Protestos anti-governo no Irão já fizeram pelo menos 20 mortos

STR / EPA

450 detidos e 20 mortos é o saldo dos protestos anti-governo que se têm feito sentir no Irão há cinco dias. Teerão já avisou os manifestante que serão eles a pagar a “fatura” das manifestações.

Segundo a televisão estatal iraniana, nove vítimas mortais na segunda-feira à noite durante os protestos anti-governo eleva para 20 o total de vítimas mortais.

O balanço é provisório, mas entre estas vítimas estarão um rapaz de 11 anos e um membro da guarda revolucionária do Irão. Além disso, 450 pessoas foram detidas na sequência dos violentos protestos que invadiram as ruas iranianas durante os últimos cinco dias.

Estas estão a ser consideradas as piores manifestações dos últimos nove anos e já provocaram o arranque anual mais forte no preço do petróleo desde 2014.

Os fortes protestos começaram com o aumento dos preços e o desemprego, mas evoluíram para a contestação do regime de Rouhani e mesmo do líder religioso iraniano Ayatollah Ali Khamenei.

O Observador conta ainda que as forças de segurança do Estado conseguiram impedir que “manifestantes armados” tomassem de assalto esquadras de polícia e bases militares. Houve também ataques a edifícios estatais e bancos.

Em resposta aos protestos, o governo iraniano avisou os manifestantes que serão eles a “pagar o preço”. “Aqueles que destroem a propriedade pública, criam desordem e agem ilegalmente devem responder pelas suas ações e pagar o preço. Agiremos contra a violência”, afirmou o ministro do Interior iraniano, Abdolreza Rahmani Fazli no domingo.

O regime de Rouhani reconhece o direito à manifestação, mas lembrou que “o Governo não vai ter qualquer tolerânia para com os que danifiquem a propriedade pública, violem a ordem pública e provoquem alarme social”. No entanto, o governo respondeu a uma das reivindicações iniciais e deixou cair o aumento do preço dos combustíveis.

EUA e Israel do lado dos manifestantes

“O Irão está a falhar a todos os níveis, apesar do mau acordo celebrado com a administração Obama. O grande povo do Irão foi reprimido. Eles têm fome de alimentos e de liberdade. A grande riqueza do Irão é confiscada, tal como os direitos humanos, é tempo de mudança”, disse Donald Trump, através do Twitter.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, por sua vez, optou por falar através de um vídeo no Youtube, no qual responde às acusações do parlamento iraniano, que diz que este fomentou os incidentes.

O primeiro-ministro israelita disse que os manifestantes são “bravos” e “heroicos”, destacando a luta “pelas liberdades básicas que lhes foram negadas durante décadas”.

Benjamin Netanyahu criticou a resposta do regime iraniano aos protestos, bem como os governos europeus por “observarem em silêncio” as manifestações, à medida que a violência cresce.

O parlamento iraniano acusou Israel, os Estados Unidos e a Arábia Saudita de fomentarem os distúrbios ocorridos nas manifestações contra a política económica do governo. A assembleia iraniana realizou uma sessão extraordinária para avaliar a situação do país, na sequência dos protestos dos últimos dias.

Citado pela agência EFE, o porta-voz da comissão de Segurança Nacional e Política Externa, Naqaví Hoseiní, disse que “o povo do Irão não tolera que um grupo perturbe a ordem pública e cause danos”.

União Europeia espera respeito pelo direito de manifestação no Irão

“Esperamos que o direito a manifestar-se pacificamente e de liberdade de expressão no Irão sejam garantidos depois das últimas declarações públicas do Presidente Rohani”, disse à Efe uma porta-voz de Federica Mogherini, chefe da diplomacia da União Europeia.

Rohani pediu calma e restringiu a atividade nas redes sociais para tentar conter protestos, numa altura em que foram detidas 300 pessoas.

A porta-voz afirmou que os serviços liderados por Federica Mogherini estão a acompanhar “as manifestações de cidadãos iranianos nos últimos dias” e que estão “em contacto com as autoridades” do Irão. “Continuaremos a acompanhar os acontecimentos”, acrescentou.

Hasan Rohani afirmou hoje que os inimigos do Irão incitaram certos grupos a promover incidentes porque não toleram os “êxitos” que Teerão obteve no acordo nuclear assinado em julho de 2015 com seis potências internacionais, bem como as medidas contra o terrorismo na região.

O presidente iraniano reiterou o direito do povo de criticar e protestar, mas afirmou que é preciso “eleger a maneira e a via legal para expressar-se“.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Esta ocorrência cheira mal. Não me admirarei se Trump e a sua corja estiverem, uma vez mais, a actuar nos bastidores da contenda.

RESPONDER

Concelho de Portalegre registou o seu primeiro caso (e revela "segredo" para combater pandemia)

Um comportamento recatado e os habitantes sempre alerta com "o bicho" são apontados como os "segredos" que têm "protegido" Fronteira (Portalegre) da covid-19, que só esta semana registou o primeiro infetado desde o início da …

Rio de Janeiro vai ter "réveillon" com espetáculos e fogo de artifício (mas sem público)

O Rio de Janeiro encerrará 2020 com espetáculos e concertos ao vivo em seis palcos montados na cidade brasileira, mas aos quais o público não terá acesso devido à pandemia. Apenas poderá vê-los nas redes …

GP de Portugal. Há 14 casos de covid-19 em equipas de Fórmula 1

Em conferência de imprensa, a Proteção Civil do Algarve revelou que foram identificados 14 casos de covid-19 entre pilotos e staff de equipas da Fórmula 1 que estiveram em Portimão. Foram identificados 14 casos de covid-19 …

Islâmicos "têm o direito" de matar franceses. Twitter retira comentário de ex-primeiro-ministro da Malásia

A rede social Twitter retirou um comentário controverso do antigo primeiro-ministro malaio ​​​​​​​Mahathir Mohamad, relativo ao debate desencadeado pelas palavras do Presidente francês, Emmanuel Macron, sobre o islão. Numa série de mensagens, em que Mahathir Mohamad …

Governo pondera decretar recolher obrigatório e restrições em mais municípios

O Governo está a avaliar avançar com o recolhimento obrigatório e alargar as restrições impostas em Paços de Ferreira, Felgueiras e Lousada a mais municípios, recusando, no entanto, um novo confinamento geral, disse hoje o …

Gigante americana Walmart retira (temporariamente) armas e munições das prateleiras

A gigante de distribuição norte-americana Walmart decidiu retirar temporariamente armas e munições das prateleiras das suas lojas, anunciou na quinta-feira um porta-voz da cadeia. A medida preventiva foi tomada a cinco dias de uma eleição presidencial …

BE afasta para já estado de emergência e defende requisição civil na saúde

A coordenadora do BE afastou para já a necessidade de um novo estado de emergência e defendeu que o Governo utilize toda a capacidade instalada na saúde, se necessário recorrendo à requisição civil dos setores …

Sismo de magnitude 7 abala Turquia e Grécia e provoca mini-tsunami. Pelo menos 4 pessoas morreram

Quatro pessoas morreram no oeste da Turquia, depois de um forte terramoto de magnitude 7 atingir o Mar Egeu na tarde desta sexta-feira. O abalo derrubou edifícios em áreas costeiras e fez pelo menos 120 …

EDP desiste de processo contra o Estado, mas vai levar tarifa social a Bruxelas

A EDP desistiu da litigância judicial com o Estado sobre a contribuição extraordinária sobre o setor energético (CESE), mas vai pedir à Comissão Europeia uma análise sobre o mecanismo de financiamento da tarifa social a …

"Fora com os pretos". Universidades e escolas de Lisboa vandalizadas com mensagens racistas

Várias universidades e escolas secundárias da região de Lisboa foram vandalizadas com mensagens de teor racista e xenófobo. "Viva a Europa Branca" ou "Fora com os pretos" são algumas das frases escritas. Várias pessoas denunciaram esta …