Protestos anti-governo no Irão já fizeram pelo menos 20 mortos

STR / EPA

450 detidos e 20 mortos é o saldo dos protestos anti-governo que se têm feito sentir no Irão há cinco dias. Teerão já avisou os manifestante que serão eles a pagar a “fatura” das manifestações.

Segundo a televisão estatal iraniana, nove vítimas mortais na segunda-feira à noite durante os protestos anti-governo eleva para 20 o total de vítimas mortais.

O balanço é provisório, mas entre estas vítimas estarão um rapaz de 11 anos e um membro da guarda revolucionária do Irão. Além disso, 450 pessoas foram detidas na sequência dos violentos protestos que invadiram as ruas iranianas durante os últimos cinco dias.

Estas estão a ser consideradas as piores manifestações dos últimos nove anos e já provocaram o arranque anual mais forte no preço do petróleo desde 2014.

Os fortes protestos começaram com o aumento dos preços e o desemprego, mas evoluíram para a contestação do regime de Rouhani e mesmo do líder religioso iraniano Ayatollah Ali Khamenei.

O Observador conta ainda que as forças de segurança do Estado conseguiram impedir que “manifestantes armados” tomassem de assalto esquadras de polícia e bases militares. Houve também ataques a edifícios estatais e bancos.

Em resposta aos protestos, o governo iraniano avisou os manifestantes que serão eles a “pagar o preço”. “Aqueles que destroem a propriedade pública, criam desordem e agem ilegalmente devem responder pelas suas ações e pagar o preço. Agiremos contra a violência”, afirmou o ministro do Interior iraniano, Abdolreza Rahmani Fazli no domingo.

O regime de Rouhani reconhece o direito à manifestação, mas lembrou que “o Governo não vai ter qualquer tolerânia para com os que danifiquem a propriedade pública, violem a ordem pública e provoquem alarme social”. No entanto, o governo respondeu a uma das reivindicações iniciais e deixou cair o aumento do preço dos combustíveis.

EUA e Israel do lado dos manifestantes

“O Irão está a falhar a todos os níveis, apesar do mau acordo celebrado com a administração Obama. O grande povo do Irão foi reprimido. Eles têm fome de alimentos e de liberdade. A grande riqueza do Irão é confiscada, tal como os direitos humanos, é tempo de mudança”, disse Donald Trump, através do Twitter.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, por sua vez, optou por falar através de um vídeo no Youtube, no qual responde às acusações do parlamento iraniano, que diz que este fomentou os incidentes.

O primeiro-ministro israelita disse que os manifestantes são “bravos” e “heroicos”, destacando a luta “pelas liberdades básicas que lhes foram negadas durante décadas”.

Benjamin Netanyahu criticou a resposta do regime iraniano aos protestos, bem como os governos europeus por “observarem em silêncio” as manifestações, à medida que a violência cresce.

O parlamento iraniano acusou Israel, os Estados Unidos e a Arábia Saudita de fomentarem os distúrbios ocorridos nas manifestações contra a política económica do governo. A assembleia iraniana realizou uma sessão extraordinária para avaliar a situação do país, na sequência dos protestos dos últimos dias.

Citado pela agência EFE, o porta-voz da comissão de Segurança Nacional e Política Externa, Naqaví Hoseiní, disse que “o povo do Irão não tolera que um grupo perturbe a ordem pública e cause danos”.

União Europeia espera respeito pelo direito de manifestação no Irão

“Esperamos que o direito a manifestar-se pacificamente e de liberdade de expressão no Irão sejam garantidos depois das últimas declarações públicas do Presidente Rohani”, disse à Efe uma porta-voz de Federica Mogherini, chefe da diplomacia da União Europeia.

Rohani pediu calma e restringiu a atividade nas redes sociais para tentar conter protestos, numa altura em que foram detidas 300 pessoas.

A porta-voz afirmou que os serviços liderados por Federica Mogherini estão a acompanhar “as manifestações de cidadãos iranianos nos últimos dias” e que estão “em contacto com as autoridades” do Irão. “Continuaremos a acompanhar os acontecimentos”, acrescentou.

Hasan Rohani afirmou hoje que os inimigos do Irão incitaram certos grupos a promover incidentes porque não toleram os “êxitos” que Teerão obteve no acordo nuclear assinado em julho de 2015 com seis potências internacionais, bem como as medidas contra o terrorismo na região.

O presidente iraniano reiterou o direito do povo de criticar e protestar, mas afirmou que é preciso “eleger a maneira e a via legal para expressar-se“.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Esta ocorrência cheira mal. Não me admirarei se Trump e a sua corja estiverem, uma vez mais, a actuar nos bastidores da contenda.

RESPONDER

Parker Solar Probe lança nova luz sobre o Sol

Em agosto de 2018, a Parker Solar Probe da NASA foi lançada para o espaço, tornando-se pouco tempo depois a sonda mais próxima do Sol. Com instrumentos científicos de ponta para medir o ambiente em …

Encontrado no mar das Malvinas navio alemão da I Guerra Mundial 105 anos depois de naufragar

O naufrágio de um cruzador alemão da I Guerra Mundial foi identificado nas Ilhas Malvinas, onde foi afundado pela Marinha britânica há 105 anos. O SMS Scharnhorst foi o principal ativo da esquadra alemã na Ásia …

Boavista 1-4 Benfica | Águia goleia no xadrez do Bessa

O Benfica deu o pontapé de saída da 13ª jornada com uma vitória competente na visita ao Boavista, por 4-1. Num jogo potencialmente perigoso para as aspirações “encarnadas”, frente a um adversário com somente uma derrota …

Cientistas desenvolvem técnica para determinar o humor através da caligrafia

Uma equipa de cientistas estudou a biomecânica dos movimentos das mãos a escrever e a desenhar, e desenvolveu um método para avaliar as propriedades individuais da velocidade de escrita e da pressão do lápis no …

Quase seis mil denúncias de agressões sexuais em viagens da Uber nos EUA

A plataforma de transporte de passageiros Uber divulgou na quinta-feira um relatório, revelando quase seis mil denúncias de agressões sexuais a utilizadores, motoristas e terceiros nos Estados Unidos (EUA), em 2017 e 2018. No relatório de …

Polícia de Los Angeles vai usar dispositivo "ao estilo Batman" para prender suspeitos

A polícia de Los Angeles, nos Estados Unidos, vai adotar, no início do próximo ano, um novo dispositivo, conhecido como BolaWrap 100, que dispara um cinto de fibra sintética a uma velocidade de 200 metros …

Corriere dello Sport defende-se das acusações e garante ser "inimigo do racismo"

O jornal desportivo italiano Corriere dello Sport afirmou esta sexta-feira ser “inimigo do racismo”, defendendo-se das críticas motivadas pela manchete de quinta-feira, com o título “Black Friday” e ilustrada com os futebolistas negros Romelu Lukaku …

Alisadores e tintas para cabelo podem aumentar o risco de cancro da mama

Alisadores e tintas para cabelo são dois produtos comummente utilizados por mulheres. Um novo estudo sugere que estes podem aumentar o risco de cancro da mama, especialmente em mulheres negras. Muitos produtos capilares contêm compostos que …

Black Friday. Marca de cosméticos oferece por engano desconto de 96% e perde 10 milhões em duas horas

Uma falha no site oficial da marca de produtos cosméticos Foreo fez com que o seu artigo mais caro fosse vendido com um desconto de 96%, fazendo com que a empresa sueca perdesse 10 milhões …

Camisola usada por Pelé no seu último jogo foi vendida por 30 mil euros em leilão

Uma camisola usada por Pelé no seu último jogo com a seleção brasileira foi vendida por 30 mil euros num prestigiado leilão de objetos desportivos, realizado na quinta-feira em Turim, Itália. A camisola com o número …