São vários os países que querem a Sputnik V (mas isso pode ser um problema para a Rússia)

A procura externa pela vacina Sputnik V não pára de aumentar, mas a estratégia de espalhar a produção pelo mundo está a ser um problema para a Rússia.

A Sputnik V, vacina russa contra a covid-19 com eficácia de 91,6%, tem surpreendido o mundo inteiro. Segundo o Expresso, já são mais de 50 os países que querem a vacina, mas a elevada procura está a começar a causar problemas na distribuição.

Como a Rússia tem uma capacidade limitada para produzir a Sputnik V, o Russian Direct Investment Fund (RDIF), o fundo estatal que controla a distribuição da vacina, está a procurar fechar acordos com países onde a indústria farmacêutica está mais desenvolvida.

Nos acordos, estão incluídas cláusulas que permitem à Rússia receber milhões de doses da sua própria vacina.

O Financial Times avança que o RDIF assinou contratos de produção com 15 empresas em dez países diferentes, num total de 1.4 mil milhões de doses. Alguns dos países – como a China, a Índia ou a Coreia do Sul – vão produzir a Sputnik V para exportá-la, enquanto outros – como o Brasil e a Sérvia – terão de se preocupar apenas com o mercado interno.

Esta solução “resolve o problema da produção em larga escala, ao mesmo tempo que oferece disponibilidade local”, exclareceu Cyrillic Dmitriev, responsável da RDIF.

Ainda assim, a solução não é perfeita, uma vez que a vacina fica assim à mercê de uma “vasta rede” de “empresas privadas subcontratadas”, o que poderá tornar o processo mais lento. Algumas empresas garantiram ao Financial Times que vão demorar meses até conseguirem produzir a Sputnik V na máxima força.

As fábricas no Brasil e na Índia são responsáveis por produzir mais de metade das doses previstas pelo RDIF, mas adiantaram ao matutino que a produção dessas doses ainda nem começou.

Outro exemplo é a GL Rapha, a fabricante sul-coreana dedicada apenas à exportação, que admitiu não ter capacidade para cumprir o acordo que fez com o RDIF – 150 milhões de doses num ano. Face à incapacidade, viu-se obrigada a subcontratar a produção a outra empresa, além de já ter expandido as suas próprias instalações.

ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. A Europa poderia facilmente produzir sob licença a Sputnik V, permitindo-nos evitar vacinas pouco seguras, como as da Pfizer e da Moderna. Mas a Europa – tal como o Gouveia, aqui em cima – ainda trata de questões de saúde pública com uma mentalidade de guerra fria.

      • Dado o estúpido boicote feito a tudo o que é russo, é a maneira da Rússia conseguir a aceitação global de um medicamento seu, de alta qualidade. Uma vez essa aceitação conseguida, e a produção da Sputnik V iniciada no estrangeiro, já será possível destinar aos russos a produção doméstica. Parece estranho mas somos nós que os obrigamos a este processo.

RESPONDER

Ex-CEO da Groundforce admite hipótese de comprar a empresa

O ex-CEO da Groundforce, afastado do cargo em abril por "violação grave dos deveres de lealdade", não exclui a hipótese de vir a comprar a empresa de handling. Em declarações ao jornal online ECO, Paulo Neto …

Viatura onde seguia Eduardo Cabrita atropela uma pessoa na A6

Esta sexta-feira, um homem morreu após ter sido atropelado pelo automóvel em que seguia o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, num acidente na autoestrada A6. Numa nota enviada às redações, o Ministério da Administração Interna …

Portugal com mais 1.298 casos e quatro mortes

Esta sexta-feira, Portugal registou 1.298 novos casos e quatro mortes na sequência da infeção por covid-19. Segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), foram registados, nas últimas 24 horas, mais 1.298 casos e …

Parlamento aprova prorrogação das moratórias bancárias até final do ano

O alargamento aplica-se aos "particulares e para as empresas que desenvolvem a sua atividade em setores especialmente afetados pela pandemia de covid-19". O Parlamento aprovou, esta sexta-feira ,a prorrogação e alargamento das moratórias bancárias, que terminavam …

Tribunal belga obriga AstraZeneca a entregar 50 mihões de doses de vacina à UE

A AstraZeneca vai ter que entregar 50 milhões de doses da vacina para a covid-19 à União Europeia. A entrega deve ser efetuada até 27 de setembro. A justiça belga ordenou, esta sexta-feira, à farmacêutica …

"Dois terços dos problemas estão na Área Metropolitana de Lisboa", justifica Costa

O primeiro-ministro, António Costa, justificou esta sexta-feira a necessidade de tomar medidas localizadas em Lisboa para evitar que o agravamento da situação epidemiológica se alastre.  Em Bruges, na Bélgica, à margem da sessão de encerramento do …

CDS critica “enorme infelicidade” do Presidente e "comunicação desastrosa" do Governo

O CDS-PP criticou hoje as declarações do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, quando disse que no que depender dele não haverá "volta atrás" no desconfinamento, considerando-as de “uma enorme infelicidade”, lamentando também a …

Astronautas entraram pela primeira vez na nova estação espacial chinesa

Três astronautas chineses começaram, esta sexta-feira, a fazer da nova estação espacial da China o seu lar, um dia depois de ali terem chegado, num lançamento bem-sucedido, que marcou um novo avanço no ambicioso programa …

Homicida de Bruno Candé tinha plena consciência dos seus atos. MP quer 22 anos de prisão

Evaristo Marinho, o homicida de Bruno Candé, tinha plena consciência dos seus atos quando cometeu o crime, lê-se no relatório do Instituto Nacional de Medicina Legal. O Ministério Público quer 22 anos de prisão. O Ministério …

Pandemia deixa dezenas de bebés por registar, o que pode "potenciar o tráfico humano"

O encerramento do balcão "Nascer Cidadão", durante a fase mais crítica da pandemia, impediu o registo de bebés nascidos nessa altura. Citando fontes do Hospital de Faro, a rádio TSF avança que as campainhas de alarme …