Preço da madeira queimada não para de cair. Quem ganha com os fogos?

António Cotrim / Lusa

Preço pago pela indústria não para de cair. Autarcas pedem ao governo a definição de preços mínimos. Parlamento já aprovou lei nesse sentido, mas ainda espera o fim das férias dos deputados.

Os pequenos produtores florestais preocupam as Câmaras. Por causa dos incêndios que, este verão, fustigaram, sem piedade a área florestal portuguesa, com especial relevância para o de Pedrógão Grande, os preços da madeira queimada continuam a descer.

No parlamento, há um projeto de lei, aprovado na generalidade a 19 de julho, que prevê que o Ministério da Agricultura e Florestas crie parques para receber madeira queimada do fogo de Pedrógão e defina um preço baseado naquilo que se verificava antes do fogo.

O problema é que o projeto, aprovado pelo PSD, BE, CDS-PP, PCP e PEV, não passou de imediato, devido ao PS, a votação final global e está à espera que os deputados regressem de férias para começar a ser discutido na especialidade.

Quem, neste local, tinha plantações de árvores, como pinheiros, por exemplo, viu o preço cair a pique, depois do incêndio que começou a lavrar a 17 de junho. A TSF conta a história de Domingos Luís que, em árvores, tinha reunidos entre 20 a 25 mil euros.

Mas depois veio o fogo e o preço desceu. Como Domingos, muitos optaram por não vender no momento, já que o preço da madeira queimada era demasiado baixo. Depois disso, vieram os incêndios de verão, em julho e em agosto. E o preço não parou de descer.

Domingos Luís está agora num impasse: ou vende rapidamente por valores muito baixos, ou espera e vê a madeira degradar-se com o tempo e a chegada das chuvas.

Enquanto o diploma proposto não é aprovado, a madeira vai-se deteriorando e as economias de Domingo Luís ficam cada vez mais pobres. A presidente da Câmara de Góis, um dos municípios mais afetados pelo incêndio de Pedrógão, explica que muitos donos da madeira queimada dizem que o que lhes estão a oferecer não chega para recuperar o investimento e com frequência nem para pagar o trabalho de limpar a mata.

Lurdes Castanheira acrescenta que muitos estão a deixar a madeira nos terrenos o que é um problema para o futuro: matéria altamente combustível para novos incêndios.

Estas razões que já levaram os vários autarcas da zona a propor ao governo, incluindo diretamente ao primeiro-ministro que, para acabar com a especulação, o Estado defina preços mínimos com urgência e crie incentivos a uma reflorestação ordenada.

Enquanto isso, os números continuam a baixar. A Associação Nacional de Empresas Florestais, Agrícolas e do Ambiente revela que o preço pago pela indústria pelo pinho queimado desce mensalmente: neste momento cada tonelada é paga a 27 euros, “madeira que normalmente mesmo queimada anda nos 36 euros” (menos 25%).

ZAP //

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Ganha tudo e todos, empresas de aviação, empresas de venda de material para os bombeiros, os abusadores do SIRESP, enfim um chorrilho de parasitas que o Estado habituou a enriquecer à custa dos nossos impostos.
    NÃO APARECE UM ILUMINADO, que ponha o exercito a recolher essas madeira e guardá-la em inúmeros quarteis que estão práticamente abandonados?
    Façam isso durante 2 anos seguidos que se acabam os incendios neste País, bem como Sistemas INOPERACIONAIS de responder em Situação de Perigo – que uns rádio amadores resolviam bem o problema sem se gastar SEISCENTOS E MUITOS MILHOES, que deviam ser distribuídos pelo POVO.
    O que se passa é que o POVO está tão BURRO que já nem percebe que podia pagar menos se houvesse RESPONSABILIDADE POLÍTICA.

  2. Penso que não se deveria referir ‘apenas’ o incêndio de Pedrógão (este muito grave devido às mortes), mas de todos os concelhos que arderam, como por exemplo Mação, porque o problema é exactamente o mesmo… agora é ‘dar’ a madeira o mais rápido possível para a mata poder regenerar caso contrário para além do prejuízo ainda se perde mais um ano.

    …mas agora sem os eucaliptos a floresta portuguesa já não vai voltar a arder…resta saber quem vai depois comprar as outras madeiras a plantar e quem irá pagar as limpezas, é que, por exemplo na zona de mação, ardeu em 1995, 2003 e agora 2017, e quem tinha outras culturas que não o eucalipto só lá enterrou dinheiro em limpezas e agora vai ficar a chuchar no dedo!

  3. Ouvi no noticiário TV de hoje que há uns “mafiosos” dos aviões que andam a apagar os incêndios e que fazem um “complot” com as empresas espanholas e italianas e depois dividem os lucros. Sendo assim tem cabimentos Portugal estar a arder. Será que nós Portugueses nunca mais aprendemos que.. ” não há almoços gratuitos”..ou há?

  4. “Preço da madeira queimada não para de cair” Preço da madeira queimada não” PÁRA “de cair”. Tentem ler “para” e “vejam” como faz sentido a “falta” do acento.

  5. É muito grave e intrigante a situação que se vive em Portugal em relação aos incêndios, e passo a explicar:
    – Estamos no ano em que a tecnologia, os meios, as comunicações e as táticas de combate aos incêndios são as mais avançadas de sempre (pois o tempo não avança para o passado);
    – Muitos dos municípios, são repetentes nestas andanças e têm elaborados avançados planos de prevenção;
    – Muita da floresta actual é pertença de empresas florestais altamente organizadas e que investem muito do seu dinheiro em prevenção e em meios efetivos de combate aos incêndios;
    – Em grande parte da floresta ardida existem acessos excelentes, bocas de incendio acesso próximo a grandes quantidades de água
    – Foram anunciados números de efetivos no terreno em cada incendio como raramente eram vistos no passado (das largas centenas até acima do milhar)
    E em muitos concelhos arderam mais hectares de floresta do que no passado com muito menos recursos disponíveis e muito menos preparação.
    Muitos dos bombeiros estavam proibidos de gastar a água dos seus veículos apesar do incendio que lavrava a escaços centímetros dos seus corpos (muitos sentiram-se inúteis enquanto esperavam pelas ordens do comando).
    Muito se retrocedeu em relação à experiência do combate a incêndios este ano, o resultado está à vista.
    Muito se paga por hora a certos meios e intervenientes dos incêndios, pouco se paga aos bombeiros que podem ser lançados às centenas para os locais dos incêndios, pouca se importa com quem perde o mealheiro de uma vida no fogo, pouco se condenam os incendiários, pouco se tem aprendido com este negócio ultimamente ………. ou será que não ???

RESPONDER

Libertação da sociedade antes das eleições não vai influenciar resultados autárquicos

Portugal está cada vez mais próximo de atingir os 85% de população vacinada, o que significa que a última fase do processo de desconfinamento está cada vez mais próxima. Mas poderá essa decisão ter alguma …

Aos 60 anos, vice-presidente do Suriname participou em jogo internacional (e distribuiu dinheiro no balneário)

Aos 60 anos, o vice-presidente do Suriname, Ronnie Brunswijk, jogou 54 minutos de uma partida internacional de clubes. No final, distribuiu dinheiro pelos jogadores no balneário. Ronnie Brunswijk, vice-presidente do Suriname, tem 60 anos e é …

Rui Costa é candidato à presidência do Benfica num "dos momentos mais desafiantes da história" do clube

Rui Costa vai candidatar-se à presidência do Benfica nas eleições para o quadriénio 2021-2025, marcadas para 9 de outubro, anunciou esta terça-feira o ex-futebolista internacional português, que assumiu a liderança do clube lisboeta após a …

Pirâmide Maia foi construída em resposta a uma erupção vulcânica

Uma equipa de arqueólogos que estava a fazer escavações perto da enorme pirâmide Maia no Vale Zapotitán, em El Salvador, descobriu algo impressionante. Os investigadores descobriram que a pirâmide Maia de San Andrés começou a ser …

Inédito: competição vai juntar todas as equipas de dois campeonatos

Já a pensar no Mundial 2026, a Leagues Cup vai ser realizada todos os anos, com os clubes da Major League Soccer e da Liga MX. Será um "capítulo monumental para o futebol norte-americano", seguindo palavras …

Estado paga 460 mil euros por mês em subvenções vitalícias. Ex-político recebe o valor mais alto

Há 310 ex-políticos e ex-juízes que têm direito a receber uma subvenção vitalícia do Estado. O número baixou um pouco relativamente a 2020, mas, ainda assim, representa um gasto mensal de 460 mil euros de …

Carlos Alexandre nega levantamento do arresto de bens de Salgado

O juiz Carlos Alexandre recusou o pedido de Ricardo Salgado de levantamento do arresto dos bens móveis, pensão e contas bancárias, no âmbito do processo do Universo Espírito Santos e do Monte Branco. A defesa de …

Bola de fogo de mil Hiroshimas destruiu cidade inteira (e pode ter inspirado história bíblica)

Um asteróide atingiu Tall el-Hammam há cerca de 3.600 anos, destruindo toda a cidade e matando toda a sua população. A explosão pode ter inspirado a história bíblica de Sodoma. Enquanto os habitantes de uma antiga …

António Costa sobre a Galp: "Era difícil imaginar tanto disparate, tanta asneira, tanta irresponsabilidade, tanta falta de solidariedade"

Intenção de "dar uma lição" à empresa foi manifestada por António Costa numa ação de campanha, o que gerou críticas por parte dos partidos da oposição que relembraram o seu estatuto de primeiro-ministro e o …

Indústrias criativas são "fator de aceleração e crescimento" económico no país

O ministro de Estado e da Economia, Pedro Siza Vieira, disse esta terça-feira que o Governo tem identificado as indústrias criativas como “um fator de aceleração e crescimento” da atividade económica no país, reconhecendo que …