Pandemia agrava défice nacional para 8.332 milhões de euros

António Pedro Santos / Lusa

O ministro das Finanças, João Leão.

O défice das contas públicas portuguesas agravou-se em 7.853 milhões de euros até julho, chegando aos 8.332 milhões de euros (ME), divulgou esta quarta-feira o Ministério das Finanças, em comunicado.

“A execução orçamental em contabilidade pública das Administrações Públicas (AP) registou até julho um défice de 8.332 ME, um agravamento em resultado da pandemia de 7.853 ME face ao período homólogo pelo efeito combinado de contração da receita (-10,5%) e de crescimento da despesa (5,3%)”, pode ler-se no comunicado das Finanças que antecede a Síntese de Execução Orçamental da Direção-Geral do Orçamento (DGO).

Segundo o ministério liderado por João Leão, “a execução evidencia os efeitos da pandemia da covid-19 na economia e nos serviços públicos também na sequência de adoção de medidas de política de mitigação”.

“Destaca-se a redução da receita fiscal e contributiva em resultado da diminuição acentuada da atividade económica provocada pelo período mais intenso de recolhimento e de utilização do ‘lay-off'”, pode também ler-se no comunicado enviado hoje pelo Ministério das Finanças às redações.

As Finanças contabilizaram ainda 2.271 milhões de euros de “degradação adicional” do saldo orçamental devido a “medidas extraordinárias de apoio às famílias e às empresas”, atribuíveis à quebra na receita (-672 milhões de euros) e aumento da despesa (1.599 milhões de euros).

A quebra na receita reflete “os impactos da prorrogação das retenções na fonte (IRS e IRC) e pagamento do IVA, bem como da suspensão de execuções de receita (ainda sem quantificação da prorrogação das contribuições para a Segurança Social) e das medidas de isenção ou redução da taxa contributiva”, segundo a tutela.

Já o aumento da despesa está “principalmente associado às medidas de ‘lay-off’ (752 ME), aquisição de equipamentos na saúde (304 ME) e outros apoios suportados pela Segurança Social (342 ME)”, de acordo com o ministério liderado por João Leão.

A receita fiscal contraiu-se 14,6%, “com a generalidade dos impostos a evidenciar quebras que resultam da contração da atividade económica”, com destaque para “a diminuição de 12,8% no IVA (observando-se, no entanto, uma forte desaceleração desta queda em termos mensais face aos dois meses anteriores)”, sendo também largamente influenciada “pelo impacto no IRC do adiamento do pagamento do primeiro pagamento por conta para agosto de 2020”.

“As contribuições para a segurança social apresentaram um decréscimo de 2,4%, mantendo a tendência de desaceleração face aos meses pré-covid-19 (até fevereiro a receita com contribuições crescia 7,4%)”, indicam também as Finanças.

Segundo o ministério, o aumento da despesa está também associado às “prestações sociais, SNS [Serviço Nacional de Saúde] e investimento público”.

“A despesa primária cresceu 6,9% influenciada pela significativa evolução da despesa da Segurança Social (+12,7%, +1.944 ME), dos quais cerca de 1.094 ME associados à covid-19, bem como a despesa com pensões (3,6%) e outras prestações sociais excluindo medidas específicas covid-19 (10,5%), tais como as Prestações de Desemprego (21,4 %), Subsídio por Doença (16,5%), Prestação Social para a Inclusão dirigida a pessoas com deficiência (26,6%) e Abono de Família (13,1%)”, pode ler-se no comunicado de hoje das Finanças.

O Governo assinala que, para enfrentar a pandemia, a despesa do SNS aumentou 6,2%, “destacando-se o aumento extraordinário do investimento (+187,3%) e das despesas com pessoal (+4,7%)”, aqui ajustado dos efeitos do fim da parceria público-privada (PPP) do hospital de Braga.

“A despesa com salários dos funcionários públicos cresceu 3,3%, corrigida de efeitos pontuais”, também associados à PPP de Braga”, destacando também o Governo “o reforço de mais 9.673 profissionais na área da saúde, um aumento homólogo de 7,4%”, e adicionando que o aumento das despesas com pessoal resultam também “da conclusão do descongelamento das carreiras, destacando-se o aumento de 4,8% da despesa com salários dos professores”.

Segundo as Finanças, “o investimento público aumentou 42,9% na Administração Central e Segurança Social, excluindo PPP”, atribuído pelo Governo ao programa Ferrovia 2020 e a “outros investimentos estruturantes”, bem como à “aquisição de material médico para o combate à Covid-19 destinado aos hospitais”.

Já os pagamentos em atraso “reduziram-se em 299 ME face a julho de 2019″, algo “explicado pela diminuição dos pagamentos em atraso no SNS em 328 ME”.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Sonda passa ao lado de Vénus, tira-lhe uma fotografia e surpreende cientistas da NASA

A imagem obtida pelo Wide-field Imager (WISPR) da Parker Solar Probe foi capturada a 12.380 quilómetros de Vénus. A Parker Solar Probe, da NASA, capturou vistas deslumbrantes de Vénus em julho de 2020. O alvo da …

Cientista descobre espécie extinta de ganso através de uma pintura egípcia

Uma famosa pintura que estava originalmente no túmulo do príncipe egípcio Nefermaat levou um cientista a descobrir uma espécie de ganso já extinta. A cena "gansos de Meidum", originalmente pintada no túmulo do príncipe Nefermaat, encontra-se …

Físico cria algoritmo de IA que pode provar que a realidade é uma simulação

Hong Qin, do Laboratório de Física de Plasma de Princeton (PPPL) do Departamento de Energia dos EUA, criou um algoritmo de Inteligência Artificial que pode provar que a realidade é, na verdade, uma simulação. O algoritmo …

Quase 10 anos depois, avião de Gaddafi continua parado num aeródromo em França

Quase uma década depois de ter aterrado em solo francês, o avião presidencial do ex-ditador líbio continua parado num aeródromo no sul do país, estando no meio de vários processos judiciais que parecem não ter …

Governo recebeu 1.600 ideias para a bazuca. Costa agradece mobilização

Durante a fase de discussão pública, o Plano de Recuperação e Resiliência recebeu mais de 1.600 contribuições e mais de 65 mil consultas. O primeiro-ministro António Costa disse que, durante a fase de discussão pública, …

"Honjok" é o nome do movimento sul-coreano que reivindica a solidão

A solidão tornou-se um tema recorrente devido à pandemia de covid-19. Na Coreia do Sul, existe um movimento chamado "honjok", que promove um estilo de vida solitário. O isolamento imposto pela pandemia de covid-19 está a …

Do subsolo sírio à nomeação ao Óscar: hospitais em tempos de guerra numa "era de impunidade"

The Cave é o nome de uma produção que esteve nomeada para o Óscar de Melhor Documentário de 2020. É também o lugar onde hospitais sírios se escondem para salvar vidas longe de bombardeamentos e …

Patrícia Mamona sagra-se campeã no triplo salto em pista coberta

Esta tarde, Patrícia Mamona tornou-se a terceira atleta portuguesa a garantir a medalha de ouro para Portugal no Campeonato da Europa em pista coberta. A portuguesa Patrícia Mamona conquistou, este domingo, a medalha de ouro na …

Dias de aulas mais longos, férias mais curtas e cinco períodos. Em Inglaterra, já se equacionam formas de recuperar o tempo perdido

Há três medidas em cima de mesa que podem vir a ser adotadas para combater os atrasos na aprendizagem dos alunos. Na Inglaterra, as escolas reabrem para aulas presenciais esta segunda-feira, mas já se pensa …

Índia abre centro de bem-estar para hóspedes abraçarem vacas e "esquecerem todos os problemas"

Animais de conforto e apoio emocional são cada vez mais populares em todo o mundo. Embora a maioria das pessoas use cães ou gatos, há também algumas escolhas mais bizarras, incluindo pavões, macacos e cobras. Os …