Ministra diz que trabalhadores são a prioridade para preparar futuro da Cultura

António Cotrim / Lusa

A ministra da Cultura, Graça Fonseca

A ministra da Cultura defendeu, esta quarta-feira, no Parlamento, que os trabalhadores são “uma área de intervenção prioritária” para preparar o futuro de um setor cujos problemas, admitiu, foram agudizados pela atual crise.

“Identificamos, desde já, uma área de intervenção prioritária para preparar o futuro: as pessoas, os artistas, os técnicos, todos os que trabalham neste setor da Cultura”, afirmou Graça Fonseca, numa audição parlamentar requerida pelo PAN e pelo PS sobre as consequências da pandemia da covid-19 nos setores da Cultura e da Comunicação Social.

Segundo a ministra, a tutela irá “trabalhar para criar melhores condições laborais e sociais, nomeadamente para garantir mais igualdade e uma carreira contributiva regular e permanente que garanta adequadas condições, para o futuro de todos os que integram o setor da cultura”.

Graça Fonseca admitiu que os impactos da crise que se vive atualmente “agudizam problemas antigos, de anos, que a Cultura tem”. Para a ministra, a resposta a este momento “tem de ser global e estruturada”, incluindo medidas “de âmbito transversal e setorial” e “para curto prazo e para médio e longo prazo”.

Além disso, “esta resposta global tem de fazer parte da estratégia dos países e da Europa para o relançamento da economia e para dar confiança às pessoas”.

Graça Fonseca recordou as medidas transversais aprovadas pelo Governo, “de apoio às pessoas e à atividade económica e social, incluindo sempre normas adequadas à realidade do setor da cultura”, e também as medidas setoriais já em vigor.

Em relação a uma dessas medidas, a linha de emergência de apoio às Artes, avançou que o ministério espera, “em maio, começar a divulgar resultados e transferir verbas”. Quanto às medidas para o setor livreiro, que ainda não existem, Graça Fonseca referiu que espera “conseguir anunciá-las esta semana”.

Vários deputados questionaram ainda a ministra sobre o projeto TV Fest, anunciado no dia 7 de abril e suspenso dois dias depois.

A ministra explicou que era necessário “encontrar uma solução célere e simples que chegasse depressa a artistas e técnicos”, recordando que os técnicos “são dos mais atingidos e não estão abrangidos nos apoios, a não ser os da Segurança Social”.

Graça Fonseca reiterou que o orçamento “nunca foi para a RTP”, visto que era “integralmente para músicos e técnicos”. O objetivo do TV Fest era “levar a casa das pessoas música portuguesa e pagar aos artistas, músicos e técnicos que apareceram nas redes sociais a cantar sem serem remunerados”.

Quanto ao destino deste milhão de euros, Graça Fonseca respondeu que “não vai para lado nenhum”, visto que “o projeto está suspenso” e será repensando.

Relativamente aos apoios do Governo para o setor dos media, o secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media afirmou, na comissão parlamentar, que serão apresentados “muito em breve”.

“O que posso dizer para já é que muito em breve tencionamos anunciar a medida de emergência que seja bastante generalista e transversal de apoio aos órgãos de comunicação social”, afirmou Nuno Artur Silva.

“Em relação às questões concretas da área da comunicação social, de facto nós estamos a preparar uma medida de emergência, mas sempre dentro do contexto […] das medidas transversais”, afirmou o governante, salientando que “as medidas foram alargadas o mais possível para poderem abranger o mais possível os setores da comunicação social”.

Nuno Artur Silva não avançou detalhes sobre o pacote de apoios aos media, no contexto atual da pandemia da covid-19, nem sobre a data em que será anunciado.

“Em relação a uma medida concreta da comunicação social, não tem sido fácil encontrar uma medida que seja imediata e transversal, mas há um alinhamento com o que tem sido as posições de alguns países europeus”, acrescentou.

Nos media, tal como em outros setores, Nuno Artur Silva defendeu que “tão ou mais importante do que a medida de emergência é a medida para o dia seguinte, isto é, a medida para o relançamento“.

E, nesse sentido, “poderemos trabalhar […] em medidas que possam ser mais finas e concretas em determinados setores”, apontou.

Relativamente a outras medidas de apoio aos media, tendo em conta o seu futuro, o secretário de Estado disse esperar que seja possível avançar “imediatamente a seguir” à medida de emergência.

“Eu diria mais do que tudo […], mais do que a sobrevivência deste ou daquele órgão de comunicação social, a sobrevivência de um jornalismo livre, independente, plural, isso é o que nos deve mover e fazer pensar em relação ao futuro próximo e ao futuro imediato”, considerou Nuno Artur Silva.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

PSD recusa negociar com Costa e Silva (só "se vier a ser ministro")

Rui Rio disse, esta segunda-feira, que António Costa pode escolher quem entender para conselheiro económico, mas o PSD só aceitará negociar com ministros. O líder do PSD, Rui Rio, disse estar de acordo com a decisão …

"Não haverá acordo" se Londres não respeitar compromissos, avisa Michel Barnier

O negociador europeu para a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), Michel Barnier, sublinhou no domingo que "o tempo urge", avisando que não haverá acordo se Londres permanecer nas posições anteriores. "O Reino Unido …

Ex-Benfica Garay acusa Valência de "campanha difamatória"

Ezequiel Garay acusou o Valência de levar a cabo uma "campanha difamatória" contra si. "Dói ver estas coisas quando estão a prejudicar os que amas", disse o argentino. O ex-jogador do SL Benfica Ezequiel Garay cumpre …

O maior salto em cinco anos. Dívida pública atingiu recorde em abril

A dívida pública aumentou para 262,1 mil milhões de euros em abril, o valor mais alto desde 1995, segundo os dados divulgados pelo Banco de Portugal. A dívida pública aumentou para o valor recorde de 262,1 …

Diabéticos e hipertensos. PSD quer debater alteração que retirou estes doentes de regime excecional

O PSD pediu a apreciação parlamentar do decreto-lei que retirou doentes hipertensos e diabéticos do regime excecional de proteção relativo à covid-19. A apreciação parlamentar permite que a Assembleia da República debata, altere e, no limite, …

Norte sem contágios por covid-19. Grande Lisboa regista 96,5% dos novos casos

Portugal regista hoje 1.424 mortes relacionadas com a covid-19, mais 14 do que no domingo, e 32.700 infectados, mais 200, segundo o boletim da Direcção-Geral de Saúde (DGS). 193 dos novos casos são na área …

Aviões deixam de ter lotação reduzida a partir desta segunda-feira

Os aviões deixam, a partir desta segunda-feira, de ter a lotação de passageiros reduzida a dois terços, mas o uso de máscara comunitária é obrigatório. O Governo alinhou, assim, as regras nacionais pelas regras europeias no …

Marcelo pede que não se passe do "8 para o 80" e alerta para imagem do país

O Presidente da República reiterou hoje o apelo à população para que não se passe “do 8 para o 80” nas medidas de prevenção da covid-19, alertando para os riscos da imagem do país “cá …

Só metade das crianças deverá voltar ao pré-escolar esta segunda-feira

As crianças em idade pré-escolar regressam esta segunda-feira aos jardins de infância, que voltam a funcionar com novas regras, depois de encerradas durante mais de dois meses, devido à pandemia da covid-19. Apesar do regresso, que …

Dois astronautas (e um dinossauro de peluche) chegaram à EEI à boleia da SpaceX

Para além dos astronautas Doug Hurley e Bob Behnken, seguia a bordo da Crew Dragon um dinossauro de peluche com lantejoulas. E há uma explicação para isso. Este sábado, o foguetão Falcon 9, da SpaceX, fez …