trabalhasse em Coimbra, onde resido oficialmente com a Família. É para lá que me desloco todos os fins de semana para estar com a minha Família e que me desloquei, por vezes sabe Deus em que aflição, face ao estado grave de saúde de alguns familiares, que ainda longe dos mesmos, lhes prestei e assegurei os maiores cuidados até ao momento da sua partida.
    Em Lisboa, na impossibilidade de ir e vir todos os dias, arrendei uma casa.
    Logo no inicio de todo este processo, perguntei junto do meu serviço de RH, se havia algum beneficio para esta deslocação, já que a fazia semanalmente, tendo sido informado que havia mas não era para mim… Excelente!!! Eu não gozo, no desempenho das minhas funções publicas, das prorrogativas que gozam e usufruem os Senhores Deputados! Isto porque o meu trabalho é menos publico…. ou falamos de Estados diferentes!!!!…
    Mas admitindo que assim é… (que não é…) alguns Deputados beneficiam deste subsidio, arquitetando mil e um esquema para o efeito, o que em minha opinião é verdadeiramente ridículo, vergonhoso, porque dispõem de outros instrumentos que qualquer outro trabalhador em funções publicas, não dispõe!!!! Pois nem sequer me refiro a vencimentos, mas outras “mordomias” que lhes são próprias (ou não!!!), e que já nem vale a pena referi-las!!! è lamentável!!! Esses benefícios devem-lhes ser retirados, a favor do INTERESSE PUBLICO.

    • O que escreveu vem confirmar que em Portugal não se pode ser honesto. A mentira e o oportunismo em proveito próprio, é o exemplo que o Governo procura incentivar, entre aqueles que são da sua laia. Ter Dignidade, é sempre um bem a ser apreciado. Infelizmente desconhecida por muita gente. Saudações.

  3. um deputado ja ganha bem por isso pode pagar do bolso dele
    ha pessoas que ganham menos e conseguem pagar renda de casa
    acabando com esta chulice podia ser que conseguissem reduzir o nº de deputados
    eles por causa dos tacho, mudam de residencia e assim comcorrem pelo local em que residem.
    como ninguem quer perder o tacho, arranja todasd as artimanhas par “roubar” dinheiro aos cofres do estado.

  4. O Sr. Jornalista vai por favor fazer um pequeno favor aos leitores. A saber:

    1º Fazer e publicar uma lista dos deputados que não recebem esses subsidios.

    2º Saber e informar quando foi aprovada a lei que ditou estes subsidios. E já agora quais os partidos que votaram a favor e contra.

    3º Saber e publicar quem foi o redactor do Dec. Lei e em que data.

    Espero não pedir demais.

  5. Concordo plenamente Sr. José Magalhães! Eu vou fazer o mesmo!
    Mas este benefício existe, mas não é para todos, como para todos não sao outros beneficios, que se revestiam de direitos, retirados com a justificação da Implementação da Qualidade o que é uma falsa questão, já que tal perda visou tão somente arrecadar uns dinheiros com os vencimentos até aqui auferidos. E já agora refiro-me ao embuste do processo de avaliação: – SIADAP, o qual tb previa e prevê a avaliação extraordinária, assente em pressupostos, que até aqui só agora dizem respeito a uma minoria, que são os escolhidos para gabinetes, embaixadas, missões, etc! Pois anteriormente assim não era! Os requisitos agora destinam-se apenas aos “escolhidos” e não aos que efetivamente têm qualidade e quantidade de trabalho exercido! Enfim… é o Estado e o mau estado das coisas! É o que temos!

  6. Ao Heitor Sousa perguntaram: “Pá tens aqui está oportunidade de receber um subsídio. Não queres aproveitar?” Ao que ele respondeu: “Boa, obrigado, se tenho direito e é legal mete aí Leiria”. É o que se depreende da leitura da notícia.

  7. É tudo legal!!!!
    Mas é legal porque a lei foi feita “à medida”…. por eles próprios…
    Atãonaviadesser????

RESPONDER

Museu de Nova Iorque devolve ao Egito "caixão dourado" roubado em 2011

O Museu Metropolitan (MET) de Nova Iorque vai devolver ao Egito um sarcófago roubado em 2011, durante as manifestações da chamada "Primavera Árabe", anunciou este domingo a instituição nova-iorquina. Construído em ouro para o sacerdote Nedjemankh, …

Quase um terço da população chinesa terá mais de 65 anos em 2050

Trinta por cento da população chinesa terá mais de 65 anos, dentro de três décadas, informou hoje um jornal chinês, ilustrando o rápido envelhecimento do país, apesar de ter abolido a política de filho único. “O …

Trump pede à Europa que julgue os seus "jihadistas" (ou os EUA terão de os libertar)

O presidente dos Estados Unidos apelou aos países europeus, nomeadamente o Reino Unido, a França e a Alemanha, para repatriarem e julgarem os seus combatentes do Estado Islâmico feitos prisioneiros na Síria. Caso contrário, aponta …

Depois de 11 mortes e 1800 condenações, franceses querem o fim dos Coletes Amarelos

A maioria dos franceses defende que devem parar os protestos nas ruas dos “coletes amarelos”, três meses após o início das primeiras manifestações que fizeram 11 vítimas mortais, noticia esta segunda-feira a agência France Presse. Uma …

Uma tese de doutoramento levou Marcelo à capa do El País

A tese de doutoramento sobre Marcelo Rebelo de Sousa é de autoria de uma professora universitária e jornalista da RTP. O tema já chegou ao jornal espanhol El País. O jornal percorre as provas de popularidade …

Seguros de saúde sobem para 2,6 milhões com crise no SNS

No primeiro semestre de 2018 o número de contratos de seguros de saúde aumentou 3%, em termos homólogos, para 2,6 milhões, escreve esta segunda-feira o Jornal de Notícias na sua edição impressa. Os dados, da Autoridade …

PSP usa critérios étnicos para avaliar risco de bairros problemáticos

Apesar de a recolha de dados étnico-raciais não ser permitida em Portugal, a PSP utiliza ainda critérios étnicos na avaliação do grau de risco de zonas urbanas sensíveis (ZUS), avança o jornal Público esta segunda-feira. Segundo …

Pyongyang fala em “momento decisivo” em vésperas de nova cimeira com Washington

O principal diário norte-coreano, Rodong Sinmun, escreve esta segunda-feira que o país enfrenta "um momento decisivo", em termos de desenvolvimento económico, a pouco mais de uma semana da cimeira entre o líder norte-coreano e dos …

OCDE quer tribunais especiais para julgar a corrupção

Portugal precisa de fortalecer os mecanismos de prevenção da corrupção, defende a OCDE, que sugere a criação de tribunais especializados e a redução das possibilidades de recurso dos arguidos.  O retrato da análise da corrupção …

Costa "está a colocar todos os potenciais sucessores no palco”

No seu habitual espaço de comentário político semanal na SIC, Luís Marques Mendes falou sobre as recentes alterações no Governo, a moção de censura do CDS que "não faz sentido" e a "crise anunciada" da …