No combate à pandemia, o Peru não falhou. Foram as condições precárias que o atraiçoaram

Sergi Rugrand / EPA

Ao contrário do Brasil, o Peru apressou-se a agir. As medidas para conter o novo coronavírus foram tomadas muito cedo, mas as condições de vida precárias acabaram por atraiçoar o país.

Martin Vizcarra, Presidente do Peru, adotou uma abordagem radicalmente distinta da do vizinho Brasil: o estado de emergência foi declarado a 16 de março, a quarentena foi imposta e as fronteiras fechadas. Em todo o continente americano, o país foi o pioneiro a dar os primeiros passos para conter a pandemia, que traçava um cenário cinzento na Europa.

No entanto, as medidas adotadas pelo Governo não permitiram conter o número de casos de pessoas infetadas com covid-19 e o cenário é, atualmente, bastante negro: já não há ventiladores disponíveis, 85% das camas dos cuidados intensivos estão ocupadas e receia-se a sobrelotação dos hospitais peruanos.

O retrato é traçado pela CNN, que cita declarações de Alfredo Celis, médico e professor da Faculdade de Medicina do Peru. “A situação não é de emergência, estamos perante uma catástrofe. É o momento em que a pandemia ultrapassou a capacidade de resposta do setor da saúde.”

O Peru não errou. Ao contrário do Brasil, agiu rápida e assertivamente à pandemia, mas o vírus “acabou por expor as nossas condições socioeconómicas“, justificou à mesma estação norte-americana Elmer Huerta, médico peruano.

O confinamento torna-se uma tarefa ainda mais complicada quando a pobreza obriga a população a sair de casa para trabalhar, comer ou levantar dinheiro do banco. No Peru, apenas 49% das famílias tem frigorífico em casa, segundo dados do último censo feito em 2017. Este número traduz-se na necessidade de muitas pessoas terem de ir ao mercado diariamente por não terem como armazenar alimentos frescos.

O distanciamento social é outro calcanhar de Aquiles, num país onde esta enorme procura obriga a longas filas e multidões. “Não temos alternativa. Se não o fizermos não temos comida”, contou uma peruana enquanto esperava na fila de um mercado.

Um dos principais fatores para o fracasso é o facto de cerca de 71% da população ativa no Peru viver da economia informal e receber ao dia. Quem não saísse para trabalhar não recebia, logo não tinha dinheiro para comer.

As filas não foram apenas um problema dos mercados, como também dos bancos. O matutino explica que o Governo destinou entre 9% a 12% do PIB às pessoas que perderam os empregos ou trabalhavam por conta própria em empresas que perderam toda a receita. Ao todo, estavam em causa 6,8 milhões de famílias pobres e vulneráveis.

No entanto, como apenas 38,1% dos peruanos têm conta bancária, as filas às portas dos bancos para levantar o dinheiro não demoraram.

O estado de emergência foi prolongado até ao fim de junho, com recolher obrigatório. Contudo, todos estes entraves sociais e económicos resultaram no cocktail explosivo que fez o Peru derrapar perante uma pandemia.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Bezos ofereceu 1,7 mil milhões de euros à NASA para entrar na corrida da próxima viagem à Lua

O empresário norte-americano ofereceu 1,7 mil milhões de euros à NASA numa tentativa de reacender a batalha espacial entre a sua empresa, a Blue Origin, e a do "rival" Elon Musk, a SpaceX. De acordo com …

Clientes com certificado digital válido impedidos de entrar em restaurantes

Estão a ser reportados vários casos de clientes que, ao apresentarem o certificado digital para poderem entrar num restaurante, não conseguem fazê-lo porque o documento está a ser considerado inválido pelos dispositivos eletrónicos. Segundo a rádio …

Covid-19 trouxe "paranoia" ao mercado

Diretor do Norwich City, da Premier League, acha que os responsáveis por alguns clubes não sabem bem o que estão a fazer nos últimos tempos. O Norwich City iria jogar contra o Coventry City, num encontro …

Israel cria "task force" para reverter boicote da Ben & Jerry's na Cisjordânia

Israel criou uma task force para pressionar a empresa de gelados norte-americana Ben & Jerry's e a sua proprietária, Unilever, a reverterem a decisão de boicotar a ocupação israelita na Cisjordânia. "Precisamos de aproveitar os 18 …

Violência armada. 430 mortos na última semana nos EUA e 2021 pode ser dos piores anos de sempre

Só na semana passada registaram-se cerca de 430 mortos e mais de 1000 feridos associados a tiroteios, num ano que está a ser marcado pelo aumento da violência armada nos Estados Unidos. O ano passado foi …

Principais indicadores da crise climática estão a atingir "ponto de inflexão", revela estudo

Um novo estudo sobre os sinais vitais do planeta revelou que muitos dos principais indicadores da crise climática estão a piorar e a aproximar-se ou ultrapassar os pontos de inflexão, à medida que as temperaturas …

Biden acusa a Rússia de tentar intervir nas eleições de 2022 para o Congresso

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Joe Biden, acusou na terça-feira o seu homólogo russo, Vladimir Putin, de tentar interferir nas eleições para o Congresso de 2022, espalhando "desinformação". "Veja o que a Rússia já está …

Polícias rejeitam proposta do MAI para o subsídio de risco e prometem novos protestos

Os sindicatos da PSP e as associações socioprofissionais da GNR rejeitaram, esta quarta-feira, a proposta apresentada pelo Governo para o subsídio de risco e prometem novos protestos até que seja atribuído "um valor justo". "Saímos completamente …

Desta vez, van Vleuten ganhou mesmo (aos 38 anos)

Ficou para trás o episódio caricato do último domingo. Annemiek van Vleuten é a nova campeã olímpica de ciclismo, contrarrelógio. Annemiek van Vleuten iria ficar ligada a um dos momentos mais insólitos, ou mesmo o mais …

Bruxelas assegura aquisição de medicamento para tratamento precoce da covid-19

A Comissão Europeia anunciou, esta quarta-feira, um contrato de aquisição conjunta com a farmacêutica GlaxoSmithKline (GSK) para a compra do sotrovimab, um medicamento destinado ao tratamento precoce da covid-19, cuja utilização está a ser analisada …