Na Bielorrússia, o Estado recusa decretar isolamento social. Mas as ruas estão vazias

Manuel de Almeida / Lusa

Na Bielorrúsia, os dados oficiais do Governo apontam para 163 pessoas infetadas e duas mortes por Covid-19. Embora o país não tenha decretado quarentena, as ruas estão vazias. Mas as atividades, escolas e serviços continuam a funcionar normalmente, segundo um relato de uma jovem bielorrussa.

De acordo com um relato de uma bielorrussa de 32 anos, publicado na quarta-feira no Expresso sob anonimato, os dados acima referidos são do Ministério da Saúde, mas a população e os meios de comunicação social independentes indicam que o Estado está a esconder os números reais da pandemia, para evitar o pânico e proteger a economia.

Segundo a jovem, que dirige programas educacionais para os média, os diagnósticos de pneumonia no país podem ser casos de Covid-19. Devido à falta de confiança no Estado, as pessoas autoprotegem-se, “agem de forma responsável e minimizam os riscos”, embora “nem todos percebam o quão grave a situação possa vir a tornar-se num futuro próximo”.

A bielorrussa – que está em casa há duas semanas e meia, só saindo para ir às compras -, indicou que tanto a própria como os seus amigos estão “furiosos pelo facto das autoridades ocultarem informação dos cidadãos – numa situação tão arriscada como esta”.

O país não está de quarentena nem existem recomendações do Governo para que as pessoas evitem proximidade ou fiquem em casa, com as instituições, fábricas e escolas a funcionar normalmente. As empresas privadas, continuou a jovem, bem como as ONG’s e os meios de comunicação social independentes permitiram, na sua maioria, o teletrabalho.

“Na Bielorrússia temos bons médicos, um sistema nacional de saúde seguro e, no geral, os trabalhadores da saúde são uns heróis em situações como esta, mas claro que não sabemos se estas infraestruturas serão suficientes”, continuou a jovem no seu relato.

E acrescentou: “Neste momento, continuamos com o campeonato de futebol a decorrer e, uma vez que não foi decretada quarentena e que não existe qualquer declaração oficial a alertar para os riscos, cancelar o campeonato representará a confirmação de que a pandemia é uma ameaça real à saúde pública. É uma situação ridícula e muito triste”.

Adeptos de dois clubes vão deixar de ir aos estádios

A Bielorrússia é o único país europeu que ainda tem o campeonato de futebol a decorrer e sem qualquer restrição. Mas os adeptos de dois clubes do país vão voluntariamente deixar de assistir aos jogos nos estádios devido à pandemia, informou a agência Lusa.

FPF

A claque do Neman Grodno fez um comunicado a anunciar que os seus membros vão deixar de marcar presença nos estádios e pediram aos adeptos dos outros clubes que façam o mesmo, como forma de prevenção ao novo coronavírus. Os mesmos adeptos do Neman Grodno apelaram ainda à federação bielorrussa que tenha “a coragem” de suspender os campeonatos, tal como aconteceu em quase todo o mundo.

Os apoiantes do Shakhter Soligorsk seguiram o exemplo e também vão deixar de apoiar a sua equipas nos recintos, até que seja novamente seguro poder marcar presença num jogo de futebol.

Na terça-feira, a Federação Internacional das Associações de Futebolistas Profissionais (FIFPro) revelou que os jogadores que atuam na primeira liga da Bielorrússia estão preocupados por continuarem a exercer a profissão durante a pandemia de Covid-19, uma situação que “não é compreensível e deixa todos preocupados”.

A situação vivida vai de encontro à postura adotada pelo presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, que recusou limitar o movimento das pessoas, tendo mesmo vindo a público afirmar que “é melhor morrer em pé do que viver de joelhos”.

Na última jornada, os adeptos que entraram nos estádios receberam gel desinfetante para as mãos, mas poucos usaram máscaras de proteção. A terceira ronda está agendada para o próximo fim de semana.

O defesa central Denis Duarte atua no Dínamo Brest, o atual campeão, e é o único português a atuar no primeiro escalão do futebol na Bielorrússia.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia de Covid-19, já infetou mais de 865 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 43 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 165 mil são considerados curados. Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"Nenhuma era apenas um número". NYT dedica toda a primeira página a mil vítimas da pandemia

Mil nomes de pessoas numa primeira página. O jornal norte-americano The New York Times dedicou a primeira página da edição deste domingo a mil vítimas mortais da pandemia de covid-19, para assinalar a iminente passagem …

A economia é a vítima colateral da estratégia singular da Suécia

A Suécia deixou nas mãos dos cidadãos a responsabilidade pela sua saúde e a abordagem relaxada do país em relação à pandemia de covid-19 trouxe resultados negativos. O Governo sueco não impôs um confinamento à população …

Polícia de Hong Kong detém 180 manifestantes. E elogia lei da segurança nacional

A polícia de Hong Kong elogiou a lei da segurança nacional chinesa, horas depois de ter detido pelo menos 180 manifestantes que protestaram, este domingo, contra a legislação anunciada por Pequim. O comissário da polícia, Tang Ping-keung, …

Pinto da Costa recandidata-se a "pensar nas dificuldades do presente"

Pinto da Costa admitiu, este domingo, no lançamento do site oficial da recandidatura à presidência do FC Porto, que vai a eleições "a pensar nas dificuldades tremendas do presente". No site oficial da sua candidatura, Pinto …

Abraços e apertos de mão. Bolsonaro junta-se a manifestação sem distanciamento social

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, participou, este domingo, em mais uma manifestação sem respeitar as regras de distanciamento social. A manifestação decorrer na Praça dos Três Poderes, em Brasília. De acordo com o jornal Público, …

"Relativamente rápido". Centeno acredita que países europeus vão recuperar da crise até ao fim de 2022

O ministro das Finanças português e presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, acredita que a União Europeia vai conseguir ultrapassar a crise económica provocada pela pandemia de covid-19 de forma "relativamente rápida". Em entrevista ao jornal alemão …

Florentino congelado e Jota (e mais dois) na porta de saída. Mercado já mexe na Luz

Apesar da pandemia, que paralisou quase todas as competições europeias e que deverá atrasar a janela de transferência no futebol, o mercado já mexe na Luz. A imprensa desportiva dá conta nesta segunda-feira que Florentino …

Cova da Piedade abandona direção da Liga e convida Proença a demitir-se

O Cova da Piedade juntou-se ao Benfica na decisão de abandonar a direção da Liga de clubes e convidou Pedro Proença a demitir-se da presidência do organismo. Em comunicado, o Cova da Piedade justifica a decisão …

Milhares foram a banhos este domingo. Só nas praias da Caparica estiveram mais de 180 mil pessoas

As elevadas temperaturas que se fizeram sentir neste domingo levaram milhares de portugueses à praias. Só na Costa da Caparica, no concelho de Almada, mais de 180 mil pessoas foram a banhos. Entre as 9 e …

"Há outras prioridades". Ana Gomes está a refletir sem "pressa" sobre eventual candidatura a Belém

No espaço de comentário da SIC Notícias, a ex-eurodeputada Ana Gomes disse que ainda está a "refletir" sobre uma eventual candidatura à Presidência da República. Ana Gomes ainda não tomou uma decisão sobre uma possível candidatura …