No combate à pandemia, o Peru não falhou. Foram as condições precárias que o atraiçoaram

Sergi Rugrand / EPA

Ao contrário do Brasil, o Peru apressou-se a agir. As medidas para conter o novo coronavírus foram tomadas muito cedo, mas as condições de vida precárias acabaram por atraiçoar o país.

Martin Vizcarra, Presidente do Peru, adotou uma abordagem radicalmente distinta da do vizinho Brasil: o estado de emergência foi declarado a 16 de março, a quarentena foi imposta e as fronteiras fechadas. Em todo o continente americano, o país foi o pioneiro a dar os primeiros passos para conter a pandemia, que traçava um cenário cinzento na Europa.

No entanto, as medidas adotadas pelo Governo não permitiram conter o número de casos de pessoas infetadas com covid-19 e o cenário é, atualmente, bastante negro: já não há ventiladores disponíveis, 85% das camas dos cuidados intensivos estão ocupadas e receia-se a sobrelotação dos hospitais peruanos.

O retrato é traçado pela CNN, que cita declarações de Alfredo Celis, médico e professor da Faculdade de Medicina do Peru. “A situação não é de emergência, estamos perante uma catástrofe. É o momento em que a pandemia ultrapassou a capacidade de resposta do setor da saúde.”

O Peru não errou. Ao contrário do Brasil, agiu rápida e assertivamente à pandemia, mas o vírus “acabou por expor as nossas condições socioeconómicas“, justificou à mesma estação norte-americana Elmer Huerta, médico peruano.

O confinamento torna-se uma tarefa ainda mais complicada quando a pobreza obriga a população a sair de casa para trabalhar, comer ou levantar dinheiro do banco. No Peru, apenas 49% das famílias tem frigorífico em casa, segundo dados do último censo feito em 2017. Este número traduz-se na necessidade de muitas pessoas terem de ir ao mercado diariamente por não terem como armazenar alimentos frescos.

O distanciamento social é outro calcanhar de Aquiles, num país onde esta enorme procura obriga a longas filas e multidões. “Não temos alternativa. Se não o fizermos não temos comida”, contou uma peruana enquanto esperava na fila de um mercado.

Um dos principais fatores para o fracasso é o facto de cerca de 71% da população ativa no Peru viver da economia informal e receber ao dia. Quem não saísse para trabalhar não recebia, logo não tinha dinheiro para comer.

As filas não foram apenas um problema dos mercados, como também dos bancos. O matutino explica que o Governo destinou entre 9% a 12% do PIB às pessoas que perderam os empregos ou trabalhavam por conta própria em empresas que perderam toda a receita. Ao todo, estavam em causa 6,8 milhões de famílias pobres e vulneráveis.

No entanto, como apenas 38,1% dos peruanos têm conta bancária, as filas às portas dos bancos para levantar o dinheiro não demoraram.

O estado de emergência foi prolongado até ao fim de junho, com recolher obrigatório. Contudo, todos estes entraves sociais e económicos resultaram no cocktail explosivo que fez o Peru derrapar perante uma pandemia.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cidade japonesa acaba de proibir a utilização de telemóveis enquanto se caminha

A cidade japonesa de Yamato acaba de aprovar uma proposta de lei que proíbe as pessoas de utilizarem telemóveis enquanto caminham. A cidade, localizada num subúrbio de Tóquio, entende que os telemóveis são um risco …

MIT apagou base de dados popular que ensinou IA a ser racista e sexista

O Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, viu-se obrigado apagar uma base de dados de treinamento de Inteligência Artifical (IA) depois de esta ensinar vários algoritmos a usar insultos racistas e sexistas. …

Escola Básica e fábrica de Paços de Ferreira encerradas, com nove casos positivos

A Escola Básica n.º 2 e a Fábrica de Lacados Abrelac, em Paços de Ferreira, Porto, foram encerradas após diagnosticados nove casos de covid-19 para “prevenção” e para “interromper as cadeias de transmissão”, disseram hoje …

Mais nove mortes e 328 casos confirmados em Portugal

Portugal regista hoje mais nove óbitos por covid-19, em relação a sábado, e mais 328 casos de infeção confirmados, dos quais 254 na região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo os dados da Direção-Geral …

Cientistas criam miniatura de ondas de choque de supernovas (e quase desvendam um mistério)

Esta versão em miniatura das ondas de choque das supernovas pode ter ajudado os cientistas a chegar muito perto da resolução de um antigo mistério cósmico. Uma equipa de investigadores do Departamento de Energia do Centro …

Na Indonésia, são os recém-licenciados quem mais vai sofrer com o impacto económico da covid-19

A covid-19 continua a desacelerar a economia na Indonésia e pode causar graves impactos nos recém-licenciados que entram no mercado de trabalho pela primeira vez. Na Indonésia, o crescimento económico diminuiu para 2,97% durante o primeiro …

Mudanças climáticas ameaçam 60% das espécies de peixes do mundo

Uma nova investigação levada a cabo por cientistas do Instituto Alfred Wegener, na Alemanha, sugere que as mudanças climáticas podem destruir mais espécies de peixes do que se pensavam anteriormente. Se as temperaturas globais subirem …

Engenheiros desenvolvem célula de combustível duas vezes mais eficiente do que a de hidrogénio

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, desenvolveu um novo processo para uma célula de combustível que funciona com o dobro da tensão das células a combustível tradicionais de hidrogénio. O novo …

Preços das bebidas concertados durante anos. Seis supermercados sob suspeita de cartel

Seis grupos de distribuição alimentar e dois fornecedores de sumos, vinhos e outras bebidas, foram acusados pela Autoridade da Concorrência de concertarem preços durante vários anos em prejuízo do consumidor. "Após investigação, a Autoridade da Concorrência, …

Sindicato denuncia mobilização forçada de médicos para tratar surto de Reguengos de Monsaraz

O Sindicado dos Médicos da Zona Sul (SMZS) denunciou hoje o que diz ser uma “mobilização forçada de médicos” pela Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo para o combate ao surto de covid-19 de …