/

“Portões do Inferno”. Há uma cratera no meio do deserto que está em chamas há 50 anos

No deserto de Karakum, do Turquemenistão, uma cratera de fogo brilha dia e noite. Conhecida coloquialmente como “Portões do Inferno”, este incêndio dura já há mais de 50 anos.

De acordo com o My Modern Met, em 1971, quando o Turquemenistão ainda fazia parte da União Soviética, engenheiros foram ao deserto em busca de campos de petróleo. Em vez disso, o seu equipamento pesado estava situado em cima de um grande bolsão de gás natural que não conseguiu suportar o peso e entrou em colapso.

O acampamento inteiro desmoronou numa cavidade em forma de tigela gigante chamada cratera Darvaza.

Com 70 metros de largura e 20 de profundidade, os cientistas tiveram um problema real em mãos. Não só o colapso teve um efeito cascata que causou a abertura de outras crateras múltiplas, mas o gás natural estava a escapar rapidamente.

Como o gás natural é feito principalmente de metano, que suga oxigénio e dificulta a respiração, havia uma preocupação real não só com a vida selvagem, mas também com as pessoas que viviam na vila próxima de Derweze.

Aliás, não muito tempo depois do colapso, animais no deserto começaram a morrer.

Foi aí que os cientistas entraram em ação e decidiram queimar o gás, uma vez que o gás natural não pode ser capturado. Os investigadores esperavam que o processo demorasse algumas semanas, mas estavam errados – as chamas estão a queimar desde então.

Na verdade, os cientistas ainda não entendem quanto gás natural está a alimentar o fogo.

Agora, a cratera Darvaza atrai centenas de turistas por ano que vêm para observar o fenómeno estranho e de aparência sinistra.

Em 2010, o presidente do Turquemenistão, Gurbanguly Berdimuhamedow, visitou a cratera e disse que deveria ser fechada. Em 2013, declarou a parte do deserto que contém a cratera uma reserva natural.

No entanto, ainda hoje os Portões do Inferno queimam intensamente e, à noite, o seu brilho laranja pode ser visto a quilómetros de distância.

  Maria Campos, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE