/

Pandemia agrava-se no México. Presidente é contra o uso de máscara

Mario Guzman / EPA

Andres Manuel Lopez Obrador, Presidente eleito do México

O Presidente do México desvalorizou na quarta-feira a importância do uso de máscara para combater a pandemia de covid-19, que já fez 41.190 mortos no país.

As declarações de Andrés Manuel López Obrador surgiram um dia depois de o secretário do Tesouro daquele país ter defendido o uso de máscara para travar a progressão da doença e reativar a economia, com o Presidente mexicano a considerar que isso seria “desproporcionado”.

“Se a máscara fosse uma opção para a reativação da economia, passaria a usá-la imediatamente”, disse López Obrador, citado pela agência de notícias Associated Press (AP). “Mas não é assim. Eu sigo as recomendações dos médicos, dos cientistas”, acrescentou o governante, de 66 anos.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda no entanto o uso de máscara como uma das medidas para travar a propagação da pandemia do novo coronavírus.

O Presidente mexicano nunca foi visto com máscara em público, à exceção de quando se encontrou com o seu homólogo norte-americano nos Estados Unidos, Donald Trump, no início deste mês.

Obrador criticou ainda a imprensa por destacar o elevado número de mortos em países com governantes que não usam máscara, incluindo o México, Estados Unidos e Brasil.

Na terça-feira, o secretário do Tesouro mexicano, Arturo Herrera – ele próprio infetado com covid-19, entretanto recuperado -, defendeu num encontro virtual com empresários que os países que adotaram maiores precauções na reabertura da economia têm sido mais bem sucedidos do que países menos cuidadosos, obrigados a decretar novo confinamento.

O México já ultrapassou os 41 mil mortos desde o primeiro caso no país, em 28 de fevereiro, tendo registado 790 óbitos só nas últimas 24 horas, indicou o Ministério da Saúde mexicano.

O país é o quarto no mundo com o maior número de mortes provocadas pela doença, depois dos Estados, Brasil e Reino Unido.

Na quarta-feira, as autoridades de saúde mexicanas informaram que a covid-19 é agora a principal causa de morte entre mulheres grávidas, sendo responsável por 19% dos óbitos.

O México registou ainda 6.019 novos casos da doença nas últimas 24 horas, elevando o total de infeções para 362.274 desde o início da pandemia, mas o país faz tão poucos testes que o número de contágios poderá ser muito superior aos dados oficiais.

Além disso, as autoridades de Saúde mexicanas informaram que há 87.905 casos suspeitos à espera de resultados laboratoriais e 2.402 mortes cuja causa não pôde ainda ser estabelecida.

A cidade do México e os estados do México, Baixa Califórnia, Veracruz e Puebla concentram a maioria dos óbitos, representando mais de metade (51,3%) do total de mortes no país.

Só a capital mexicana contabiliza 20,5% das vítimas mortais da covid-19 desde o início da pandemia, com 8.440 mortos.

O México está na oitava semana da chamada “nova normalidade”, que funciona com base num semáforo epidemiológico a quatro cores, a partir do qual são reguladas as atividades económicas e de convivência em cada um dos 32 estados do país.

Em 18 estados está a ser aplicado o vermelho, de risco epidémico máximo, e em 14 o laranja, considerado de alto risco. Ainda nenhum estado foi declarado amarelo (risco médio) ou verde (risco baixo).

  // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.