Novo confinamento. Tribunais e dentistas não deverão fechar, restaurantes dizem que o take away não basta

O primeiro-ministro António Costa confirmou na segunda-feira que “há uma grande probabilidade de se decretar algo muito próximo do que Portugal teve no primeiro confinamento” e aconselhou os portugueses a irem “preparando a adoção dessas medidas”.

De acordo com o jornal Público, apesar de o regime de confinamento vá ser “muito próximo” do de março de 2020, o Governo quer salvaguardar que não se cometam excessos. Assim, o Executivo está a ponderar quais as áreas de atividade económica, social e institucional que poderão continuar abertas.

Para já, um dos setores que vai continuar a funcionar nos termos em que o tem feito até aqui é o da educação. Costa reiterou esta segunda-feira que “a posição mais consolidada por parte dos peritos não aponta para o encerramento dos estabelecimentos escolares” e que “a vontade do executivo é que a atividade escolar possa decorrer dentro da normalidade”.



Se os especialistas entenderem que é preciso encerrar estabelecimentos de ensino, apenas os alunos do ensino secundário devem regressar a casa.

Além das escolas, os tribunais e os consultórios dos dentistas também se deverão manter abertos no novo período de confinamento. Na sexta-feira passada, o bastonário da Ordem dos Advogados apelou ao Presidente da República, ao Parlamento e ao Governo para que os tribunais continuem abertos.

“Efetivamente a experiência desse encerramento em março passado foi altamente prejudicial para o exercício dos direitos, liberdades e garantias dos cidadãos, tendo por isso ocorrido uma profunda reforma e adaptação dos tribunais para que os mesmos possam funcionar em condições de segurança, tendo as necessárias adaptações sido aceites, com muito sacrifício, pelos diversos operadores judiciários”, referiu o bastonário da Ordem dos Advogados, Luís Menezes Leitão, citado pelo ECO.

Hotelaria com impacto residual

Tal como em março, é quase certo que o novo confinamento vai afetar o turismo em Portugal a partir do final da semana, numa altura em que as restrições vão apanhar o período de inverno e de estação baixa, em que a atividade já está reduzida ao mínimo, sobretudo num ano de pandemia.

A perspetiva do país voltar a entrar em confinamento não faz mossa especial aos hotéis, numa altura em que já se encontram encerrados. “Estamos em plena estação baixa, janeiro é o mês mais fraco do turismo do Algarve. No momento que estamos a atravessar, temos de reconhecer que o impacto de um novo confinamento é residual“, referiu Elidérico Viegas, presidente da Associação de Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA), citado pelo semanário Expresso.

Em março, os hotéis não foram fechados por decreto – fecharam por decisão voluntária e falta de clientes. Forçar os hotéis ao encerramento é uma alternativa que é rejeitada pela associação.

“Há hotéis que têm pessoas lá dentro e não as podemos pôr na rua. Temos alguns aldeamentos no Algarve com os hóspedes em estadias longas, e não vamos simplesmente mandá-los embora e tornar estes turistas em pessoas sem-abrigo, não tem cabimento”, disse Elidérico Viegas.

“Penso que o encerramento total dos hotéis não irá acontecer, como não aconteceu no confinamento em março. Os hotéis poderão estar em funcionamento, e prestar lá dentro todos os serviços como refeições, desde que exclusivamente para hóspedes”, adiantou.

Restaurantes: “muito fragilizados” para “ainda pior”

Já os restaurantes estão mais preocupados com a perspetiva do confinamento.

“Vemos isto com grandes preocupações. Se vamos confinar de novo, significa colocar um setor já muito fragilizado numa situação ainda pior“, salienta Ana Jacinto, secretária-geral da Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP). “É urgente pôr cá fora os apoios anunciados pelo Governo a 10 de dezembro, que são muito importantes, mas ainda não saíram do papel”, afirmou, em declarações ao Expresso.

A previsão de fechar o comércio não essencial implicará reduzir os restaurantes a vendas em take away ou por encomenda. “São modalidades a que os estabelecimentos recorreram para irem vendendo alguma coisa. Mas nas entregas as plataformas levam comissões exorbitantes. E não sabemos qual será a amplitude do confinamento, se haverá mais gente em teletrabalho, o que também tornará o take away residual”, explicou.

“Não é possível os restaurantes estarem mais 15 dias com portas fechadas a faturar zero ou próximo disso. E não é o take away que vai salvar a faturação das empresas“, disse Ana Jacinto.

A AHRESP defende que devem ser permitidas aos restaurantes, no mínimo, as modalidades de take away, delivery (entrega ao domicílio) e também de drive-thru, em que os clientes “sem mantêm nas viaturas, sem possibilidade de ajuntamento, e logo reduzindo qualquer risco de contágio.

A associação alerta as empresas a mudarem rapidamente a sua operação para acomodarem estas modalidades e defende que os estabelecimentos devem poder determinar aos trabalhadores a fazerem atividades de entrega ou venda de refeições para fora, “ainda que as mesmas não integrem o objeto dos respetivos contratos de trabalho”.

Maria Campos Maria Campos, ZAP //

 

PARTILHAR

RESPONDER

Anúncios de TV promovem mais os brindes do que o próprio fast food (e violam diretrizes do setor)

Para uma criança, a melhor parte de uma refeição de fast food não é a comida, mas o brinde que vem juntamente com a refeição. Os anúncios televisivos de fast food são regidos por diretrizes que …

“Se querem sucesso, têm de depender do sistema“. Empresário chinês é preso após disputa com o Estado

Sun Dawu, um dos empresários mais bem sucedidos da China, corre o risco de ser condenado a 25 anos de prisão, caso seja provado que cometeu os crimes dos quais está a ser acusado. O empresário …

Cientistas criam verniz para superfícies que mata bactérias em poucos minutos

Uma equipa multidisciplinar de cientistas desenvolveu um verniz para superfícies que mata bactérias, mesmo as mais resistentes, em apenas 15 minutos, anunciou a Universidade de Coimbra (UC). Trata-se de “uma solução segura e eficaz para prevenir …

Num país marcado pelo racismo, Jane Bolin fez história tornando-se a primeira juíza negra dos EUA

A 22 de julho de 1939, Jane Bolin fez história ao prestar juramento como juíza na cidade de Nova Iorque. A jovem ocupou o cargo durante 40 anos e só saiu de cena quando atingiu …

A petrolífera Exxon está a culpá-lo pelas alterações climáticas

Nos últimos anos, as empresas petrolíferas têm-se afastado do discurso de negação das alterações climáticas. Gigantes globais de energia como a Total, a Exxon, a Shell e a BP reconhecem abertamente que a mudança climática …

"Muita fraternidade”. Portugal enviou vacinas para Cabo Verde

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta segunda-feira que os indicadores da pandemia de covid-19 em Portugal permanecem "muito estáveis" e que a última grande abertura no plano de desconfinamento não teve …

Mais de metade dos alunos LGBTQI sofre bullying na escola, diz relatório

Mais de metade dos alunos LGBTQI sofre 'bullying' na escola, alertou esta segunda-feira a UNESCO, por ocasião do Dia Internacional Contra a Homofobia, Bifobia e Transfobia. A Organização Internacional de Jovens e Estudantes LGBTQI (IGLYO) e …

Telescópio vai "caçar" a luz de 30 milhões de galáxias para mapear Universo e "revelar" energia escura

Um instrumento de um telescópio nos Estados Unidos vai capturar nos próximos cinco anos a luz de quase 30 milhões de galáxias e outros objetos cósmicos, permitindo aos cientistas mapearem o Universo e desvendarem os …

Portugal ficou acima da média europeia quanto ao teletrabalho

Dados do Eurostat sobre o teletrabalho durante a pandemia revelaram que Portugal registou uma média ligeiramente superior (13,9%) à da União Europeia (12,3%) entre as pessoas com idade dos 15 e os 64 anos. Em anos …

"Idiotas". Bolsonaro critica pessoas que mantêm isolamento social na pandemia

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, criticou os brasileiros que seguem as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e mantêm isolamento social na pandemia, a quem chamou de 'idiotas', em conversa com os seus …