Portugueses estão menos preocupados com a pandemia, mas apreensivos com a economia

Enric Fontcuberta / EPA

O grau de preocupação com a pandemia diminuiu de 80,9% durante o estado de emergência para 76,2% no estado de calamidade, mas os portugueses estão mais alerta quanto ao impacto na economia, conclui um inquérito divulgado hoje.

Elaborado pela Kantar para a Centromarca – Associação Portuguesa de Empresas de Produtos de Marca, o inquérito revela que “o alerta dos portugueses tem vindo a intensificar-se relativamente ao impacto negativo na economia”, nomeadamente quanto “ao possível colapso da segurança social e à perda de emprego”.

Segundo as conclusões do trabalho, “também o padrão de consumo sofreu alterações com o estado de calamidade”, verificando-se, nas semanas de 3 a 17 de maio, uma “maior presença dos portugueses nas lojas, com uma diminuição acentuada no tamanho das cestas (que, ainda assim, se mantém superior ao padrão pré-covid)”.

“O desconfinamento e uma maior mobilidade geram um comportamento de compra mais próximo do que se verificava antes da pandemia, com um maior número de visitas às lojas e, consequentemente, um volume de compras um pouco inferior em cada uma dessas visitas. É de salientar ainda que – ao contrário do que se verificava até ao início desta crise – os portugueses preferem realizar agora as suas compras nos dias de semana e não ao fim de semana como anteriormente”, afirma o diretor-geral da Centromarca, Pedro Pimentel, citado no comunicado.

Relativamente às compras no setor de ‘Fast Moving Consumer Goods’ (FMCG – bens de grande consumo), as conclusões do inquérito apontam que “as medidas de segurança nos locais de compra e na forma como os portugueses consomem aumentaram”.

Segundo a Kantar, há uma maior compra de produtos locais, um menor tempo passado nas lojas e uma opção por lojas mais perto de casa, assumindo os inquiridos que estão “em fase de ‘desconfinamento’, mas controlado”, evitando a utilização de transportes públicos e locais de muita afluência.

“O tipo de produtos comprados, o tempo passado dentro das lojas e a ida aos estabelecimentos físicos mostram-nos o impacto direto que o ‘desconfinamento’ tem nos novos hábitos dos portugueses”, explica Marta Santos, ‘manufacturers sector director’ da Kantar.

Em relação às rotinas fora de casa, os portugueses afirmam pretender passar férias em Portugal, mas diminuir os gastos na área da restauração e em bares, bem como em atividades de lazer.

“Uma parte substancial da população ainda apresenta algum receio de regressar a atividades de consumo fora do lar. Acreditamos que é importante manter um comportamento prudente e responsável, mas que é necessário amenizar medos excessivos que podem dificultar o regresso e atrasar a necessária recuperação económica do país”, salienta o diretor-geral da Centromarca.

O inquérito foi realizado numa amostra de 4.000 lares participantes, representativos de Portugal Continental e dispersos em mais de mil pontos de sondagem, que declararam as suas compras ao longo das 20 primeiras semanas de 2020.

Os resultados apresentados têm um nível de confiança de 95%, com erro amostral associado de 1,96%.

Fundada em junho de 1994, a Centromarca reúne 52 associados detentores de mais de 1.100 marcas que, em conjunto, representam um volume de vendas anual no mercado nacional da ordem dos 6.500 milhões de euros, empregando mais de 25 mil pessoas.

 

Lusa // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Igreja cipriota pede que a música "demoníaca" da Eurovisão seja cancelada. Governo rejeita

El Diablo foi a canção escolhida para representar o Chipre no festival da Eurovisão, que terá lugar em Roterdão, em maio. A música cipriota da Eurovisão está a causar polémica. A Igreja Ortodoxa do Chipre pediu, …

Cientistas propõem que indústria da moda pague "royalties" pelo padrão leopardo

Cientistas de Oxford, no Reino Unido, propõem que a indústria da moda comece a pagar royalties pelo uso do padrão que imita a pele de leopardo, para tentar ajudar a reverter o declínio deste felino. "O …

André Ventura foi reeleito presidente do Chega com 97,3% (e deixou recados ao PSD)

André Ventura foi reeleito este sábado, com 97,3% dos votos nas eleições internas para a presidência do Chega. O presidente demissionário do Chega foi reeleito este sábado com 97,3% dos votos, percentagem que considerou legitimá-lo para …

Uma das maiores camas do céu. JetBlue revela a nova classe executiva do Airbus A321neo

Uma das maiores camas no céu deverá estrear dentro de alguns meses, quando a JetBlue começar a voar com os seus A321neo de Boston e Nova Iorque a Londres. No dia 26 de fevereiro, a norte-americana …

Putin diz que Internet pode destruir a sociedade se não for regida pela moral

 Internet pode destruir a sociedade a partir se não não for regida por valores e leis da moral, considerou Vladimir Putin. O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, advertiu que a Internet pode destruir a sociedade a …

China torna-se o primeiro país do mundo a ter mais de mil multimilionários

A China tornou-se o primeiro país do mundo a ultrapassar a marca dos mil multimilionários, tendo neste momento um total de 1058 pessoas que têm a sorte de poder fazer parte desse grupo restrito. De acordo …

Gil Vicente 0-2 Porto | Vida fácil para o “dragão” em Barcelos

O FC Porto venceu o Gil Vicente em Barcelos, por 2-0. Pepe e Corona saíram ao intervalo com problemas físicos. O Porto foi a Barcelos conquistar três pontos de forma tranquila, perante um Gil Vicente que …

Na Índia, o comércio ilegal de burros está a crescer. A sua carne é considerada afrodisíaca

Viagra? Não, a população do estado de Andhra Pradesh, na Índia, tem um novo método para aumentar o desejo sexual: carne de burro. Esta crença está a fazer com que o comércio ilegal de carne …

Com as fronteiras fechadas, companhia aérea australiana lança "voos mistério"

A companhia aérea australiana Qantas anunciou “voos mistério”, nos quais os passageiros não fazem ideia para onde vão, numa tentativa de atrair mais clientes. As fronteiras internacionais da Austrália estão atualmente fechadas e parece improvável que …

Açores e Madeira acusam DGS de não usar dados verdadeiros nos boletins

A Direção Regional da Saúde (DRS) da Madeira garantiu que os números reportados no boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS) esta sexta-feira não correspondem à realidade. A DRS dos Açores também assume a existência …