Ministro não sabe se alguém entrou em Tancos (pode nem ter havido furto)

Tiago Petinga / Lusa

O ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes

O ministro da Defesa assegura que o estado das principais instalações militares é “razoável” e que não existem “situações de fragilidade semelhantes” às de Tancos, mas admite que foram detetados casos em que se justificou reforçar a segurança.

Em entrevista ao DN, publicada este domingo, o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, revela alguns pormenores do relatório que pediu no final de junho à Inspeção-Geral de Defesa Nacional sobre o estado das principais instalações militares, depois do furto nos Paióis Nacionais de Tancos.

E “é razoável“, conclui o ministro

Não foram verificadas situações de fragilidade semelhantes a Tancos. Foram verificadas situações em que se justificava reforçar a segurança”, refere o ministro.

Azeredo Lopes indica ainda que a Inspeção-Geral detetou a necessidade de implementar melhorias em “três dimensões fundamentais”, nomeadamente a concentração de material, o reforço dos mecanismos de vigilância e, na parte dos sistemas de informação e de gestão de informação, a criação de um sistema comum aos três ramos.

Isto significa, sublinha, “a necessidade de uma vez por todas de haver um conhecimento instantâneo, atualizado, de tudo o que está nos paióis para se evitar no futuro o que ocorreu em Tancos”.

Em junho, o Exército revelou a violação dos perímetros de segurança dos Paióis Nacionais de Tancos e o arrombamento de dois ‘paiolins’, tendo desaparecido granadas de mão ofensivas e munições de calibre nove milímetros.

Entre o material de guerra furtado estavam “granadas foguete anticarro”, granadas de gás lacrimogéneo e explosivos, segundo a informação divulgada pelo Exército.

Azeredo Lopes deixa ainda críticas ao aproveitamento feito do furto de material em Tancos, considerando que “foi aumentado por razões obviamente políticas”.

Reiterando que mantém “plenamente” a confiança nas chefias militares, o ministro da Defesa lembra também que o furto em Tancos está ainda a ser investigado e que há o plano da investigação criminal e o plano da investigação levada a cabo pelo Exército.

“Sei que há um furo na cerca e que foi declarado o desaparecimento de material militar. Eu não sou investigador criminal. Não quero saber se foi A ou B, se foi de dentro ou de fora, o que sei é que material que estava à guarda do Exército desapareceu. Eu quero saber por todas as razões”, diz o ministro.

“Porque, se se verificar que houve cumplicidades internas é muito preocupante, quero saber como cidadão e como ministro da Defesa Nacional como é que isto pôde acontecer, mas eu não sou investigador e não tenho sequer o direito de me intrometer na investigação que estava a cargo da PJ militar e que foi depois assumida pela PJ”, explica.

“No limite”, acrescenta, “pode não ter havido furto nenhum”, porque “não existe prova visual, nem testemunhal, nem confissão. Por absurdo podemos admitir que o material já não existisse e que tivesse sido anunciado… e isso não pode acontecer”, diz Azeredo Lopes.

Questionado se está convencido de que houve furto de material, Azeredo Lopes responde: “Dou-lhe a minha palavra de honra: não estou nem deixo de estar convencido, só sei que desapareceu. Tenho de presumir, por bom senso e porque não sou dado a teorias da conspiração, que desapareceu antes de 28 de junho, dia em que tomei conhecimento”, diz.

Relativamente à insistência do Presidente da República sobre a necessidade de levar até ao fim a averiguação das responsabilidades, Azeredo Lopes diz que “nem há como não acompanhar” essa preocupação.

“Era bom, mas não entendam isto como uma pressão à investigação, que pudéssemos ir fechando ciclos, ou seja, o Exército está a fechar o seu através da instauração dos processos disciplinares, eu fechei aquilo que mais diretamente tinha comigo através da elaboração daquilo que era necessário para saber como melhorar”.

“Como qualquer cidadão, espero que se possa vir a saber quem foi, porque foi e onde está o material”, sublinha o ministro.

// Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. De facto estamos bem entregues; eu assalto um banco, roubo um milhão, se nunca for apanhado o assalto nunca existiu, o 44 usa a mesma táctica.
    Podia ter dito é que o material foi facturado mas nunca teria sido entregue, mas isso já são outros 500.

  2. Mais do mesmo!

    Ministro fraco. Militares em roda livre (como andam, aliás, desde há muitos anos)

    Com calma ainda se vai chegar à conclusão que afinal há é material a mais sem se saber ao certo quem o colocou lá. Já faltou mais….

"Nada nos vai fazer recuar". Macron desperta a raiva do mundo muçulmano (e enfurece Erdogan)

Emmanuel Macron, presidente de França, assumiu posições muito claras na defesa da liberdade de exibir as caricaturas de Maomé, no âmbito da homenagem ao professor decapitado na semana passada, suscitando protestos em vários países muçulmanos. "Nada …

Merkel avisa Alemanha que os próximos meses vão ser “muito difíceis”

A chanceler alemã, Angela Merkel, avisou a Alemanha de que os próximos meses vão ser "muito difíceis", já que o número de infeções por covid-19 continua a crescer diariamente, tendo-se registado 8.685 nas últimas …

Portugal acusado de bloquear lei europeia contra evasão fiscal pelas multinacionais

Os governos português e sueco estão a ser acusados de bloquear, no Conselho da União Europeia (UE), a deliberação de uma lei contra a evasão fiscal por parte de grandes empresas multinacionais digitais. Segundo anunciou esta …

Consumo de antibióticos desce 22% durante a pandemia. Menos 1,1 milhões de embalagens vendidas

O consumo de antibióticos registou uma descida na ordem dos 22% nos primeiros oito meses deste ano. Venderam-se menos 1,1 milhões de embalagens, quando comparado com igual período do ano passado. Entre janeiro e agosto deste …

Portugal regista mais 2.447 casos e 27 mortes por covid-19

Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais 2.447 casos positivos e 27 mortes por covid-19. A informação foi divulgada, esta segunda-feira, no boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico divulgado hoje revela que …

Testes rápidos devem ser aplicados em surtos em escolas ou lares

A Estratégia Nacional de Testes para SARS-CoV-2, hoje publicada, determina que em situações de surto em escolas, lares ou outras instituições devem ser utilizados preferencialmente testes rápidos no sentido de aplicar "rapidamente as medidas adequadas …

Em Berlim, Marta Temido defende reforma e reforço de poder da OMS

A Organização Mundial de Saúde (OMS) deve ser alvo de uma reforma substancial que leve ao reforço do seu poder internacional na sequência da pandemia de Covid-19, defendeu esta segunda-feira a ministra da Saúde, Marta …

PJ faz buscas à Fiscalização e Contratação da Câmara de Barcelos

A investigação, relacionada com contractos efetuados no pelouro da vereadora Anabela Real, estão a ser investigados pela Polícia Judiciária. A Polícia Judiciária (PJ) fez hoje buscas na Câmara de Barcelos, tendo como alvo principal os serviços …

Governo ordena "encerramento compulsivo" do Instituto Superior de Gestão e Administração de Leiria

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, determinou o "encerramento compulsivo" do Instituto Superior de Gestão e Administração de Leiria, instituição privada detida pelo grupo Lusófona, que deverá fechar portas até ao fim …

Em recuperação, Navalny fala sobre envenenamento. “Foi um projeto pessoal de Putin que falhou"

Em entrevista ao canal de televisão inependente Dozhd TV, Alexei Navalny, que se encontra em recuperação da tentativa de assassinato com o agente químico Novichok, garante que ninguém o vai parar e lança farpas a …