Para o Presidente da Bielorrússia, a covid-19 era uma “psicose” (mas infetou-o)

Amanda Voisard / UN Photo

Alexander Lukashenko, presidente da Bielorrússia desde 1994

O Presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, admitiu esta terça-feira ter sido contaminado com o novo coronavírus, cuja gravidade não deixou de minimizar, mas precisou que não teve sintomas e venceu a doença.

“O mais espantoso é que se encontram hoje com uma pessoa que teve o coronavírus mas continuou a trabalhar. Os médicos chegaram a esta conclusão ontem [segunda-feira]”, afirmou durante um encontro com funcionários do Ministério do Interior.

“Graças a Deus, faço parte daqueles que não tiveram sintomas“, acrescentou Lukashenko, que é líder da Bielorrússia desde 1994, segundo imagens divulgadas pela televisão pública bielorrussa.

Alexander Lukashenko tem sido criticado pela sua gestão da pandemia. O Presidente da Bielorrússia é um dos únicos dirigentes do mundo que não ordenou medidas de confinamento obrigatório face à epidemia. Anteriormente definiu-a como uma “psicose” e recomendou beber um pouco da vodka ou frequentar a sauna para evitar adoecer.

Com 9,5 milhões de habitantes, a Bielorrússia recenseou mais de 67 mil casos do novo coronavírus e 543 mortos, segundo os números oficiais.

Alexander Lukashenko, que nunca foi visto com uma máscara de proteção, prossegue a sua campanha para a eleição presidencial de 9 de agosto em que concorre a um sexto mandato consecutivo.

A campanha eleitoral ficou assinalada por uma vaga de manifestações antigovernamentais reprimidas pelas autoridades, e a detenção de opositores de primeiro plano.

Os resultados das últimas quatro eleições presidenciais não foram reconhecidos como justos pelos observadores da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE), que denunciaram fraudes e pressões sobre a oposição.

O Gabinete de Instituições Democráticas e Direitos Humanos (ODIHR, na sigla em inglês) da OSCE já informou o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Bielorrússia que não enviará observadores a estas eleições por ainda não ter recebido o necessário convite.

A diretora da ODIHR, a islandesa Ingibjörg Sólrún Gísladóttir, lamentou que a OSCE ainda não tenha sido convidada dois meses após a convocação das eleições e justificou a decisão pelo facto de autoridades bielorrussas não terem adotado qualquer medida para solucionar as recomendações emitidas anteriormente pela organização.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 654 mil mortos e infetou mais de 16,5 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

A cordilheira Kong nunca existiu, mas esteve nos mapas durante um século

A cordilheira Kong nunca existiu, mas esteve durante 100 anos em muito dos principais mapas do continente africano. Acabaria por ser um militar francês, que explorou o rio Níger, a acabar com este "fantasma da …

"Continua a pairar perigosamente". Relógio do Juízo final mantém-se a 100 segundos do Apocalipse

A Humanidade nunca esteve tão perto do Apocalipse, alertam os cientistas responsáveis pelo "Relógio do Juízo Final", que decidiram mantê-lo na mesma posição do ano passado, a 100 segundos da meia-noite. O relógio, que é uma …

A primeira bateria doméstica de hidrogénio armazena três vezes mais energia do que uma da Tesla

Para usar energia solar doméstica, é preciso gerar energia quando o Sol brilha e armazená-la quando não aparece. Para isto, as pessoas usam normalmente sistemas de bateria de lítio. Porém, a empresa australiana Lavo construiu …

Um oásis LGBTQ, Budapeste é posto à prova pelo populismo e pela pandemia

Budapeste é um oásis para a comunidade LGBTQ, mas a cena drag da capital húngara vê-se ameaçada pela pandemia de covid-19 e pelas políticas conservadoras e populistas de Viktor Orbán. Durante muitos anos, Budapeste desfrutou a …

Coreia do Sul "ressuscitou" voz de uma superestrela. Chovem preocupações éticas

Pela primeira vez em 25 anos, a distinta voz da superestrela sul-coreana Kim Kwang-seok será ouvida na televisão nacional. O famoso cantor folk morreu em 1996. De acordo com a CNN, a emissora nacional da Coreia …

Maioria dos países africanos só terá vacinação em massa a partir de 2023

A maioria dos países africanos só terá imunização em massa a partir de 2023, segundo previsão da The Economist Intelligence Unit, que admite que, com o evoluir da pandemia, muitos dos países mais frágeis possam …

Mulher que "morreu" com covid-19 aparece viva 10 dias após funeral

Uma mulher de 85 anos ficou infetada com covid-19 num lar na Galiza, em Espanha. A 13 de janeiro a família de Rogelia Blanco recebeu a informação do lar de que a mulher tinha falecido. …

Familiares de vítimas na China pressionadas a não falar com OMS

As autoridades chinesas estão a pressionar as famílias das primeiras vítimas da covid-19 para que não entrem em contacto com os investigadores da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Wuhan, segundo familiares dos falecidos. Mais de …

Falsas vacinas à venda na Internet são grande risco para a saúde

Embora milhões de pessoas tenham sido já vacinadas contra a covid-19 nos países ricos, proliferam as fraudes na Internet com fármacos falsos que representam um grande risco para a saúde, alertaram peritos das Nações Unidas. As …

Voto prévio no Senado aponta para absolvição de Trump

Na terça-feira, 45 dos 50 republicanos no Senado votaram contra a continuidade do julgamento ao ex-Presidente Donald Trump, considerando inconstitucional que um chefe de Estado que já terminou o mandato seja julgado no Congresso. De acordo …