Orçamento de 2020 sem verba para pré-reformas na Função Pública

António Pedro Santos / Lusa

Alexandra Leitão, ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública

Alexandra Leitão, ministra da Modernização do Estado e Administração Pública, esclareceu que a proposta do Orçamento do Estado para o próximo ano não deverá reservar qualquer verba para financiar pré-reformas na função pública.

Segundo o Diário de Notícias, a ministra da Modernização do Estado e Administração Pública adiantou que as pré-reformas na função pública será um dos temas para negociação a partir do primeiro trimestre do próximo ano. No entanto, verbas para tal só em 2021.

“O compromisso que é assumido na lei do orçamento é o de negociar isso durante 2020 com os sindicatos. Só depois da negociação, e de haver um conjunto de critérios densificados, é que podemos quantificar. E, portanto, essa verba estará seguramente nos orçamentos de 2021 e seguintes”, disse Alexandra Leitão.

Ainda assim, a ministra assegurou que o calendário não prejudicará que em algumas áreas – a educação será uma das que tem mais pedidos – possa dar-se início ao acesso à pré-reforma se houver verba para tal após estabelecidos os critérios de acesso. “Pode haver já momentos anteriores em 2020 em função das dotações que as próprias áreas setoriais tenham.”

Em relação à proposta de aumentos salariais que se espera que possa ser conhecida na próxima quarta-feira, Alexandra Leitão justificou a opção por não apresentar números no primeiro encontro em negociações com os sindicatos.

“Demora mais a analisar um articulado, discutir propostas, do que discutir um número”, defendeu, considerando “legítimo” que os sindicatos tivessem expectativa de discutir desde logo a subida de salários generalizada.

“O que fizemos nesta primeira reunião foi entregar a proposta de articulado da Administração Pública, que tem um quadro estratégico que pretendemos desenvolver já a partir do primeiro trimestre de 2020, negociando com as estruturas sindicais um acordo plurianual que engloba uma apreciação mais estrutural da área da Administração Pública, com aspetos como um programa plurianual de saídas e entradas na Administração Pública, como a conciliação da vida pessoal, profissional e familiar, a saúde e segurança no trabalho e outros”, explicou.

A ministra assinalou que “a massa salarial [na Administração Pública] já cresce consideravelmente em função do desenvolvimento normal das carreiras”. “Teremos agora que discutir na quarta-feira os aumentos“, disse.

ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Pré reforma para o pessoal do ensino faz todo o sentido, não seja este o sector que reclama insistentemente que tem falta de pessoal docente e não docente.
    Assim ficam com menos, confirmando aquela máxima que diz que “menos é mais”…
    Grande confusão vai na minha cabeça.
    E na saúde, onde faltam médicos, enfermeiros e sei lá que mais, também vão haver pré reformas dos existentes, atendendo a que “menos é mais”!
    Espero que não venham com pré reformas para os políticos, se “menos é mais”, já temos (maus) políticos em abundância.

RESPONDER

Ana Gomes espera "verdadeiro Portugal Leaks" com Rui Pinto a colaborar com a justiça

A antiga eurodeputada Ana Gomes considerou que “é um verdadeiro Portugal Leaks” que se pode esperar a partir de agora, depois de Rui Pinto aceitar colaborar com a justiça portuguesa. O criador do Football Leaks e …

Exames nacionais adiados. Terceiro período arranca a 14 de abril (mas à distância)

Esta quinta-feira, António Costa falou ao país para anunciar que o 3.º período irá recomeçar no dia 14 de abril, mas sem aulas presenciais. Os exames nacionais do ensino secundário foram adiados para julho e …

TAP. Estado equaciona reformas antecipadas sem penalizações

O Jornal Económico escreve esta quinta-feira que o Estado pondera avançar com reformas antecipadas sem penalizações na TAP, visando assim diminuir o impacto da pandemia de covid-19 na companhia aérea portuguesa. Apesar de a empresa ter …

Santa Maria ganha 40 camas para os cuidados intensivos

A maior unidade hospitalar do país reforçou capacidade dos Cuidados Intensivos para os doentes infetados, passando das atuais 80 camas para cerca de 120. O Hospital Santa Maria, em Lisboa, vai quadruplicar a sua capacidade …

"Isto é criminoso". Estivadores dizem que há risco de portos pararem

"Da forma como estamos a trabalhar nos portos, corremos o risco de todo o contingente ficar parado, porque não há nenhum cuidado em termos de criar equipas rotativas", garantiu o líder sindical. O presidente do Sindicato …

Demitiu-se o diretor do serviço de cirurgia e transplantação do Curry Cabral

Américo Martins demitiu-se esta quarta-feira por ter visto impedida a proposta de reorganização com circuitos independentes no hospital. O diretor do Serviço de Cirurgia Geral e Transplantação do Hospital Curry Cabral, Américo Martins, demitiu-se esta quarta-feira …

Bancos impedidos de cobrar comissões por operações digitais. Acesso a jogos online limitados

Os bancos vão ficar impedidos de cobrar comissões por operações de pagamento através de plataformas digitais dos prestadores de serviços, segundo uma proposta do PEV com alterações do PS aprovada no Parlamento. O projeto de lei …

Pessoas assintomáticas devem usar máscara, diz Centro Europeu de Controlo de Doenças

Num relatório divulgado na quarta-feira, o Centro Europeu de Controlo de Doenças (ECDC) referiu que as máscaras podem reduzir a propagação do novo coronavírus de pessoas assintomáticas, recomendando a sua utilização. De acordo com o Público, …

Portugal ultrapassa as 400 vítimas mortais. Cordão sanitário em Castro Daire equacionado

Portugal regista esta quinta-feira 409 mortos associados à covid-19, mais 29 do que na quarta-feira, e 13.956 infetados (mais 815), segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Trata-se de um aumento de 6% …

"Em segundo plano". OM alerta para falta de resposta para doentes prioritários não covid-19

A Ordem dos Médicos (OM) alertou esta quinta-feira para a falta de resposta aos doentes prioritários não covid-19, que diz estarem a ser relegados para segundo plano, em áreas que “não podem esperar” como a …