Novo Banco ocultou chumbos internos à venda de imóveis do Fundo de Resolução

José Sena Goulão / Lusa

António Ramalho, presidente do Novo Banco

A auditoria especial ao Banco Espírito Santo/Novo Banco concluiu que a gestão de António Ramalho não informou o Fundo de Resolução que foi desaconselhada duas vezes pela direção de compliance do banco a avançar com as operações de venda de imóveis.

O jornal Público avança esta terça-feira que o Novo Banco não avisou o Fundo de Resolução de que foi por duas vezes desaconselhado pela direção de compliance a avançar com as vendas de carteiras de imóveis que envolveram a consultora espanhola Alantra.

Segundo as conclusões da auditoria especial ao Banco Espírito Santo/Novo Banco, estes dois “chumbos” internos só foram reportados à entidade liderada por Máximo dos Santos quase dois anos depois, em junho de 2020.

A auditora revela ainda que não conseguiu confirmar ou excluir eventuais ligações entre os compradores das carteiras de ativos vendidas pelo Novo Banco e sociedades próximas do próprio banco ou da Lone Star, o fundo norte-americano que adquiriu 75% a instituição em 2017.

Por outro lado, o Novo Banco contesta a omissão ao Fundo de Resolução desses pareceres da direção de compliance. “O banco sempre reportou os seus assessores ao Fundo de Resolução”, afirmou a administração numa nota enviada ao mesmo jornal.

Nascido na resolução do BES (em 3 de agosto de 2014), 75% do Novo Banco foi vendido em outubro de 2017 ao fundo de investimento norte-americano Lone Star, mantendo o Fundo de Resolução bancário 25%, numa solução acordada entre Banco de Portugal e governo.

Desde então e até hoje, o Fundo de Resolução já injetou 2.976 milhões de euros e ainda poderá colocar mais de 900 milhões de euros, valores que em cada ano têm impacto nas contas públicas uma vez que o Fundo de Resolução é uma entidade da esfera do Estado.

A auditoria independente ao Novo Banco pela Deloitte era aguardada com expectativa, principalmente depois de terem sido noticiadas suspeitas sobre a venda de imóveis e pelas sucessivas injeções de capital pelo Fundo de Resolução com recurso a financiamento dos contribuintes.

A consultora falhou o prazo limite que o Executivo lhe tinha dado para apresentar as suas conclusões, o que fez com que o Governo suspendesse todas as eventuais operações de venda de ativos.

Na semana passada, o Ministério das Finanças disse, em comunicado, que o relatório de auditoria da Deloitte ao Novo Banco revelava perdas líquidas de 4.042 milhões de euros no Novo Banco (entre 4 de agosto de 2014, um dia após a resolução do BES, e 31 de dezembro de 2018) e “descreve um conjunto de insuficiências e deficiências graves” no BES, até 2014, na concessão de crédito e investimento em ativos financeiros e imobiliários.

ZAP //

 

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Turismo só usou um terço das linhas de crédito criadas para o setor

A utilização das linhas de crédito destinadas especificamente ao turismo ficou aquém do esperado. Até agora, as empresas só utilizaram cerca de 30% destas linhas, que disponibilizam um valor conjunto de 400 milhões de euros. Rita …

Carla Tavares reeleita na Amadora. Suzana Garcia assume responsabilidade da derrota

 A socialista Carla Tavares foi reeleita, este domingo, com maioria absoluta, como presidente da Câmara Municipal da Amadora, no distrito de Lisboa. Os resultados da noite eleitoral deram o triunfo à candidatura liderada pela socialista Carla …

Corrida aos combustíveis. A antecipar um "inverno difícil", Reino Unido vai dar vistos temporários a camionistas

A falta de camionistas tem levado a filas nas bombas de combustíveis e entre 50% e 90% já estão vazias em algumas zonas do país. O governo vai dar vistos temporários a camionistas e está …

Vencedores e vencidos, numa noite eleitoral de perder o fôlego

A noite eleitoral foi longa e de perder o fôlego até ao último minuto. Entre alguns imprevistos, surpresas e validações, Lisboa foi o palco dos maiores holofotes: Carlos Moedas foi o grande e surpreendente vencedor …

Isaltino Morais reeleito em Oeiras. CDU perdeu vereador

O candidato independente Isaltino Morais foi reeleito presidente da Câmara de Oeiras nas eleições autárquicas deste domingo, tendo dedicado a vitória à juventude. “Não importa a percentagem. O que importa é que crescemos muito, aumentámos a …

Ganhar os jogos todos: quem consegue fazer o que o Benfica faz?

Ainda ninguém conseguiu travar o líder do campeonato português. Mas há outras equipas europeias a conseguir o mesmo. O Benfica está a construir um percurso inicial no campeonato português que não se via há quase 40 …

Tribunal admite que testemunha de Jeová menor recuse transfusão que lhe pode salvar a vida

Jovem de 16 anos que tem leucemia aguda recusou transfusões de sangue durante internamento no IPO. Caso consiga provar em tribunal capacidade de discernimento e maturidade justiça terá de desistir de lhe impor tratamento. O Instituto …

Koeman não teve dinheiro para reforços, mas Barcelona investiu milhões na equipa B

Embora Ronald Koeman não tenha recebido dinheiro para gastar em transferências, o Barcelona investiu 4 milhões de euros na equipa B. O Barcelona teve de apertar o cinto durante o mercado de transferências de verão. Os …

"O futuro é liberal", mas o presente nem tanto. O balanço da estreia da IL nas autárquicas

A Iniciativa Liberal conseguiu apenas um vereador no Porto. Apesar da presença entre assembleias municipais e juntas de freguesia, falhou a conquista de autarquias. Numa estreia absoluta em eleições autárquicas, a Iniciativa Liberal ficou aquém das …

"De janelas abertas" e "de forma transparente". É assim que José Manuel Silva promete governar Coimbra

José Manuel Silva, da coligação "Juntos Somos Coimbra", venceu as eleições, destronando o atual presidente da câmara, o socialista Manuel Machado. O antigo bastonário da Ordem dos Médicos foi apoiado por várias forças partidárias: PSD, CDS, …