Portugal registou mais 807 mortes do que o esperado no primeiro mês e meio de desconfinamento

Jean-Christophe Bott / EPA

Segundo o Barómetro Covid-19,  entre 3 de maio e 13 e junho, morreram em Portugal 11.124 pessoas, mais 8% do que os 10.317 óbitos que seriam de esperar nesse período.

Nas primeiras seis semanas do desconfinamento, morreram em Portugal mais 807 pessoas do que seria esperado nesse período, 41% das quais por outras causas naturais que não a covid-19, revela um estudo da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), divulgado esta sexta-feira.

Segundo o artigo “Mortalidade colateral durante o desconfinamento covid-19”, do Barómetro Covid-19, morreram em Portugal, entre 3 de maio e 13 de junho, 11.124 pessoas, mais 807 (+8%) do que os 10.317 óbitos que seriam de esperar nesse período, considerando a mortalidade nos últimos seis anos.

“Na última semana, os óbitos desceram para o valor que seria de esperar para esta época do ano”, refere a ENSP, que observou um pico de mortalidade entre os dias 24 e 31 de maio.

Para os investigadores, “a hipótese de que este aumento de mortalidade possa estar associado a casos de doença aguda grave que não procuraram os serviços de saúde atempadamente, ou que não foram adequadamente atendidos pelos mesmos, parece pouco provável”.

Isto porque, nessa altura, “os serviços de urgência, incluindo as unidades de cuidados intensivos, estavam bem abaixo do nível de saturação e já se verificavam alguns sinais de retoma da atividade assistencial (consultas, exames, cirurgias)”.

Os investigadores apontam que possivelmente este aumento de mortalidade pode estar associado “a casos de doença crónica grave cujo diagnóstico e tratamento possam ter sido adiados devido à pandemia, porque os doentes evitaram procurar os serviços, ou porque as listas de espera adiaram os diagnósticos e tratamentos para além do prazo em que poderiam ter sido efetivos”.

Segundo o estudo, 195 (2%) dos 11.124 óbitos a mais são considerados excesso de mortalidade, porque ultrapassam o limite da média de óbitos nos últimos seis anos mais dois desvios padrão (DP). Durante esse período, verificaram-se 474 mortes (4%) por infeção pelo novo coronavírus e 10.650 (96%) por outras causas naturais.

“Se não tivesse havido as mortes por covid-19, ter-se-iam verificado 333 (3%) óbitos acima do que seria de esperar, com base na média dos últimos seis anos”, sublinham. No entanto, “este valor não pode ser considerado como excesso de mortalidade, porque não atinge o limite da média dos últimos seis anos mais dois desvios padrão, ou seja, está dentro dos limites da variabilidade anual dos óbitos em Portugal”.

O excesso de mortalidade só se verifica quando se contabilizam os 474 óbitos por covid-19, explicam, afirmando, em comunicado, que gostariam “de saber mais sobre as causas desses óbitos, mas os dados disponibilizados pelo Ministério da Saúde não permitem fazer análises por grupos diagnósticos mais detalhados”.

“A hipótese de que um grande número destes óbitos possa ter sido causado pela covid-19, mas não terem sido classificados como tal, é pouco provável”, afirmam os investigadores, justificando que durante este período vigorou “uma política de testagem muito ampla, incluindo testes a pessoas que morreram em casa e a aceitação de um diagnóstico clínico de covid-19 relativamente abrangente, mesmo sem confirmação laboratorial”.

Para os investigadores, “é difícil” explicar o pico de mortalidade que se registou na última semana de maio, com um regresso à normalidade na semana seguinte.

“Durante o mês de maio, os serviços de saúde foram regressando progressivamente à normalidade, com as sucessivas ondas de desconfinamento. É possível que, pelo fim de maio, já tivessem recuperado a sua capacidade de controlo da doença crónica de utentes mais frágeis, prevenindo eventuais descompensações das suas doenças de base”, sublinham.

A ENSP afirma que este aumento de mortalidade é confirmado por outros modelos de análise, nomeadamente o modelo ARIMA que analisa a mortalidade global, por causas naturais e não naturais. Com este modelo estima-se que, entre 3 de maio e 13 junho, houve mais 518 (+4,3%) mortes do que aquelas previstos pelo modelo.

Portugal contabiliza pelo menos 1.524 mortos associados à covid-19 em 38.089 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Paços 3-2 Porto | “Castor” épico tomba “dragão” com pés de pau

Surpresa na Capital do Móvel. O campeão nacional FC Porto foi a Paços de Ferreira averbar a segunda derrota nesta Liga NOS, saindo com um resultado desfavorável de 3-2. Num terreno tradicionalmente difícil – os “dragões” …

Teoria da Relatividade de Einstein observada em estrelas distantes

O que é que Albert Einstein, o GPS e um par de estrelas a 29.000 anos-luz da Terra têm em comum? A resposta é um efeito da Teoria Geral da Relatividade de Einstein chamado "desvio gravitacional …

Encontrada possível localização do gigante Snow Cruiser. Está perdido na Antártida há 60 anos

O Snow Cruiser era um veículo de exploração enorme enviado ao Pólo Sul em 1939 que ficou preso após desembarcar na Antártida e foi abandonado alguns anos depois. Redescoberto sob vários metros de neve e gelo …

Mbappé tem uma "mancha" na Liga dos Campeões

Números invulgares do avançado do PSG, que em 2020 ainda não marcou qualquer golo no torneio europeu. Pires e Rami falaram sobre o seu futuro. Kylian Mbappé. Visto por muita gente como o melhor avançado do …

Administração de Nixon recebeu um Nobel por um cessar-fogo que não existiu

O prémio Nobel da Paz foi atribuído em 1973 ao secretário de Estado da Administração de Richard Nixon, e seu assessor de segurança nacional, Henry Kissinger, e ao político vietnamita Le Duc Tho. As duas personalidades foram …

Cidade usa satélite para medir poluição luminosa (e os candeeiros de rua não são o maior problema)

As cidades do mundo desperdiçam uma grande quantidade de eletricidade - e dinheiro - ao deixar ligadas luzes brilhantes durante a noite toda. Porém, os candeeiros de rua não são os maiores culpados. Uma experiência de …

Prevenir uma futura pandemia pode estar dependente de apenas três medidas (e podem ser aplicadas já)

Até 70% das doenças infecciosas que surgiram nos humanos nos últimos 30 anos tiveram origem em animais e foram causadas por patogénicos originados em animais domésticos ou selvagens. Agora, um relatório lança aos princípios básicos …

"Não se torne um fantasma real". Coreia do Sul teme aumento de casos devido ao Halloween

A Coreia do Sul teme que as festividades do Halloween levem a um aumento de casos de covid-19 no país. Assim, para evitar que tal aconteça, investiram numa campanha de informação pública para apelar aos …

Trump Jr. diz que as mortes por covid-19 se reduziram a "quase nada". Têm morrido 1.000 pessoas por dia

Donald Trump Jr., o filho mais velho do Presidente norte-americano, afirmou esta quinta-feira que a taxa de mortalidade por covid-19 caiu para "quase nada nos Estados Unidos", num dia em que o país registou quase …

Agentes russos terão oferecido a ajuda de 10 mil soldados aos separatistas catalães

Alegados agentes russos terão oferecido à Catalunha a ajuda de 10 mil soldados durante a sua tentativa de independência da Espanha, em 2017, relataram na quarta-feira meios de comunicação espanhóis e europeus. As denúncias baseiam-se em …