Vem aí a “tempestade perfeita”. Plano do Governo não prepara SNS para o Inverno

Giuseppe Lami / EPA

Figuras de destaque da Saúde apelam ao Governo para avançar já com as medidas que estão em falta, para garantir que o Serviço Nacional de Saúde é capaz de responder aos portugueses no Inverno, no “cenário de tempestade perfeita”.

O apelo surge depois de profissionais de saúde e bastonários terem criticado o Ministério da Saúde por não ouvir quem está no terreno.

A carta, assinada por Luís Campos, da Federação Europeia de Medicina Interna, Kamal Mansinho, infecciologista, Paulo Telles de Freitas, diretor de Medicina Intensiva do Hospital Amadora-Sintra, Victor Ramos, da Escola Nacional de Saúde Pública, e Constantino Sakellarides, ex-diretor-geral da Saúde, foi publicada na sexta-feira pelo Expresso e avisa o Governo que o pior ainda está para vir.

“Se até aqui não fomos sujeitos a um teste de stresse máximo e a resposta foi eficaz graças à dedicação dos profissionais, à paragem da atividade programada e à redução da procura, corremos o risco de o próximo inverno pôr a nu fragilidades críticas do SNS, como reduzida integração entre os cuidados, falta de recursos humanos e financeiros e excesso de centralismo nas decisões”, lê-se.

“As urgências hospitalares vão colapsar […] o internamento irá transbordar” e teremos “muitos médicos, enfermeiros, assistentes técnicos e operacionais exaustos”, adianta ainda a missiva.

O frio, a gripe, as listas de espera, a eventual segunda vaga e a restante atividade vão colocar Portugal “perante circunstâncias excecionais e problemas complexos, que exigem medidas excecionais, atempadas, construídas de forma participada, com o acordo dos vários grupos profissionais”.

“A Saúde não planeou, não teve uma estratégia. Já pedimos o plano para o inverno e estamos à espera que nos chamem. O plano já devia estar feito há pelo menos um mês”, critica Ana Rita Cavaco, bastonária da Ordem dos Enfermeiros, em declarações ao semanário.

A responsável sublinha que a vacinação contra a gripe é uma das medidas essenciais e que o plano de vacinação anda não chegou. Por sua vez, Rui Nogueira, presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, destaca que, no terreno, o receio de uma segunda vaga é grande.

“Temos de saber com tempo o que vamos fazer aos mais de 100 mil doentes crónicos institucionalizados e, no inverno – quando todos tiverem febre, tosse e dor de garganta -, saber como passar a mensagem de que é preciso presumir que todos têm covid e devem ficar em casa, exceto se tiverem falta de ar ou complicações de outras doenças”, disse.

Já a bastonária da Ordem dos Farmacêuticos, Ana Paula Martins, questionou se o Governo vai aproveitar os 3.500 farmacêuticos para administrarem vacinas e evitar a concentração nos centros de saúde. Para já, ainda não há uma resposta para esta pergunta.

ZAP //

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Com os governos portugueses é tudo em cima do joelho e á ultima da hora. Quando as calamidades estão a cair em cima é que tentam fazer algo, que sai quase sempre uma valente M—- até lá andam a passear como se nada fosse. A desgraça só acontece aos outros… COITADOS do povo porque os politicos são a pior GENTALHA que existe. NÃo querem saber do povo para NADA, só para ir votar, até ver porque daqui a nada estamos num estado ditador e aí já nem p/ votos precisam do povo. Auto elegem-se… Acordem.

  2. Os profissionais de saúde tiveram o que pediram, a Champions em Portugal… votaram neles aguentem se com eles, eu não votei neles e tenho de aturar a merda que fazem durante os anos que lá estão…

    Se querem melhores resultados façam escolhas diferentes…

  3. SABIAM QUE…

    1 – De 1 a 26 Julho 2020 temos um excesso de mortalidade (NÃO Covid-19: 1738) +12x a mortalidade Covid-19 de Julho 2020 (143)
    2 – De 1 a 26 Julho 2020 MORRERAM EM EXCESSO (NÃO Covid-19) MAIS PESSOAS (1738) DO QUE AS QUE MORRERAM DE COVID-19 DESDE MARÇO ATÉ AGORA (1719)
    3- O excesso de mortalidade total (NÃO Covid-19) de Março 2020 a 26 Julho 2020 (em relação à média do mesmo período de 2015-2019) é de 3568

    Mais dados em https://www.facebook.com/MariaSpinola/posts/10224128755863916

    E a juntar a tudo isso, ainda temos isto (e NÃO é de agora): https://youtu.be/J7YogYD2JOg?t=5m7s

    • O problemas das pessoas é este tipo de desinformação. A taxa de mortalidade de Covid-19 é baixa porque houve e há medidas para ajudar a manter essa taxa de mortalidade baixa. Vejam a taxa de mortalidade no Brasil, EUA, Inglaterra, Holanda, Suécia… onde as medidas foram muito menores do que as adoptadas em Portugal.
      Se começarmos a ignorar as medidas de precaução, rapidamente vamos entupir os serviços de urgência do SNS e com isso a taxa de mortalidade irá disparar… afinal temos o exemplo do que aconteceu em Itália, onde inicialmente também foi ignorada a gravidade do Covid-19 e foi o que foi, nem as agências funerárias tinham mãos a medir para enterrar os mortos…
      Quanto mais rapidamente seguirem as medidas de prevenção, mais rapidamente conseguimos vencer o virus. Mas para isso é preciso que TODOS sigam as medidas de prevenção para acabarmos com as cadeias de transmissão…
      Virem com teorias de que as taxas de mortalidade são mais baixas que noutras doenças em nada nos vai ajudar a combater a pandemia…
      E caso não se lembrem, uma infecção por Covid-19, em 50% dos casos, deixa mazelas nos pulmões e cérebro, sendo que muitas mortes podem advir mais tarde após infecção pelo Covid-19: https://tvi24.iol.pt/tecnologia/estudo/o-que-a-covid-19-pode-fazer-ao-nosso-cerebro

      • Mike,

        Primeiro, o que foi feito é passado. Agora é hora de olhar para o futuro e não deixar morrer pessoas em excesso por outras causas que não o Covid-19. Ou seja, não deixar a taxa de mortalidade disparar, quer seja covid-19, ou não.
        Neste momento, a taxa de mortalidade NÂO Covid-19 já disparou!!!
        O que estamos a fazer para reverter isso?

        Nota: No entanto, existem muitas imprecisões em relação ao que escreveu, e apenas vou mencionar a maior imprecisão: “Quanto mais rapidamente seguirem as medidas de prevenção, mais rapidamente conseguimos vencer o virus. Mas para isso é preciso que TODOS sigam as medidas de prevenção para acabarmos com as cadeias de transmissão…” –> o vírus só se vence quando ficar endémico e não irá desaparecer tão rápido https://www.facebook.com/falaportugal/videos/922204144929270

        Ou seja, temos de saber viver com ele, e proteger os grupos de risco, que NÃO é isso que temos feito. Por exemplo, nos lares. Porque andaram testar a tordo e a direito à caça de assintomáticos, e porquê deixaram de testar sistematicamente os lares?

  4. Pois, no início não faltaram gabarolices de que tudo marchava sobre rodas, quando demos por ela, estávamos nos primeiros lugares europeus como dos piores, o outono/inverno aproximam-se a passos largos, o caos nos hospitais de todos os invernos é bem conhecido, imagine-se agora com o Covid 19 à mistura, muitos de nós iremos ser rejeitados e as condições de trabalho dos nossos profissionais de saúde nem é bom pensar e no final o resultado será o mesmo que acontece todos os anos com os fogos, muitas promessas e no final tudo na mesma. A prevenção em qualquer dos casos será a arma mais eficaz, mas os políticos não se dão a tal trabalho que até ficaria mais barato.

RESPONDER

Cientistas calculam probabilidade de contágio ao viajar de comboio

Investigadores da Universidade de Southampton, no Reino Unido, calcularam a probabilidade de contrair covid-19 ao viajar numa carruagem de comboio com uma pessoa infetada. Em colaboração com a Academia Chinesa de Ciências, a Academia Chinesa de …

Hong Kong. Magnata da imprensa Jimmy Lai libertado sob caução

O magnata da imprensa e uma das principais figuras do movimento pró-democracia de Hong Kong Jimmy Lai foi esta terça-feira libertado sob caução, constatou a agência France-Presse. Jimmy Lai tinha sido detido na segunda-feira, ao …

Lar de Reguengos de Monsaraz diz ter feito tudo para salvar vidas

A direção do lar de Reguengos de Monsaraz (Évora) onde surgiu o surto de covid-19 que causou 18 mortos garantiu ter feito “tudo” ao seu “alcance” para “salvar vidas”, nesta “crise” com “contornos dramáticos”. A Fundação …

Israel fecha os olhos e deixa palestinianos cruzarem a fronteira para ir a banhos

As autoridades israelitas têm deixado milhares de palestinianos cruzar a barreira de separação entre os dois territórios para poderem ir às praias. Este foi um fim-de-semana muito especial para Siham e os seus cinco filhos. …

Diabéticos e hipertensos voltam a ter faltas justificadas

Os diabéticos e hipertensos sem condições para desempenharem funções em teletrabalho voltam a ter direito a justificar as faltas ao trabalho devido à pandemia de covid-19, segundo um diploma publicado em Diário da República. “Os imunodeprimidos …

Deputada da Coreia do Sul debaixo de fogo. Usou um vestido no Parlamento

Na semana passada, a deputada sul-coreana Ryu Ho-jeong usou um vestido numa assembleia legislativa, sendo bombardeada com críticas que gerou um debate sobre sexismo e a cultura patriacal do país. De acordo com a CNN, na …

SC Braga oficializa "top gun" Gaitán por duas temporadas

O internacional argentino Nicolas Gaitán assinou um contrato com o Sporting de Braga válido por uma época, com outra de opção, informou esta terça-feira o clube minhoto da I Liga de futebol. Formado no Boca Juniors, …

Vacina russa chama-se "Sputnik V" e foi já pedida por 20 países

A vacina russa contra a covid-19, cujo registo foi esta terça-feira anunciado pelo Presidente, Vladimir Putin, chama-se "Sputnik V", vai começar a ser fabricada em setembro e já foi encomendada por 20 países. De acordo com …

Rui Pinto no Twitter: "Travessia do deserto” terminou mas a “luta continua”

Rui Pinto assumiu que a “árdua e longa ‘travessia do deserto’” chegou ao fim, aludindo à sua libertação, mas avisou que “a luta continua”, pois Portugal “continua um paraíso para a grande corrupção” e branqueamento …

PJ deteve suspeita de atear fogo florestal no Parque Nacional da Peneda-Gerês

A Polícia Judiciária (PJ) de Braga deteve uma mulher de 57 anos suspeita de atear um incêndio florestal registado em 4 de agosto no Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG), no concelho de Terras de Bouro. Em …