Lei de Bases da Saúde. Está o caldo entornado entre Governo e Bloco

O Governo “tirou o tapete” ao Bloco de Esquerda depois de este partido ter anunciado um acordo com o Executivo, no âmbito da Lei de Bases da Saúde, para o fim das taxas moderadoras e das Parcerias Público-Privadas. O que para o Bloco é um acordo, é uma mera “versão de trabalho” para o Governo.

O Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro, veio esclarecer que “o Governo não fechou qualquer acordo com um partido em particular” no âmbito das negociações para a nova Lei de Bases da Saúde.

A posição surge como um balde de água fria sobre o Bloco de Esquerda (BE) que deu uma conferência de imprensa no Parlamento, nesta quarta-feira, para apresentar um alegado acordo com o Governo no âmbito da Lei de Bases da Saúde, anunciando como triunfos o fim das taxas moderadoras e das Parcerias Público Privadas (PPP).

A proposta divulgada pelo BE “corresponde, na generalidade, a uma versão de trabalho resultante das reuniões mantidas entre o Governo e os Grupos Parlamentares, e anteriormente validada pelo Grupo Parlamentar do Partido Socialista”, aponta o comunicado do gabinete de Duarte Cordeiro.

O Executivo recusa, assim, a ideia de que haja qualquer acordo, falando antes “num processo com vista à convergência de posições políticas com os partidos que activamente têm procurado construir uma nova Lei de Bases da Saúde”.

Acrescenta ainda o Governo que “existe total entendimento e articulação” com o PS nesta matéria e que “existe expectativa na convergência dos partidos da esquerda parlamentar num conjunto de objectivos comuns“. Mas será o PS a apresentar “propostas que reflectem essa vontade, nos termos e na redacção que entender”, esclarece também o Executivo.

Esta posição surge depois de o anúncio do BE ter gerado “sinais de insatisfação na bancada parlamentar socialista” perante o facto de o Bloco ter antecipado “um acordo em relação a uma medida concreta”, como destaca o Expresso.

Por outro lado, “alguns deputados socialistas manifestaram desconforto com o suposto acordo” porque representaria que “o grupo parlamentar do PS tinha sido ultrapassado em todo o processo”, como sublinha o semanário.

Da parte do BE, mantém-se “tudo o que foi dito”, conforme nota endereçada às redacções, onde se evidencia que foi o próprio primeiro-ministro quem “informou publicamente, no debate quinzenal de há duas semanas, que o Governo remeteu ao Bloco a sua proposta de Lei de Bases da Saúde”.

“O objectivo era, então, um texto inter-partidário de substituição das propostas anteriores”, acrescenta o Bloco, notando que o partido “manifestou acordo com a proposta do Governo como novo texto comum, possibilidade entretanto excluída”.

“Assim, o Bloco apresenta agora como proposta sua o texto acordado com o Governo, visando contribuir para a mais forte convergência nesta matéria essencial”, conclui o partido de Catarina Martins.

O PCP veio, entretanto, frisar que as negociações prosseguem, apesar dos “significativos avanços” alcançados na proposta apresentada pelo Governo.

Já o CDS-PP vem pedir esclarecimentos, com a deputada Ana Rita Bessa a desafiar o Governo a pronunciar-se sobre se está mesmo a favor do fim das PPP.

“Se, afinal, está, tal como o BE veio dizer, convicto de que as PPP de Cascais, Vila Franca de Xira, Loures e Braga são para acabar, então seria bom avisar as pessoas que são servidas por elas, incluindo os seus autarcas”, aponta a deputada.

“Ou se não será bem assim, uma vez que há documentos oficiais do Governo que indicam a abertura para a possibilidade contrária”, acrescenta Ana Rita Bessa, citando “despachos do Ministério da Saúde para ser elaborado um novo caderno de encargos ou para avaliar a melhor solução para os concelhos de Vila Franca e Loures”.

As propostas de alteração à nova Lei de Bases da Saúde devem chegar à Comissão de Saúde até ao dia 22 de Abril, de modo a que a votação na especialidade ocorra a 26 deste mês.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Como isto está ! Até as “comadres” já começam a ficar zangadas. Os arames da geringonça já começam a rebentar. A ferrugem e a fragilidade retiram-lhe a resistência.

RESPONDER

Swissport em Lisboa para tentar comprar a Groundforce

O acionista maioritário da Groundforce, que está a tentar vender a sua participação na empresa de handling, encontra-se agora a negociar com os suíços da Swissport. Depois de o fundo espanhol Atitlan se ter afastado e …

BdP prevê taxa de desemprego de 7,2% e crescimento económico de 4,8%

O Banco de Portugal (BdP) prevê que a taxa de desemprego atinja 7,2% em 2021, recuando para 7,1% em 2022 e 6,8% em 2023, e que o emprego cresça 1,3% este ano. No Boletim Económico de …

Finlândia 0-1 Rússia | Miranchuk recoloca russos na corrida

A anfitriã Rússia conseguiu hoje uma determinante vitória na luta pelo apuramento para os oitavos de final do Euro2020 de futebol, ao bater a Finlândia por 1-0, em São Petersburgo. No primeiro jogo da segunda jornada …

Nove militares da GNR acusados de tortura

O Ministério Público (MP) do Porto acusou nove militares da GNR dos crimes de tortura e outros tratamentos cruéis, degradantes ou desumanos e sequestro agravado. O Ministério Público (MP) do Porto acusou nove militares da GNR, …

Costa garante que Lisboa terá o mesmo tratamento que os outros concelhos

Esta quarta-feira, num dia em que Portugal registou 1.350 novos casos ( 928 dos quais na região de Lisboa e Vale do Tejo), o primeiro-ministro afirmou que a capital terá o mesmo tratamento que os …

Salgado disposto a pagar à massa falida do GES para ficar isento de cumprir pena

Ricardo Salgado está disposto a pagar à massa falida do GES para ser dispensado de cumprir pena no processo que o irá julgar por três crimes de abuso de confiança, segundo a contestação da defesa …

PJ detém 12 pessoas por suspeitas de corrupção na Câmara de Loures

Entre os detidos pela Polícia Judiciária (PJ) estão dois empreiteiros, um arquiteto, um empresário ligado a uma obra particular e oito fiscais. Através da Unidade Nacional de Combate à Corrupção e no âmbito de inquérito dirigido …

Casos disparam: 1350 novas infeções e seis óbitos

Nas últimas 24 horas, houve 1.350 novos casos positivos de covid-19 e morreram seis pessoas, segundo os dados do boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS). Portugal registou 1.350 novos casos e seis óbitos por covid-19 …

Parlamento vai ouvir Medina e ministro dos Negócios Estrangeiros

Fernando Medina e Augusto Santos Silva vão ser ouvidos no Parlamento sobre o caso da partilha de dados pessoais de ativistas russos. O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, e o ministro dos Negócios …

Mudanças na lei laboral podem prejudicar a retoma, avisa Centeno

É crucial para a retoma que haja "estabilidade e previsibilidade na legislação laboral", de forma a estimular o investimento empresarial e o crescimento económico, afirmou esta quarta-feira o governador do Banco de Portugal (BdP), Mário …