Novos carros de combate a incêndios não têm potência para apagar fogos

Paulo Cunha / Lusa

Dezenas de novas viaturas de combate a incêndios encomendadas pela GNR não podem ser utilizadas porque não têm a potência necessária para apagar fogos. 

De acordo com o Expresso, que avança com a notícia este sábado na sua edição impressa, as carrinhas ao serviço da unidade especializada GIPS – Grupo de Intervenção, Proteção e Socorro – foram equipadas com uma bomba de água sem pressão suficiente. As pick-ups para combate tinham uma potência inferior à recomendada e pedida.

“As viaturas não podem ser utilizadas e foram recolhidas para se proceder à substituição das motobombas”, confirmou César Nogueira, presidente da Associação dos Profissionais da Guarda, em declarações ao semanário.

No total, foram encomendadas 80 viaturas e, já depois da cerimónia de entrega das primeiras 20, a anomalia foi detetada quando os veículos já circulavam nas mãos dos membros do GIPS. Esta anomalia encontra-se apenas nas viaturas de uma das duas marcas que forneceram os novos veículos de combate a incêndios

Por questões de segurança, as viaturas não podem ser utilizadas – como a potência é inferior à prevista, a água lançada pelas mangueiras não chega tão longe, obrigando os militares a aproximarem-se da frente de combate.

As Viaturas Ligeiras de Combate a Incêndios são normalmente usadas para enfrentar incêndios ainda em fases iniciais, e transportam equipas com quatro militares. Na compra destas 80 VLCI, fornecidas por duas marcas de automóvel, o Ministério da Administração Interna investiu 2,2 milhões de euros.

Governo garante que veículos estão operacionais

O secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, assegurou, este sábado, que todos os veículos de combate a incêndios rurais “estão operacionais” e que estão distribuídos pelo terreno a nível nacional.

“Os veículos estão operacionais e estão no terreno e, portanto, estão a funcionar em pleno”, disse o secretário de estado na Guarda, à margem de uma campanha de sensibilização dos emigrantes para a segurança rodoviária e para a campanha Aldeia Segura e Pessoas Seguras.

“Os contratos que foram estabelecidos entre o Estado através da entidade de contratação pública e os cadernos de encargos elaborados pela GNR, naturalmente que foram cumpridos no contrato que foi estabelecido”, prosseguiu.

“Se há um pormenor ou outro que não esteja em condições, naturalmente que é assumido pela entidade contratada. Não temos dúvida nenhuma quanto a isso. Contudo, importa esclarecer: todos os veículos estão operacionais, nenhum está inoperacional“, disse.

“Todos os operacionais estão no terreno com os veículos necessários para combater os incêndios” e que sobre o assunto não há “nenhuma dúvida”, reiterou.

ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Estão operacionais para quê? Só se for para eles irem visitar as zonas ardidas!!!
    Cambada de lesmas. Pelo menos chamem a coisa pelos nomes…
    Estão inoperacionais, houve falhas e têm de ser corrigidas de imediato!

  2. Alguem quer ganhar com o negocio mas houve denuncia publica. Uma bomba de potencia inferior é mais barata que a do concurso. Pelo que o diferncial seria para alguem meter ao bolso. Infelizmente foi descoberto. Por alguma razao noa houve ficalização.

  3. Mais um indício de corrupção.
    Quem compra um carro, faz um test drive.
    Neste caso, ainda mais se justificava que um grupo de profissionais tivesse avaliado as viaturas de combate a incêndio, antes de se efectuar a compra.
    Mas já suspeitamos como foi… a empresa contemplada deu umas luvas a quem podia decidir, e a partir daí não havia razão para mais testes.
    Tribunal de Contas e Polícia Judiciaria, façam a vossa parte!

  4. Uma coisa é estar operacional (abaixo do normal), outra é NINGUÉM ter experimentado as viaturas em tempo.
    Não deve ter havido tempo…

RESPONDER

Bronca na Liga. Contestação adia 5 substituições e o Marítimo recusa assinar Plano de Retoma

Após dois dias intensos de reuniões, foi aprovado o Plano de Retoma do campeonato nacional para a disputa das últimas 10 jornadas da época 2019/2020. Mas apenas 17 clubes o assinaram. O Marítimo recusou fazê-lo, …

Igreja perdeu 50 milhões de euros com a pandemia (e há dioceses em lay-off)

Ao cabo de dois meses de paragem por causa da pandemia de covid-19, as missas regressam, neste sábado, mas com regras novas para evitar a propagação do coronavírus. Uma paragem que resultou num "prejuízo" de …

Reabertura de ATL adiada para 15 de junho. Creches arrancam segunda-feira (sem apoios para os pais)

As Atividades de Tempos Livres (ATL) não integradas em estabelecimentos escolares só poderão voltar a funcionar a partir de 15 de junho, duas semanas depois daquilo que estava inicialmente previsto. O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro, …

Governo britânico vai continuar a pagar 80% dos salários durante mais três meses

O Governo britânico vai continuar a pagar durante mais três meses 80% do salário de trabalhadores em lay-off devido à pandemia de covid-19, e reduzir gradualmente o valor até ao fim do sistema, em outubro. O …

Resgate à TAP deverá ser feito através de empréstimo obrigacionista

A ajuda do Estado à TAP deverá chegar através de um empréstimo obrigacionista convertível em ações, avança o jornal Expresso neste sábado. Este é o cenário mais provável para a TAP, apurou o semanário, que …

Lisboa pode receber a final deste ano da Liga dos Campeões

Istambul não está agradada com a ideia de receber a final da Liga dos Campeões sem adeptos no estádio. Por isso, outras hipóteses estão a ser consideradas, nomeadamente Lisboa. A final da Liga dos Campeões está …

Há mesmo algo de reconfortante quando dizemos palavrões

Um novo estudo sugere que, nas circunstâncias certas, dizer palavrões em voz alta parece fazer as pessoas sentirem menos dor. Exatamente como e porque é que o ato de dizer asneiras consegue fazer com que as …

"Paraministro" de Costa. Gestor independente chamado para negociar plano económico de retoma

O primeiro-ministro, António Costa, convidou o diretor executivo da petrolífera Partex, António Costa Silva, para estudar o plano de recuperação económica. De acordo com o semanário Expresso, que avança a notícia na sua edição deste …

Termina o dever cívico de confinamento

O Conselho de Ministros aprovou esta sexta-feira o fim do “dever cívico de recolhimento”, que entrará em vigor na próxima segunda-feira, prevê a resolução que prolongou a situação de calamidade até 14 de junho. A situação …

"Ratos" de musgo espalham-se pelos glaciares do Ártico (e intrigam cientistas)

A presença de estranhas bolas de musgos nos ecossistemas de glaciares tem atraído a atenção da comunidade científica. Estas estranhas criatura proliferam no Ártico, mas também em regiões da Islândia e América do Sul. Especialistas de …