“Parar de defender a cidade.” Batalhão Azov rende-se em Mariupol

Alkis Konstantinidis / Reuters

Esta sexta-feira, os últimos soldados ucranianos entrincheirados na fábrica siderúrgica Azovstal, em Mariupol, receberam ordens de Kiev para “deixarem de defender a cidade”.

Os últimos soldados ucranianos entrincheirados na fábrica siderúrgica Azovstal, em Mariupol, sudeste da Ucrânia, receberam ordens de Kiev para “deixar de defender a cidade“, anunciou esta sexta-feira um dos comandantes do regimento Azov.

“O alto comando militar deu a ordem para salvar a vida dos soldados da nossa guarnição, parando de defender a cidade”, disse Denys Prokopenko, comandante do regimento Azov, uma das unidades ucranianas presentes na siderúrgica.

O complexo metalúrgico, com o seu labirinto de galerias subterrâneas escavadas nos tempos soviéticos, foi a última bolsa de resistência ucraniana nesta cidade portuária no Mar de Azov, fortemente bombardeada pelos russos.

Após a recente retirada de civis, incluindo mulheres e crianças de Azovstal, 1.908 soldados ucranianos entrincheirados nas entranhas da siderúrgica, incluindo os feridos, têm-se rendido, desde segunda-feira, às forças russas, informaram as autoridades de Moscovo.

Conseguimos salvar os civis, os feridos graves receberam a ajuda necessária, conseguimos retirá-los para uma troca posterior”, explicou Prokopenko, acrescentando que espera que em breve seja também possível enterrar dignamente os soldados mortos em combate.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.