“Quem quiser inventar um exército europeu, tem de inventar dinheiro para o pagar”

Manuel de Almeida / Lusa

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho

O ministro da Defesa português disse esta quarta-feira, em Paris, desconhecer qualquer iniciativa para desenvolver um exército europeu, referindo que quem o quiser inventar “tem de inventar dinheiro para o pagar”.

“Portugal foi claro quando aderiu à PESC [Política Externa e de Segurança Comum] por não ser um embrião de um exército europeu. Continua a ser essa a nossa posição e não temos conhecimento da constituição de nenhum exército europeu”, disse à Lusa o ministro da Defesa Nacional, à margem da primeira reunião com os seus homólogos de dez países sobre a Iniciativa Europeia de Intervenção.

“Nós hoje sublinhámos que entendemos que esta Iniciativa [Europeia de Intervenção] não conduzirá a um exército europeu e queremos que seja claro que não há pretensão desse tipo”, garantiu João Gomes Cravinho, referindo que a própria ministra da Defesa francesa, Florence Parly, que lidera esta iniciativa, a considerou como um complemento ao que já é feito na NATO e na União Europeia através de diferentes mecanismos.

A Iniciativa Europeia de Intervenção é liderada pela França, tendo como missão criar uma cultura partilhada de defesa, desenvolver o pragmatismo operacional e a cooperação entre Alemanha, Bélgica, Dinamarca, Espanha, Estónia, Finlândia, França, Países Baixos, Portugal e Reino Unido.

Quanto aos possíveis custos de um exército europeu, o ministro referiu apenas que “quem quiser inventar um exército europeu, tem de inventar dinheiro para o pagar”.

João Gomes Cravinho reconheceu, no entanto, que o panorama geoestratégico está a mudar e que Portugal está interessado em todas as iniciativas de Defesa que tenham “a ver com a Europa, o Atlântico e África”.

“Nós temos uma geografia própria e isso faz com que estejamos interessados em tudo o que tenha a ver com Europa, Atlântico e África“, declarou, ampliando as possibilidades de cooperação num momento em que os Estados Unidos da América estão a recuar no âmbito da Defesa.

Segundo João Gomes Cravinho, “os Estados Unidos têm exortado os europeus a assumir mais responsabilidade na sua própria defesa”.

“Estamos a participar em processos dentro da NATO e União Europeia que correspondem a essa ambição, mas também há circunstâncias interessantes fora da NATO, como, por exemplo, nas Nações Unidas, concretamente na missão na República Centro-Africana”.

Na terça-feira, o Presidente francês, Emmanuel Macron, defendeu a criação de um exército comum europeu argumentando que “será a única forma” de o bloco se proteger de ameaças, sobretudo de Leste.

“Não poderemos proteger os europeus se não decidirmos ter um verdadeiro exército europeu. Face à Rússia, que está junto às nossas fronteiras e que já mostrou que pode ser uma ameaça (…) nós devemos ter uma Europa que se defende sem depender unicamente dos Estados Unidos e de uma forma soberana”, disse Macron em entrevista.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

No dia anterior à derrocada houve explosões na pedreira de Borba

Um dos sobreviventes da derrocada, que em novembro do ano passado matou cinco pessoas em Borba, garante que na véspera da tragédia "houve explosões e fogo" no fundo da pedreira. Um dos sobreviventes da derrocada de …

As vaquitas estão extinguir-se à nossa frente. Já só há 10 em todo o mundo

A vaquita marinha, o cetáceo mais pequeno do mundo, está à beira da extinção, havendo apenas cerca de dez criaturas vivas, segundo cientistas. O ser humano é o principal responsável pelo seu contínuo desaparecimento. As vaquitas …

A Ciência descobriu quando nasceu Deus

A ideia de um deus todo-poderoso que vigia os humanos a partir do Céu e pune os que se desviam da norma surgiu depois que estes trocaram a tribo pela sociedade. Essa é a principal conclusão …

Famílias numerosas queixam-se de disparidades no preço da água consumida

A Associação Portuguesa das Famílias Numerosas queixou-se da diferença no preço da água consumida consoante o município onde se vive e o número de pessoas do agregado familiar. Na quarta edição do estudo sobre a água …

Costa condiciona extensão do Brexit para além de 23 de maio à aprovação do acordo

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu esta quinta-feira que uma extensão do Brexit para além de 23 de maio implica a ratificação do Acordo de Saída pelo Parlamento britânico ou a realização de eleições europeias no …

Ter avós, tios ou primos com Alzheimer influencia risco de desenvolver a doença

Ter avós, tios ou primos com Alzheimer aumenta a probabilidade de desenvolver a doença, concluiu um estudo recente que avaliou a história familiar de mais de 280 mil pessoas. Na última década, vários estudos indicaram a …

Marcelo Rebelo de Sousa promulgou a nova lei da paridade (mas com alguns parêntesis)

O Presidente da República promulgou a nova Lei da Paridade. A lei estabelece que as listas para a Assembleia da República, para o Parlamento Europeu e para as autarquias locais têm de assegurar a representação …

Cientistas descobrem o que provocou três eras glaciais na Terra

Cientistas estadunidenses calcularam que um evento geológico repetido deu origem às três últimas eras glaciais no nosso planeta, a última das quais ainda mantém o seu gelo nas regiões polares. Segundo a revista Science, a responsável …

A Terra pode guardar um Oumuamua no seu interior

Uma parte da terra que pisamos poderia vir, literalmente, de outras regiões da galáxia - áreas muito distantes do local onde o planeta está localizado e que para chegar até aqui teriam que viajar anos-luz …

Há um planeta mais próximo da Terra do que Vénus

A partir do Sol, a ordem dos primeiros planetas começa com Mercúrio, depois Vénus e depois a Terra. Então, Vénus é o planeta mais próximo do nosso? A resposta é: depende. Uma equipa de cientistas acaba …