1 em cada 40 habitantes do Norte estão ou estiveram infetados. Número de casos pode “abrandar” para a semana

Ennio Leanza / EPA

Apesar de o Norte ser a região mais afetada, o número de casos diários de infeção pelo novo coronavírus pode “abrandar”, afirmou hoje um especialista da Universidade do Porto.

A “explosão” de novos contágios do coronavírus no Norte, que se iniciou há cerca de um mês, levou a esta passasse a ser a região com mais casos confirmados de infeção desde o início da pandemia, no início de março. Ontem, e segundo o Jornal de Negócios, o total acumulado de casos no Norte ascendeu a mais de 91 mil.

Isto significa que 1 em cada 40 pessoas na região estão ou estiveram infetadas.

Nos primeiros nove dias de novembro, o Norte soma 26.269 novos contágios, enquanto Lisboa e Vale do Tejo contabiliza 10.532. As duas regiões têm populações quase idênticas, segundo os dados mais recentes do Instituto Nacional de Estatística.

Assim, até 9 de novembro, data a que se reportam os dados hoje divulgados pela Direção-Geral de Saúde (DGS), a taxa de incidência das infeções pelo coronavírus era de 2,55% no Norte, acima da média nacional, que se cifra em 1,82%.

No entanto, este cenário pode mudar já nas próximas semanas.

Em declarações à Lusa, Óscar Felgueiras, explicou que os modelos matemáticos apontam para uma “estabilização na ordem dos 3000 casos diários para a região Norte” nesta e na próxima semana. Contudo, sublinha que pode começar a haver uma descida no número de casos na próxima semana”, sublinhou, considerando “cedo para avaliar”.

“Não é totalmente óbvia a associação de entrada em vigor das medidas com o efeito, mas eventualmente o comportamento das pessoas pode ter mudado de algum modo”, afirmou.

Apesar de ser ainda necessária uma “consolidação e avaliação dos dados”, os modelos estatísticos indicam que o “pico de infeciosidade já poderá ter passado”, isto é, que o momento com o “maior número de início de sintomas na região, eventualmente, já terá passado”.

“É arriscado fazer uma afirmação taxativa, mas o modelo que tenho seguido diz-me que o pico de infeciosidade já terá passado, mas ainda está em consolidação. Só daqui a uma semana é que será possível determinar se houve ou não esse pico e quando foi”, esclareceu.

Embora o cenário indique alguma estabilização do número de casos de infeção pelo novo coronavírus, que provoca a covid-19, a “pressão sobre o sistema hospitalar é elevadíssima”.

O Norte está com uma incidência elevadíssima, superior a 1000 casos por 100 mil habitantes em 14 dias”, acrescentou.

Segundo Óscar Felgueiras, os dados da Direção-Geral da Saúde indicam que a incidência média de casos no Norte é de 1042 por 100 mil habitantes, na região de Lisboa e Vale do Tejo de 446 casos, com a média nacional a fixar-se nos 610 casos por 100 mil habitantes em 14 dias.

O especialista afirmou que “são mais de 20 os concelhos na região” cuja incidência ultrapassa quatro vezes o limite estipulado pelo Governo e que tal é “motivo de preocupação”.

“É óbvio que no Norte há uma incidência fortíssima e que é motivo de preocupação, mesmo que se consiga estabilizar a situação. Se tivéssemos num patamar mais baixo, esta estabilização seria uma boa notícia, mas tendo em conta a elevada incidência e a consequência que isso tem na afluência aos serviços de saúde isto não é sustentável e tem de haver um travão”, assegurou.

“Temos de ter consciência de que o travão ao ser colocado não vai atuar tão rápido, ou seja, tivemos uma subida muito rápida, mas a descida não vai ser tão rápida”, sublinhou. A par da incidência, existe ainda outro fator que “não é reconfortante” para a região Norte: “a positividade dos testes de diagnóstico que ronda os 20%”.

“Numa situação em que a positividade é tão elevada, significa que não há deteção de muitos casos, especialmente dos assintomáticos, que podem não ser muito preocupantes por si só, mas que têm potencial para transmitir e fazer propagar o vírus”, salientou.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. É já tempo de acabarmos com essa “guerrinha” entre o norte e a zona de Lisboa, somos todos portugueses.
    Penso que a “pandemia”, se a há, está a ser mal gerida, enquanto estes governantes não destruírem a economia, as empresas, o emprego e os idosos, parece que não querem parar.
    O mundo, como o conhecemos, dificilmente recuperará.

RESPONDER

Meteorito atinge casa de homem indonésio e transforma-o em milionário

O caso insólito aconteceu em Kolang, na Sumatra do Norte, Indonésia. Um fabricante de caixões de 33 anos encontrou um meteorito no seu jardim, depois deste atingir o telhado da sua casa em agosto. O protagonista …

Há 20 anos que ninguém sabe do paradeiro de dois cadernos de Charles Darwin

Dois dos cadernos do naturalista Charles Darwin, um dos quais com o rascunho da “Árvore da Vida” (1837), estão desaparecidos há cerca de 20 anos e terão sido muito provavelmente roubados, anunciou esta terça-feira a …

Cientistas reconstruiram explosão de Beirute através das redes sociais

Cientistas forenses recorreram a imagens partilhadas nas redes sociais para reconstruirem a explosão de Beirute, em agosto, que matou 191 pessoas. A 4 de agosto, uma série de explosões causadas por 2.750 toneladas de nitrato de …

Professor alemão do ensino básico é suspeito de canibalismo e homicídio

Depois de uma pilha de ossos ter sido encontrada por transeuntes no parque de Berlim, as autoridades alemãs descobriram que se tratava de uma vítima de canibalismo. As pistas conduziram-nas, mais tarde, à casa do …

Marselha 0-2 FC Porto | Dragão vence e abre porta dos "oitavos"

Basta apenas um ponto para que o FC Porto carimbe uma vaga nos oitavos-de-final da Liga dos Campeões. Na noite desta quarta-feira, os “dragões” venceram o Marseille por 2-0 – com os contributos de Zaidu …

Mais de 100 mil crianças morreram com VIH e 320 mil ficaram infetadas. A pandemia pode piorar o cenário

De acordo com um relatório da UNICEF, a cada 100 segundos uma criança ou jovem com menos de 20 anos foi infetado pelo VIH no ano passado. Com os novos dados, o número total de …

Animação mostra como foram construídas as pontes do século XIV

Construir uma ponte sobre a água parece uma tarefa complicada e a verdade é que, apesar dos inúmeros avanços tecnológicos, os fundamentos pouco alteraram desde os tempos medievais. A Ponte Carlos tem 618 anos, mas não …

Médicos sem Fronteiras deixam hospital da Venezuela devido a restrições

A Médicos sem Fronteiras (MSF) vai se retirar de uma colaboração com um hospital venezuelano que visa tratar pacientes com covid-19 devido a restrições na entrada de especialistas no país, informou a organização na terça-feira. A …

O novo amplificador de guitarra tem maior capacidade de encaixe (e é mais poderoso)

Em 2016, o engenheiro eletrónico Chris Prendergast lançou um projeto Kickstarter para o amplificador de guitarra portátil JamStack. Este encaixava-se num pino de correia e emitia sons gerados por um smartphone. Agora foi lançada a …

Etiópia. Comissão de direitos humanos denuncia massacre de 600 civis na região de Tigré

A organização independente que investiga acusações de violência contra civis na Etiópia corroborou o relatório da Amnistia Internacional que denunciou a chacina de pelo menos 600 pessoas na região de Tigré, no Norte do país. Segundo …