No combate à pandemia, o Peru não falhou. Foram as condições precárias que o atraiçoaram

Sergi Rugrand / EPA

Ao contrário do Brasil, o Peru apressou-se a agir. As medidas para conter o novo coronavírus foram tomadas muito cedo, mas as condições de vida precárias acabaram por atraiçoar o país.

Martin Vizcarra, Presidente do Peru, adotou uma abordagem radicalmente distinta da do vizinho Brasil: o estado de emergência foi declarado a 16 de março, a quarentena foi imposta e as fronteiras fechadas. Em todo o continente americano, o país foi o pioneiro a dar os primeiros passos para conter a pandemia, que traçava um cenário cinzento na Europa.

No entanto, as medidas adotadas pelo Governo não permitiram conter o número de casos de pessoas infetadas com covid-19 e o cenário é, atualmente, bastante negro: já não há ventiladores disponíveis, 85% das camas dos cuidados intensivos estão ocupadas e receia-se a sobrelotação dos hospitais peruanos.

O retrato é traçado pela CNN, que cita declarações de Alfredo Celis, médico e professor da Faculdade de Medicina do Peru. “A situação não é de emergência, estamos perante uma catástrofe. É o momento em que a pandemia ultrapassou a capacidade de resposta do setor da saúde.”

O Peru não errou. Ao contrário do Brasil, agiu rápida e assertivamente à pandemia, mas o vírus “acabou por expor as nossas condições socioeconómicas“, justificou à mesma estação norte-americana Elmer Huerta, médico peruano.

O confinamento torna-se uma tarefa ainda mais complicada quando a pobreza obriga a população a sair de casa para trabalhar, comer ou levantar dinheiro do banco. No Peru, apenas 49% das famílias tem frigorífico em casa, segundo dados do último censo feito em 2017. Este número traduz-se na necessidade de muitas pessoas terem de ir ao mercado diariamente por não terem como armazenar alimentos frescos.

O distanciamento social é outro calcanhar de Aquiles, num país onde esta enorme procura obriga a longas filas e multidões. “Não temos alternativa. Se não o fizermos não temos comida”, contou uma peruana enquanto esperava na fila de um mercado.

Um dos principais fatores para o fracasso é o facto de cerca de 71% da população ativa no Peru viver da economia informal e receber ao dia. Quem não saísse para trabalhar não recebia, logo não tinha dinheiro para comer.

As filas não foram apenas um problema dos mercados, como também dos bancos. O matutino explica que o Governo destinou entre 9% a 12% do PIB às pessoas que perderam os empregos ou trabalhavam por conta própria em empresas que perderam toda a receita. Ao todo, estavam em causa 6,8 milhões de famílias pobres e vulneráveis.

No entanto, como apenas 38,1% dos peruanos têm conta bancária, as filas às portas dos bancos para levantar o dinheiro não demoraram.

O estado de emergência foi prolongado até ao fim de junho, com recolher obrigatório. Contudo, todos estes entraves sociais e económicos resultaram no cocktail explosivo que fez o Peru derrapar perante uma pandemia.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

É preciso esforço grande agora para salvar o Natal, alerta Santos Silva

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse esta quarta-feira ser necessário “um esforço muito grande” para travar a propagação do coronavírus ” para salvar o Natal” das famílias dos cerca de 5 milhões …

"É uma treta". Ronaldo publica (e depois apaga) crítica a teste à covid-19

O futebolista Cristiano Ronaldo, capitão da seleção portuguesa, modificou a publicação efetuada esta quinta-feira no Instagram, tendo retirado a frase “PCR é uma treta”, em referência ao teste de despiste à presença do novo coronavírus. Um …

PSD confiante em geringonça, mas Ventura lembra que não tem "duas caras". Carlos César quer PS no poder

Com a solução governativa dos Açores em aberto, André Ventura já disse que está fora de questão integrar uma geringonça com "partidos do sistema", mas admite viabilizar um Governo do PSD na região com algumas …

Lage rasga elogios a João Félix. "Vai ser uma das referências do futebol europeu e mundial"

O antigo técnico do Benfica Bruno Lage teceu rasgados elogios ao internacional português João Félix, que esta terça-feira somou dois golos e fez uma boa exibição no jogo do Atlético de Madrid frente ao RB …

"Sentimo-nos em Itália". Médicos do Tâmega e Sousa contradizem hospital e reiteram situação de rutura

Médicos do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS) ouvidos pelo semanário Expresso reiteram que os hospitais que integram o centro, o de Penafiel e o de Amarante, se encontram perto da rutura, contradizendo a …

Vieira reeleito em votação histórica para o sexto (e último) mandato

O presidente do Benfica esta quarta-feira eleito para um sexto mandato, manifestou "orgulho" por vencer o ato eleitoral mais concorrido da história do clube e apelou a que os benfiquistas "respeitem os resultados" do escrutínio. "Vencer …

Bélgica anuncia confinamento parcial. Ministro visita hospital e mostra-se "chocado" com o que viu

O chefe do governo federal na Bélgica anunciou ontem novas medidas de confinamento que entraram em vigor à meia-noite em todo o território. Em causa está uma crescente preocupação com o aumento de infetados que, …

O caso mais antigo de osteopetrose foi descoberto no esqueleto de um homem da Idade do Ferro

Uma equipa de cientistas alemães descobriu o caso mais antigo conhecido de osteopetrose, ou doença dos "ossos da pedra", nos restos mortais de um homem de 20 anos da Idade do Ferro. A osteopetrose é uma …

Orçamento sem favas contadas. Governo depende mais do PCP (que aproveita para apertar o cerco)

A aprovação do Orçamento do Estado para 2021 na generalidade, que contou com o voto contra do Bloco de Esquerda e a abstenção do PCP, deixou o Governo mais dependente da apreciação final do documento …

Oito em cada 10 portugueses é a favor do recolher obrigatório. Metade rejeita novo confinamento

Uma sondagem da Aximage para o Jornal de Notícias e TSF concluiu que a maioria dos portugueses é favor de que Portugal adote o recolher obrigatório, mas é contra um novo confinamento. De acordo com a …