Pico na primeira semana de fevereiro. Mesmo confinando, modelo prevê 1.154 doentes em UCI

Giuseppe Lami / EPA

Portugal deverá ter 1.154 doentes internados em cuidados intensivos na primeira semana de fevereiro, mesmo com um confinamento igual ao de março, avança um modelo da NOVA Information Management School (IMS).

De acordo com o modelo da IMS, o número de doentes internados em cuidados intensivos deverá duplicar até à primeira semana de fevereiro.

Segundo o jornal Público, ainda que o país feche tudo como na “primeira vaga”, e que os cidadãos adotem os mesmos comportamentos, o modelo antecipa um pico de 1.154 doentes em cuidados intensivos na primeira semana de fevereiro.

Este é um cenário preocupante dada a pressão sobre o SNS, uma vez que a taxa de mortalidade entre os doentes que vão para cuidados intensivos tem vindo a subir.

Num dos cenários indicados pelo modelo, a quebra da taxa de transmissibilidade obtida com o confinamento equivaleria a 90% do que foi conseguido em março – contudo, isto requer o uso generalizado de máscaras e medidas de distanciamento social e desinfeção das mãos.

Neste cenário, o pico de novos casos diários rondaria os 10.500 (alcançado por estes dias) e a 7 de fevereiro a incidência poderia cair para os 4.407 novos casos a cada dia.

No entanto, mesmo assim, o impacto sobre o número de internamentos teria o habitual atraso – a estimativa é de que se atingiriam os 6.710 internados, dos quais 1.154 em UCI. Portugal tinha, à meia-noite desta segunda-feira, 5.291 internados e 670 pessoas em cuidados intensivos.

No caso de uma quebra de transmissibilidade menos eficaz, de 60% (em relação ao que foi obtido em março), então o pico de novos casos seria alcançado entre 21 e 23 de janeiro, com cerca de 11 mil novos casos por dia. Aí, a incidência seria de 6.505 novos casos a 7 de fevereiro, com 7.446 doentes covid internados, dos quais 1.193 em cuidados intensivos.

Já num cenário em que o confinamento é ainda menos eficaz, 30%, o valor mais elevado de novas infeções seria de cerca de 12.500 novos casos (entre dia 28 e 30), com uma incidência de 11.730 novos casos e 8.705 doentes internados e 1.247 em estado crítico – um pico que seria atingido a 7 de fevereiro.

“É um tsunami”

O serviço de urgência do Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, está em rutura. A confirmação é dada ao Expresso por dois profissionais de saúde daquele espaço. Os que têm chegado àquela unidade são maioritariamente doentes covid-19.

Os turnos estão maiores, os médicos e enfermeiros estão exaustos e há baixas entre eles, infetados ou com a necessidade de isolamento. Há falta de macas e há ambulâncias a ficarem bloqueadas por isso.

Atualmente, o hospital tem ocupadas, nas unidades de cuidados intensivos, 20 camas para doentes covid e outras seis para doentes não covid. Só entra quem tem possibilidade de sobreviver, mas o cuidado de saúde está a atuar cada vez mais tarde, por isso os doentes vão chegando em pior estado. Nesta altura já se começam a fazer escolhas.

A idade média dos doentes críticos que por lá passaram, ou que ainda lá permanecem, está entre os 58 e os 62 anos. O doente crítico mais novo tinha 22 anos, o mais idoso pouco mais de 85.

Para além da falta de espaço e de pessoal, há carência de macas. E isto promove um problema: as ambulâncias que levam os doentes, que não podem abandonar sem a sua maca, têm de esperar pelo escoamento do serviço, pelo que ficam ali imobilizadas, indisponíveis para irem buscar outros doentes com outras patologias.

“Muitas vezes não temos sítio onde deitar os doentes. Não somos só nós, atenção, está a acontecer noutros sítios também. O doente está na ambulância porque não há uma maca onde o deitar. É um problema com que nos estamos a debater”, explica Meneses Oliveira, médico intensivista, ao Expresso.

Enfermeiros isentos de responsabilidade no tratamento de doentes

A Ordem dos Enfermeiros disponibilizou uma “declaração de exclusão de responsabilidade” a todos os enfermeiros para acautelar eventuais ações disciplinares, civis ou mesmo criminais dos doentes a seu cargo, nas circunstâncias que se vivem com a pandemia.

“No âmbito da atual crise pandémica, com os hospitais em situação de catástrofe, as equipas de enfermeiros abaixo das dotações recomendadas (no regulamento 743/2019 de 25 de setembro) não se encontram em condições de garantir a prestação de cuidados em segurança e com qualidade, nem a vida das pessoas”.

“Não obstante estarem a desenvolver todos os esforços, os profissionais não conseguem chegar a todos”, alerta a Ordem dos Enfermeiros.

Face a esta situação, a Ordem disponibilizou uma declaração a todos os profissionais para acautelar a eventual responsabilidade disciplinar, civil ou mesmo criminal dos doentes a seu cargo.

Nesta declaração, que deverá ser enviada pelos enfermeiros que o pretendam aos conselhos de administração, “os profissionais reiteram que a dotação adequada é fundamental para salvaguardar o exercício profissional em segurança, o que manifestamente não se verifica atualmente, facto que apenas pode ser imputável à gestão da instituição e que, por si só, coloca em risco a prática adequada da profissão”, salienta.

Ana Isabel Moura Ana Moura, ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Associação dos Árbitros apresenta queixa contra Benfica, Jesus, Grimaldo e Otamendi

A Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF) apresentou uma queixa contra o Benfica, Jorge Jesus, Grimaldo e Otamendi, por causa das declarações proferidas após o jogo com o FC Porto. A notícia de que a …

Um milhão de pessoas já foram imunizadas. Faixa etária dos 50 anos começou a ser vacinada em alguns locais

Em alguns locais do país, já há pessoas na faixa etária dos 50 anos a receber a primeira dose da vacina contra a covid-19. Fonte da task force responsável pelo plano nacional de vacinação disse, este …

GNR inicia operação para dar segurança nas celebrações e peregrinação a Fátima

A GNR promove a partir de hoje uma operação de segurança em todo o território nacional, com maior incidência em Fátima e nas principais vias de acesso, para garantir segurança durante o deslocamento dos peregrinos …

UEFA anuncia sanções para nove dos 12 fundadores da Superliga. Real Madrid, Barcelona e Juventus denunciam "pressões e ameaças"

O Real Madrid, o Barcelona e a Juventus - os clubes fundadores da Superliga que ainda resistem - emitiram um comunicado conjunto em que reafirmam a necessidade da prova, assegurando que os clubes "receberam - …

Arqueólogos encontraram o enterro mais antigo de África. Era um menino de três anos

Uma equipa de investigadores revelou a sepultura de um menino encontrado em Panga ya Saidi, no Quénia. Esta descoberta, datada de 78 mil anos, é mais uma evidência sobre os primeiros comportamentos sociais complexos do …

Conselho Europeu admite debater “proposta concreta” de suspensão de patentes. Farmacêuticas já perdem na bolsa

O valor das empresas farmacêuticas, cotadas em bolsa, que fabricam vacinas contra a covid-19 aprovadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) caiu entre quarta e quinta-feira.  De acordo com o Expresso, o valor das empresas farmacêuticas …

Entradas e saídas para trabalhar nas freguesias de Odemira sob cerca sujeitas a teste negativo

As entradas e saídas para trabalhar ou apoiar idosos nas freguesias de Odemira sob cerca sanitária passam a ser permitidas, mas ficam dependentes de teste negativo à covid-19, medida em vigor a partir das 8 …

Consumo excessivo de sal pode afetar as células imunitárias

Um novo estudo mostra que comer demasiado sal pode reduzir a quantidade de energia que as células do nosso sistema imunitário podem produzir, impedindo-as de funcionar normalmente. Há muito tempo que o consumo excessivo de sal …

Cimeira Social. Conselho informal e Cimeira UE-Índia marcam agenda deste sábado

Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia reúnem-se este sábado no Palácio de Cristal, no Porto, para um Conselho informal com o Pilar Social na agenda e para uma Reunião de Líderes …

Aluna descreve ensino à distância: "Muito mau: dormir 1h, magoar a mim própria..."

Entre muitas mudanças, o coronavírus afetou o ensino. A pandemia interrompeu as aulas presenciais, mais do que uma vez, e trouxe novas rotinas. A aluna do ensino superior, Lúcia Gonçalves, conta ao ZAP as dificuldades …