Médicos de Saúde Pública defendem que processo de vacinação deve ser muito mais claro

Christian Bruna / EPA

Ricardo Mexia, presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública, defende que “as pessoas têm de ter noção, perceção, de quando é que é expectável que venham a ser vacinadas”.

O presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública defendeu, esta quarta-feira, que o processo de distribuição e administração das vacinas contra a covid-19 deve ser muito mais transparente e claro. “As pessoas têm de ter noção, perceção, de quando é que é expectável que venham a ser vacinadas”, afirmou à Lusa Ricardo Mexia.

O médico exemplificou que “continua a haver um simulador que diz que grande parte dos portugueses vão ser vacinados em abril”. “Ora, isso não tem interação com a realidade, infelizmente. Gostávamos muito que fosse verdade, mas não é possível, porque não há vacinas para isso”, declarou.

Insistindo que “ser claro em relação ao momento e o modelo como as pessoas vão ser vacinadas é absolutamente fundamental”, o presidente da associação apontou, por outro lado, a necessidade de se evitar o ruído relativo às “situações de ultrapassagens, dos abusos que houve na administração das vacinas”, pois “prejudicam a confiança de toda a gente no processo”.

Ricardo Mexia referiu ainda a necessidade de se “ser claro em relação àquilo que são os grupos prioritários, ser claro em relação à forma como devem ser geridas, por exemplo, as eventuais sobras que surjam”, para que “toda a gente mantenha confiança no processo”.

Reconhecendo que a questão da vacinação tem um problema central, que é externo – “o ritmo de chegada das vacinas” -, o dirigente reconheceu que esta é uma situação que o país tem “alguma dificuldade em mudar”, mas se o puder fazer era, no seu entender, uma “boa aposta”.

“Contra isso podemos, eventualmente, encontrar outras soluções, contratar outras vacinas que estejam disponíveis no mercado, sabendo que é um mercado global, extremamente competitivo”, disse.

Ricardo Mexia adiantou que “Portugal goza, felizmente, de uma grande confiança nas vacinas, aliás é um país ímpar na Europa” nesta matéria.

“Eu acredito que há um bom ambiente para implementar a vacinação, agora se eles não confiam no processo de administração das vacinas porque veem todos os dias que a situação se complica por diversas razões”, como o ruído que “se quer introduzir no sistema, naturalmente, que isso também compromete alguma da sua confiança”, afirmou, dizendo esperar que “isto não leve a que haja pessoas a equacionar a possibilidade de, quando chegar a sua vez, não se vacinarem”.

“É fundamental que todas as pessoas se vacinem quanto tiverem essa oportunidade”, apelou.

Sobre o desconfinamento do país, Mexia defendeu que deve ser regrado e disciplinado, defendendo que não deve ser precipitado e comprometer o esforço feito no combate à pandemia de covid-19.

“Eu percebo a implicação económica e social tremenda que tudo isto tem, mas não podemos novamente ser precipitados na nossa abordagem e, dessa forma, comprometer aquilo que foi o esforço que fizemos, designadamente com muita dificuldade agora em janeiro”, disse à Lusa o presidente da associação.

A este propósito, o médico acrescentou: “Tenho muito receio que agora, com esta descida dos números, de repente passemos outra vez a ser os melhores do mundo e a querer reabrir tudo sem verdadeiramente ponderar essas implicações”.

Esperando que “haja ponderação” nesta matéria e que a comunicação “também seja clara” sobre os desafios que o país ainda enfrenta, Ricardo Mexia notou que “vacinar todos ainda está muto longe”, sendo que as diversas medidas de proteção vão manter-se “durante muito tempo”.

Questionado se um eventual desconfinamento tem de ser feito com conta peso e medida, Ricardo Mexia respondeu: “Precisamente, planear o desconfinamento e fazê-lo de forma regrada e disciplinada”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Vulcão, La Palma

O Cumbre Vieja também tem negacionistas. "É tudo orquestrado"

Nos últimos dias, as redes sociais têm-se tornado o palco dos "negacionistas dos vulcões" que defendem que, por trás da erupção do Cumbre Vieja, há mão humana. Nas redes sociais já há negacionistas do vulcão Cumbre …

Selecção da Lituânia falhou os Mundiais porque...chegou atrasada

Per Strand venceu, António Morgado ficou em sexto, mas os ciclistas da Lituânia acabaram por marcar a prova de estrada de juniores, nos Mundiais em Flandres. Per Strand Hagenes é o novo campeão mundial júnior de …

Gil Vicente 1-2 Porto | Dragão canta de galo com dois golaços

Foi sofrer até ao fim. Sérgio Conceição tinha alertado que não seria fácil bater o Gil Vicente e foi isso que ocorreu na noite desta sexta-feira em Barcelos. O FC Porto apenas a um minuto dos …

Na II Guerra Mundial, um erro "humilhante" destruiu dois imponentes navios de guerra da Marinha Real

No dia 10 de dezembro de 1941, os japoneses afundaram os imponentes Prince of Wales e Repulse. A culpa foi do almirante Thomas Phillips que, na sequência de um "erro humilhante", acabou também por falecer. Winston …

O robô Atlas, da Boston Dynamics, faz parkour (e até dá um mortal para trás)

O Atlas é, sobretudo, um projeto de investigação: um robô que ajuda os engenheiros da Boston Dynamics a trabalhar em melhores sistemas de controlo e perceção. O parkour é um verdadeiro desafio para os seres humanos, …

Na Tailândia, um "cemitério" de táxis foi transformado numa horta sobre rodas

Desde pimentos a pepinos, beringelas e até mangericão. Num parque de estacionamento ao ar livre em Banguecoque, os táxis abandonados transformam-se em hortas para alimentar os trabalhadores. A pandemia de covid-19 obrigou os táxis de Banguecoque …

Morreu o "último nazi" canadiano, aos 97 anos

Um ucraniano que serviu como tradutor no regime nazi morreu na quinta-feira na sua casa, em Ontário, no Canadá, encerrando uma luta de décadas para deportá-lo e acusá-lo de cúmplice no assassinato de dezenas de …

No Sri Lanka, elefantes traficados foram resgatados. Mas voltaram às pessoas que os compraram ilegalmente

Um tribunal do Sri Lanka devolveu elefantes resgatados a pessoas influentes que foram acusadas de os terem comprado ilegalmente. Durante alguns anos, elefantes selvagens permaneceram na corda bamba de uma intensa batalha de custódia judicial entre …

Sporting 1-0 Marítimo | Porro volta a decidir de penálti

Que sofrimento! É normal ver os “grandes” dominarem por completo os seus adversários, mas nesta partida entre Sporting e Marítimo, em Alvalade, praticamente só houve uma equipa a atacar e a procurar o golo. Ainda assim, …

A falhar pagamentos e com 260 mil milhões de dívida - como é que a Evergrande chegou até aqui?

A situação da imobiliária chinesa Evergrande, que tem uma dívida maior do que a economia portuguesa, está a deixar o mundo ansioso sobre uma eventual repetição da história da crise de 2008, que começou com …