Custo de não combater resistência aos antibióticos será mais alto do que o da pandemia

O presidente do Grupo Infeção e Sepsis (GIS) alertou hoje que as estimativas para os custos de não combater eficazmente o problema da resistência aos antibióticos serão maiores do que vai ser o custo da pandemia de covid-19.

“Andamos agora habituados a falar em triliões por causa dos custos do confinamento” na sequência da pandemia da covid-19, mas as estimativas para os custos de não combatermos eficazmente o problema da resistência aos antimicrobianos são de uma ordem de grandeza acima do que vai ser o custo da pandemia”, disse Paulo Mergulhão à agência Lusa, no Dia Europeu do Antibiótico.

O médico intensivista lembrou um relatório encomendado pelo Governo britânico sobre o impacto mundial do problema da resistência aos antimicrobianos e as estimativas em termos globais apontarem para que, se não se conseguir mudar a trajetória de evolução deste problema, em 2050 haverá 10 milhões de mortes por ano em consequência direta desta situação.

“Subjacente à pandemia do SARS-CoV-2 e da covid-19 nós temos uma pandemia potencialmente muito mais complicada que precisamos de reconhecer e combater”, disse o também secretário-geral da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna.

Para Paulo Mergulhão, o problema da resistência aos antimicrobianos tem resposta, não pode ser encarado “como uma fatalidade”.

Em Portugal há bons exemplos de boa resposta, já conseguimos reduzir pelo menos a nível hospitalar o consumo de alguns antimicrobianos”, salientou.

Paulo Mergulhão deu como exemplo os antibióticos de muito largo espectro que são usados para tratar as infeções por microrganismos multirresistentes, “os mais resistentes de todos”, que os médicos tentam reservar “o mais possível”.

“O Programa Nacional de Combate às Resistências e de Controle de Infeção definiu como objetivo diminuir o consumo de alguns desses antimicrobianos e isso foi feito de forma sustentável ao longo dos últimos três ou quatro anos”, sustentou.

Algumas bactérias multirresistentes muito características do hospital que era um problema quase endémico em Portugal há 10 anos, tem vindo a diminuir de forma sustentada em relação à sua incidência.

Temos um problema gravíssimo, não há dúvida nenhuma. Mas é um problema que nós começamos a perceber como combater. Agora demora o seu tempo e a inércia muita”, comentou o médico.

Sobre o consumo de antibióticos, Paulo Mergulhão disse que já estava a diminuir antes da pandemia, mas que agora “há o outro o reverso da medalha” que é preciso pensar. Nomeadamente “se a sobrecarga dos sistemas de saúde e o elevado número de internamentos por covid pode condicionar o aumento da utilização de antimicrobianos, principalmente nos casos mais graves”.

Na prática, o doente com covid-19 tem uma pneumonia e às vezes é difícil ao médico distinguir uma pneumonia vírica de uma pneumonia causada por bactérias e, por vezes, podem coexistir.

“Nós podemos ter as duas coisas ao mesmo tempo e uma grande questão é se realmente o problema da covid-19 vai aumentar de forma significativa os consumos de antibióticos nos hospitais e também há estratégias que permitem de certa forma combater essa possibilidade”, defendeu.

Por outro lado, é preciso passar a informação à população que a covid-19 não é uma doença tratável com antibióticos.

Mas há outras áreas da sociedade que concorrem para o uso de antimicrobianos além da Medicina, como a medicina veterinária, a agropecuária e até a construção civil, em que são utilizadas tintas impregnadas com fármacos antimicrobianos ou antifúngicos.

“Há uma utilização muito alargada, e ou conseguimos em conjunto regular este tipo de utilização, ou não vamos chegar a bom porto”, alertou.

Em Portugal o consumo de antibióticos começa a revelar alguma quebra, quer nos hospitais, quer na comunidade, contudo o país continua acima da média europeia na utilização de antibióticos e apresenta uma das mais elevadas taxas de infeções hospitalares da Europa.

Quase diariamente, internamentos para tratar pequenos problemas transformam-se em grandes problemas de saúde ou em mortes devido a infeções por bactérias multirresistentes hospitalares. E este tipo de bactérias pode já não estar restrito aos ambientes hospitalares, refere o GIS em comunicado.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. É assustador! Mas a culpa é de quem? Em grande parte da classe médica, porque este tipo de medicamentos só se vende com prescrição médica e alguns dos nossos clínicos usaram e abusaram deste recurso. Agora têm uma batata a escaldar na mão porque a nossa imunidade está cada vez mais comprometida.

RESPONDER

Robôs "burros" trabalham em conjunto para realizar tarefas complexas

Uma nova pesquisa mostra que, ao mesmo tempo que aumentam as interações magnéticas, um enxame de robôs dispersos, chamados BOBbots, pode reunir-se em aglomerados compactos para realizar tarefas complexas. Fazer com que um enxame de robôs …

O uso doméstico de carvão na China resulta em mortes prematuras

Um novo estudo indica que, na China, a poluição da queima de carvão residencial causa um número desproporcional de mortes prematuras por exposição a poluentes minúsculos inaláveis, conhecidos como PM2.5. A combustão do carvão por centrais …

Estudo alerta para níveis preocupantes de produtos químicos tóxicos no leite materno

Um novo estudo, que analisou o leite materno de mulheres americanas quanto à contaminação por PFAS, detetou o produto químico tóxico em todas as 50 amostras testadas, e em níveis quase 2.000 vezes mais altos …

Dinheiro, imóveis e arte. João Rendeiro perde fortuna para o Estado

Um milhão e meio de euros em numerário, contas e ativos bancários, obras de arte e quatro imóveis em Lisboa, Cascais e Oeiras vão ser arrestados a João Rendeiro, ex-presidente do Banco Privado Português (BPP). Segundo …

A primeira eco-casa impressa em 3D "nasceu" em Itália

A empresa de impressão 3D WASP e o Mario Cucinella Architects concluíram a casa TECLA. É o primeiro modelo de habitação eco-sustentável a ser construído a partir de matérias-primas locais usando tecnologia de impressão 3D.  O …

Partido de Le Pen desviou 6,8 milhões de fundos europeus, segundo jornal francês

O partido francês de extrema-direita União Nacional (RN, sigla original), liderado por Marine Le Pen, terá desviado 6,8 milhões de euros de fundos do Parlamento Europeu, revela este domingo um inquérito policial noticiado pelo Le …

Proporção divina. Antiga fórmula grega pode ser responsável pelo sucesso dos musicais

Desde 1972, quando "Jesus Christ Superstar" estreou na Broadway, os mais populares musicais quase unanimemente empregaram uma fórmula centenária conhecida como “a proporção divina” - e, surpreendentemente, parecem tê-lo feito acidentalmente. A proporção divina é um …

Egito já iniciou obras de alargamento do Canal do Suez

A Autoridade do Canal do Suez iniciou este sábado obras para ampliar dez quilómetros do troço sul, onde o navio Ever Given encalhou em março passado, causando o bloqueio de uma das vias de navegação …

Museu do Prado descobre erro de 500 anos numa das suas esculturas

O Museu do Prado, em Madrid, descobriu que uma das suas esculturas, que se pensava ser do século XV, é afinal uma obra do século XX. Em comunicado, o museu espanhol explicou que a escultura – …

Costa entrou em “modo avestruz” e Cabrita é uma “mancha”. Líder do CSD não poupa nas críticas

Francisco Rodrigues dos Santos fez duras críticas ao primeiro-ministro, António Costa, e ao ministro da Administração Interna, Eduarda Cabrita. O presidente do CDS-PP disse que o primeiro-ministro entrou "em modo avestruz no caso João Galamba" referindo-se …