Parabéns a vocês, que há um ano fizeram 11 milhões chorar

“Eu já disse à minha filha, eu só vou dia 11 para Portugal. Vou ficar cá muito tempo e vou lá e vou ser recebido em festa”, disse Fernando Santos de peito cheio e poucos foram os que acreditaram.

Depois de uma competição marcada pelos empates, de quase cem minutos sem Ronaldo – no último jogo – e de o mais criticado virar o grande herói da nação portuguesa, faz hoje um ano que, em França – e contra ela -, a seleção nacional pôs um país inteiro a chorar, desta vez de alegria, e soube levantar uma taça como ninguém. Pelos 11 milhões.

Esta segunda-feira, passado um ano desde a vitória portuguesa, o presidente da Federação Portuguesa de Futebol Fernando Gomes falou à Lusa sobre a conquista: “É um dia que nunca mais esqueceremos. Aquele remate do Éder já na segunda parte do prolongamento, aqueles minutos finais que nunca mais passavam, a alegria imensa quando tudo se confirmou. A festa que todos os portugueses fizeram e a forma como, a 11 de julho, fomos recebidos… São imagens e sensações que guardaremos para sempre”.

A vitória da competição europeia foi um feito inédito na história do futebol português sénior. O presidente da Federação não esconde que sempre acreditou, lembrando que esta era uma conquista já há muito procurada pelos portugueses. “Sentíamos que era possível voltar de França como campeões europeus. Não era uma obrigação, mas era um desejo muito forte, que a partir de certa altura, se tornou um objetivo claro”.

Fernando Gomes lembrou ainda a importância do papel do selecionador Fernando Santos e dos jogadores. “Destaco o papel do nosso selecionador, Fernando Santos, que acreditou sempre, e os jogadores, naturalmente: os 23 que estiveram em França e também aqueles que, não tendo estado na fase final, contribuíram para o apuramento. Este foi um título de todos os portugueses”.

O dirigente confessa também que acredita que a vitória portuguesa só veio trazer à seleção um estatuto mais vincado e que ganhar uma competição como o Euro2016 depende de muitos fatores.

“Nunca se pode tomar esse objetivo como garantido, porque há outras seleções com qualidade que procuram o mesmo. Mas, o que me parece fundamental destacar é que Portugal tem estatuto, dimensão e qualidade para acreditar, quando inicia a presença numa grande competição, que a pode vencer ou, pelo menos, que tem condições de chegar à final ou às meias finais”.

“O título europeu de 2016 foi o culminar de um percurso sólido e bem-sucedido, que queremos prolongar e reforçar. Como refere muitas vezes o selecionador nacional Fernando Santos, Portugal não entra nas competições como favorito, mas todos, a começar pelos portugueses, sabem que somos candidatos a vencer”, rematou Fernando Gomes.

A depressão pós-Euro 2016

Mais de um terço dos jogadores que participaram na histórica conquista da seleção portuguesa de futebol no Euro2016 sofreu de uma ressaca negativa em termos de utilização nos respetivos clubes, com Renato Sanches a encabeçar a lista.

O médio que alinha pelo Bayern Munique, tinha tido uma ascensão meteórica em 2015/16, que acabou por lhe valer um lugar na lista de Fernando Santos para o Campeonato da Europa. Renato Sanches foi, de longe, o campeão europeu que mais sofreu na época 2016/17, depois de os alemães terem pagado 35 milhões de euros – que podem chegar aos 80 – ao Benfica.

Na temporada que antecedeu o Euro, Renato Sanches somou 35 jogos pela equipa principal do Benfica, 31 dos quais como titular, anotando dois tentos e somando 2698 minutos.

Um ano volvido, em 2016/17, o médio, de 19 anos, contabilizou apenas nove partidas no onze inicial dos bávaros, num total de 25 participações, não marcou qualquer golo e averbou 905 minutos em campo, situação que ajudou a que ficasse fora dos eleitos para a Taça das Confederações.

Além do jovem médio, também Eduardo, Pepe, Ricardo Carvalho, Vieirinha, Eliseu, João Mário, Nani e Rafa foram menos utilizados nos respetivos clubes, na temporada que terminou, embora por razões diferentes.

João Mário, que foi um dos indiscutíveis do selecionador durante a campanha triunfante em França, trocou o Sporting pelo Inter Milão, também por muitos milhões, após uma época em que tinha registado 45 jogos, sete golos e 3598 minutos ao serviço dos ‘leões’.

Em Itália, o médio, de quem se diz poder estar a caminho do Paris Saint-Germain, começou por ser aposta constante, mas, a meio da época, deixou de ser opção regular na equipa principal e fechou a temporada com 23 presenças na formação titular, num total de 32 jogos, 2169 minutos e três golos.

O central Pepe, que na passada semana assinou contrato com os turcos do Besiktas, depois de uma década no Real Madrid, teve uma época 2016/17 fustigada por lesões, que o limitaram a 1460 minutos pelos merengues, divididos por 18 jogos, em contraste com os 31 encontros e 2734 minutos somados na temporada que antecedeu o Europeu.

Nani foi outro dos elementos lusos afetados com problemas físicos no pós-Euro2016. O extremo, que foi o segundo atleta mais utilizado por Fernando Santos no Europeu, fechou a campanha ao serviço do Valência com praticamente metade dos jogos, dos minutos e dos golos que tinha alcançado pelo Fenerbahçe um ano antes.

O mesmo sucedeu com Rafa, que trocou o Sporting de Braga pelo Benfica e acabou por ter uma utilização consideravelmente inferior. Em 2015/16, o extremo somou 50 jogos – 41 como titular, 12 golos e 3770 minutos pelos minhotos, enquanto em 2016/17 entrou de início em 20 partidas, anotou dois tentos e foi aposta de Rui Vitória em 1808 minutos.

Eduardo deixou a titularidade no Dínamo Zagreb para ser o terceiro guarda-redes no Chelsea, enquanto Ricardo Carvalho, que tinha terminado contrato com o Mónaco em 2016, optou por rumar ao futebol chinês, em fevereiro deste ano, tendo apenas um encontro realizado pelo Shanghai SIPG.

Por seu lado, Vieirinha e Eliseu também não deram sequência ao desempenho anterior ao Europeu. O lateral/extremo do Wolfsburg enfrentou algumas lesões e foi apenas titular em 16 encontros durante a temporada, não mais sendo chamado por Fernando Santos, ao passo que o lateral do Benfica, 44 vezes titular em 2015/16, foi relegado para suplente de Grimaldo, ainda que tenha aproveitado a lesão do espanhol para ser aposta em 20 jogos, 19 delas como titular.

Os restantes 14 campeões europeus pouca variação sofreram em termos de utilização, sendo que, em alguns casos, conseguiram mesmo superar o registo pessoal que antecedeu o Campeonato da Europa, como são os exemplos de Cristiano Ronaldo, Cédric, João Moutinho, Danilo, Quaresma e de Éder, autor do golo da vitória sobre a França, na final disputada precisamente há um ano, em Saint-Denis  que ficou a 1-0.

ZAP //

PARTILHAR

13 COMENTÁRIOS

    • Caro Zabist,
      O facto de haver 10.292.164 pessoas a viver em Portugal, não significa que apenas haja 10 milhões de portugueses no Mundo.
      De qualquer forma, “esses 11 milhões” que noticiamos são uma referência explícita à campanha “Não somos 11, somos 11 milhões”, que a FPF lançou antes do Euro2016 e que lhe valeu um prémio da UEFA.

      • Mesmo com imigrantes que até possam ser 3 milhões se quiser, dava cerca de 10 milhões e meio.
        Lá porque uma campanha tenha usado 11 milhões para exagerar e dar ênfase à mesma, não quer dizer que caiam no mesmo erro.
        Mais uma vez, não falem pelos outros.
        Eu pelo menos não gosto de me incluir nesses 11 milhões, porque simplesmente não gosto de futebol. E não devo ser o único.

    • Ah, estão a falar dos portugueses….
      1. Não somos 11 milhões, e se fosse para arredondar éramos 10 milhões.
      2. Desses 10 milhões e tal 5 milhões e tal são homens, e 6 milhões e tal são mulheres.
      3. Desses homens têm que tirar as crianças que não têm idade nem sentimentos pelo futebol, o mesmo para as mulheres.
      4. Deste universo têm que tirar todos os idosos que também já não manifestam qualquer interesse por futebol.
      5. Falta depois tirar todos os restantes que simplesmente o futebol não lhes diz nada, zero, independentemente seja Portugal a jogar ou não.

      O que resta? Menos de 5 milhões de portugueses provavelmente.
      Nunca falem em nome dos portugueses num geral. Se não sabem números, não inventem nem exagerem.
      O titulo da noticia quanto muito poderia conter …”fez chorar muitos português”.

      • Caro Zabist,

        Lamentamos que considere útil e importante questionar um título criativo numa peça desta natureza, mas como parece não ter percebido, vamos repetir:
        “Esses 11 milhões” que noticiamos são uma referência explícita à campanha “Não somos 11, somos 11 milhões”, que a FPF lançou antes do Euro2016.
        Se estivéssemos a falar de portugueses, talvez tivéssemos arredondado para 15 milhões – o que talvez o obrigue a rever os seus próprios arredondamentos.
        Independentemente disso, pedimos-lhe que tenha algum decoro quando usa expressões como “nunca falem”, ou “o titulo da noticia quanto muito poderia conter”.

  1. Parabéns à selecção,o único erro do video é não se ver a cara do JOGADOR QUE MARCOU o GOLO DA VITÓRIA. Aposto que se tivesse sido o Ronaldo lá estaria…o seu rosto!!!

  2. Eu não chorei. Aliás, para além dos jogadores e staff da seleção e ainda o comentador da TSF, não conheço mais ninguém que tenha chorado! Se calhar esses são os tais 11 milhões, as contas em Portugal são assim mesmo: há clubes que têm 14 milhões, outras vezes 6 milhões e os adeptos de todos os clubes somados dá para aí uns 40 milhões, a única coisa certa é que devem (em euros) mais do que aquilo que valem e um dos atuais presidentes desses clubes já nos sacou pelo menos 300 milhões com o assalto que fez no BES. E ninguém quer saber! Isso é que me faz chorar.

  3. 9.999 choraram (porque 11 milhóes é quase que não existe, ZAP)! Eu não (talvez tenha vomitado um pouco)! Não tenho qualquer orgulho “nesta” selecção. E muito menos depois da exibição patética (e vergonhosa) que teve nesse mesmo campeonato. mas podem dizer: Ganhou! Pois sim, ganhou. Porque as outras selecções conseguiram (o que é um feito por si só) serem bem piores que “esta” selecção. Fernado Santos o treinador do ano? Ele ainda não sabe como ganhou…
    Tenho orgulho de ser português e de Portugal (como nação onde nasci) mas não tenho qualquer orgulho por muitos portugueses “que andam por aí”… Especialmente nas eleições (refiro-me à abstenção). Numa altura que os “verdadeiros” portugueses (da treta!) poderiam mostrar o seu patriotismo, optam por ir á praia ou ficar em casa. Português é só para o futebol (quando se ganha).

    • Caro senhor,
      Há mais do que os 9.999 que conseguiu calcular.
      Na realidade, tal como relembrado acima, o número de portugueses no Mundo não se resume à população residente em Portugal, que está estimada em 10.292.164

    • Você emociona-se com pouco… Mas ainda bem que, para si, ficou feliz. Eu não me satisfaço com tão pouco. Mas eu sou eu, não é? Tenho alguma inveja de si. Alguma…

  4. País inteiro!! Que delírio!!! 11 milhões. Conta muito errada. Tire pelo menos daí unidade, a minha e talvez se deva subtrair muitíssimas mulheres, muitos homens, pessoas idosas, crianças e bebés. Não chorei de alegria, nem de tristeza, mas lamentei a mistificação futebolística, tornada religião laica, nova causa da decadência dos povos peninsulares e mundiais, a precisar de Anteros que a denunciem.

RESPONDER

Marcelo satisfeito com reabertura “sensata”. Alívio das restrições arranca hoje

O levantamento gradual das restrições em função da vacinação contra a covid-19 arranca este domingo com regras aplicáveis em todo o território continental, inclusive o limite de horário de encerramento até às 2h00 para restauração …

Restos mortais de morcego-vampiro podem desvendar mistérios sobre a espécie extinta

A descoberta da mandíbula de um morcego que viveu há 100 mil anos pode ajudar a responder a algumas incógnitas sobre a espécie extinta. Os restos mortais foram encontrados numa caverna na Argentina. De acordo com …

Vacinação de crianças saudáveis está aberta à "livre escolha dos pais"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, salientou este sábado que as autoridades de saúde não proibiram a vacinação contra a covid-19 para crianças saudáveis, considerando que “esse espaço continua aberto à livre escolha …

Tal como nos humanos, a cafeína ajuda as abelhas a aumentar o foco e a eficácia

Um novo estudo indica que, tal como em muitos humanos, uma injeção de cafeína ajuda as abelhas a manterem-se mais concentradas e a realizarem o trabalho com mais eficiência. Uma equipa da Universidade de Greenwich percebeu …

Astrónomos detetam, claramente e pela primeira vez, um disco a formar satélites em torno de exoplaneta

Com o auxílio do ALMA, do qual o ESO é um parceiro, os astrónomos detetaram pela primeira vez de forma clara a presença de um disco em torno de um planeta fora do nosso Sistema …

E se a Terra parasse subitamente de girar?

O nosso planeta demora 23 horas e 56 minutos a completar uma volta em torno do seu eixo, movendo-se a cerca de 1.770 quilómetros por hora. Aprendemos estes pormenores sobre o planeta azul na escola, …

Sporting 2 - 1 Braga | Leão entra em 2021/22 a rugir

O Sporting parece querer manter a senda de sucesso da época passada e entrou em 2021/22 com o pé direito. Os “leões” bateram o Sporting de Braga por 2-1, num jogo que valeu, sobretudo, pela primeira …

Ensinar crianças a dizer palavrões? Uma cientista acha que é boa ideia

A auto-intitulada "cientista dos palavrões" acredita que ensinar as crianças a usá-los de forma eficiente ajuda os mais novos a perceber como este palavreado afecta outras pessoas. Já se sabia que dizer palavrões é um sinal …

Fósseis misteriosos podem ser uma das provas mais antigas de vida animal na Terra

Elizabeth Turner, cientista numa universidade do Canadá, poderá ter encontrado a prova mais antiga de vida animal na Terra. Uma cientista encontrou possíveis sinais de vida animal multicelular em restos de recifes microbianos de há 890 …

E se o mundo entrasse em colapso? Cientistas descobrem qual o país onde há maior probabilidade de sobreviver

Caso a civilização entre em colapso - uma possível consequência das alterações climáticas - os cientistas já descobriram qual o lugar do mundo onde há maior probabilidade de sobreviver: é na Nova Zelândia. Numa pesquisa, dois …