Proibir as PPP “é um absurdo” (e Marcelo vai vetar)

Tiago Petinga / Lusa

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo Rebelo de Sousa prepara-se para vetar a lei que proíbe Parcerias Público-Privadas na Saúde. Segundo fonte próxima da Presidência da República citada pelo Expresso, o Presidente considera a proibição “absurda” e vai devolver o diploma ao Parlamento.

O presidente da República prepara-se para vetar a lei que proíbe Parcerias Público-Privadas na Saúde. Marcelo Rebelo de Sousa considera a proibição absurda e vai vetar o diploma, adianta o jornal Expresso na sua edição desta sexta-feira.

Marcelo Rebelo de Sousa vai esperar para ver a redacção final da Lei de Bases da Saúde que sai do Parlamento, mas considera “um absurdo” simplesmente proibir as PPP no sector, apurou o semanário.

Esta quarta-feira, Pedro Filipe Soares, líder da bancada parlamentar do Bloco de Esquerda, anunciou como resultado das negociações com o Governo para a nova lei de bases da Saúde, o fim das PPP e das taxas moderadoras nos cuidados de Saúde primários.

“As PPP podem ir até ao fim dos actuais contratos. A partir daí, não haverá mais“, adiantou Moisés Ferreira, deputado do BE que participou nas negociações com o Governo. Mas 24 horas mais tarde, o Governo viria a “tirar o tapete” aos bloquistas., lançando um balde de água fria sobre a pretensão de acabar com as PPP.

O que para o Bloco é um acordo, para o Governo é uma mera “versão de trabalho”. Esta quinta-feira, Duarte Cordeiro, Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, veio esclarecer que “o Governo não fechou qualquer acordo com um partido em particular” no âmbito das negociações para a nova Lei de Bases da Saúde.

Mas se a maioria de esquerda insistir numa Lei de Bases que proíba quaisquer parcerias público-privadas, pode contar com o veto de Marcelo Rebelo de Sousa, diz ao Expresso fonte próxima da presidência.

O Presidente da República considera “um absurdo” legislar no sentido de afastar por completo a possibilidade de o Estado trabalhar em parceria com empresas privadas no sistema nacional de saúde, porque a lei deve permitir que os sucessivos governos tenham margem de manobra sem ter de estar constantemente a alterar a lei.

A atual lei de bases durou muitos anos porque permitiu que quem quisesse fazer PPP as fizesse e quem não quisesse não fizesse. É muito estranho querer tornar impossível para futuro que um Governo as faça e afunilar numa lei de bases uma proibição que, quanto muito, é da competência do Governo”, diz a fonte citada pelo semanário.

“Outra coisa é arranjar uma redacção para a lei que condicione esse tipo de parcerias a determinadas conveniências conjunturais. Isso pode deixar espaço para que cada Governo avalie se deve ou não optar por as fazer”, conclui a mesma fonte.

A notícia da morte das PPP poderá ter sido exagerada – pelo menos, até à próxima ronda de negociações.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. absurdo é andarem todos, televisões, jornais, comentadeiros avençados e cúsrelativos, a pressionar o célito para vetar o que estão a ver que não vai ser vetado. se o SNS não interfere nos serviços de saúde privados porque é que os privados tem que viver à custa do SNS?

  2. Absurdo é o nosso Presidente que só sabe dar Beijinhos, Aulas de Natação e muitos Passeios.
    Há que proteger os amigos.

  3. Pois, mas como funcionam as actuais parcerias público-privadas? Quando uma dessas empresas dá lucro, esse vai para o privado, quando dá prejuízo paga o público, ou seja, pagamos todos nós.

RESPONDER

CP recebeu injeções de 1800 milhões de euros do Estado nos últimos três anos

Nos últimos três anos, o Estado fez 17 operações de reforço de capital na CP, na ordem dos 1,8 mil milhões de euros. Estes serviram principalmente para pagar dívidas da empresa a privados e ao …

Imposto Mortágua foi aplicado a 75 mil contribuintes

O novo escalão do Adicional ao IMI, que prevê a aplicação de uma taxa de 1,5% sobre o valor patrimonial dos imóveis que ultrapasse os dois milhões, chegou a 331 contribuintes. Ao todo, o imposto …

Preço da luz vai descer 18 cêntimos no mercado regulado

Os preços da eletricidade no mercado regulado vão voltar a descer em 2020, segundo a proposta avançada esta terça-feira pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE). Esta terça-feira, a ERSE propôs uma atualização em baixa de …

Portugal teve perdas fiscais de 900 milhões de euros por menor tributação do gasóleo

A tributação ao gasóleo é mais baixa do que os impostos à gasolina. A diferença entre os dois combustíveis leva a perdas de 900 milhões de euros ao Estado. Quem abastece um carro a gasóleo na …

Dulce Neto é a primeira mulher a presidir a um Supremo Tribunal português

A juíza conselheira toma posse, esta quarta-feira, como presidente do Supremo Tribunal Administrativo (STA), tornando-se na primeira mulher a ocupar o lugar cimeiro de um supremo tribunal em Portugal. Dulce Neto, de 58 anos, foi eleita …

Défice zero e mais crescimento. Previsões de Centeno para o OE2020 são de "elevado risco"

O Governo faz uma revisão das metas para 2020 no esboço do Orçamento de Estado para o próximo ano que enviou à Comissão Europeia, prevendo um aumento do crescimento económico e um saldo orçamental equilibrado, …

Conselho nacional do PSD pode ser atirado para novembro. Apoios a Rio e Montenegro equilibrados

Rui Rio mantém o silêncio sobre uma recandidatura a líder do PSD, o que está a ser visto como um condicionamento do partido, tendo também nas suas mãos o calendário interno. O conselho nacional para …

Varandas quer vender já em janeiro (e há três nomes em cima da mesa)

O Sporting deverá vender um jogador já no próximo mercado de transferências em janeiro. O dinheiro será destinado a renovações e a trazer um novo reforço para o ataque. Frederico Varandas continua a sua saga para …

Médicos, enfermeiros e professores lamentam recondução de ministros

Médicos, enfermeiros e professores lamentaram a recondução de ministros na pasta da Saúde, Educação e das Finanças, reagindo assim à constituição do novo Governo entregue em Belém pelo primeiro-ministro indigitado, António Costa. O secretário-geral do …

"Batalha campal" na Catalunha: 40 mil pessoas nas ruas, 50 detidos e mais de 100 feridos

Pelo menos 51 pessoas foram detidas e 70 polícias ficaram feridos desde o início dos atos de violência que começaram na segunda-feira na região espanhola da Catalunha após a sentença que condenou políticos separatistas catalães …