Médicos sem mãos a medir. Lisboa recruta licenciados para acelerar milhares de inquéritos epidemiológicos atrasados

António Cotrim / Lusa

A Administração Regional de Lisboa e Vale do Tejo quer recrutar profissionais ligados à saúde, psicólogos, nutricionistas, fisioterapeutas, higienistas orais e dentistas para realizarem inquéritos epidemiológicos.

Os médicos de saúde pública não estão a conseguir dar conta de todos os relatórios epidemiológicos, principalmente depois de os casos de covid-19 terem disparado na região de Lisboa e Vale do Tejo.

De acordo com Ricardo Mexia, presidente da Associação Portuguesa de Médicos de Saúde Pública, ouvido pelo Diário de Notícias, “há milhares de inquéritos epidemiológicos para concluir” e, assim, “não é possível interromper as cadeias de transmissão”.

Esta situação levou a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) a lançar um novo recrutamento para profissionais, de preferência da área da saúde, interessados em desempenhar esta tarefa. O recrutamento terá sido lançado esta semana e o seu anúncio já está a ser veiculado através da rede WhatsApp.

“A Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo está a recrutar licenciados, de preferência das áreas da saúde (psicólogos, nutricionistas, fisioterapeutas, higienistas orais, dentistas…) para fazer inquéritos epidemiológicos. Contratos a termo incerto (até ao fim da pandemia), 35h/semanais e ordenado ilíquido de 1205,48 euros. O currículo deve ser enviado para o e-mail [endereço eletrónico de uma funcionária da ARS]”, lê-se na mensagem que está a circular entre profissionais de saúde.

A mensagem refere ainda que, em “alguns casos, trata-se de teletrabalho, não exigindo a presença em Lisboa”.

Questionada pelo DN, a ARSLVT confirmou que está a decorrer um novo processo de recrutamento. Segundo a região, desde o verão, “têm sido contratadas pessoas licenciadas para o Gabinete Regional de Intervenção para a Supressão da covid-19 em Lisboa e Vale do Tejo (GRIS), com vista à realização de inquéritos epidemiológicos ou atividades com eles relacionadas”. Até esta altura, já foram contratadas “39 pessoas”.

Neste momento, “encontra-se a decorrer um novo processo de recrutamento que, por estar muito no início, se torna prematuro avançar com mais dados”.

Já o Presidente da Associação Portuguesa dos Médicos de Saúde Pública disse desconhecer este processo de recrutamento. “Acho bem que recrutem, já o deviam ter feito há mais tempo”.

Ricardo Mexia defendeu que “os inquéritos epidemiológicos são uma tarefa complexa que deve ser reservada para profissionais diferenciados“, mas argumenta que, se “outros profissionais fizerem a parte administrativa e os contactos necessários à vigilância ativa, tarefas que não exigem diferenciação, que isso já libertaria médicos e enfermeiros para fazerem o que é essencial nas unidades e no combate à pandemia. A carga burocrática é tremenda”.

Segundo o DN, existem cerca de 350 especialistas em saúde pública, que têm como funções a realização dos inquéritos epidemiológicos através dos quais é possível interromper as cadeias de transmissão. Além disso, colocam em várias plataformas diferentes toda a informação recolhida relativamente aos casos positivos e em vigilância.

Em dezembro, o Ministério da Saúde abriu 462 vagas para a contratação de médicos especialistas em Medicina Geral e Familiar, Saúde Pública e na área hospitalar.

Maria Campos Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. A-Na maioria dos países europeus (ex. Alemanha e Inglaterra), o critério da prioridade de vacinação contra o Covid é o seguinte: 1º- Maiores de 80 anos; 2º- Maiores de 75 anos; 3º- Maiores de 70 anos; 4º- Maiores de 65 anos e Profissionais da Saúde, ligados à Covid; 5º- Maiores de 60 anos + Profissionais da Saúde não ligados à Covid, e Forças de Segurança e Bombeiros; etc etc
    B-Em Portugal foi ao contrário. Começaram com todos os Profissionais da Saúde, e escolheram como exemplo para a TV, um médico de 65 anos. Mas vimos nas reportagens, que os restantes vacinados na mesma altura, tinham 25, 30 ou 35 anos.
    C-Eu tenho 82 anos. Atiram-me lá para depois de Abril…
    D-Enfim, é o país que temos.

    • Outra vez a espalhar mentiras??
      .
      Em Portugal, começaram pelos profissionais de saúde e fizeram muito bem!!
      .
      Além disso, colocou no seu comentário vária informação completamente FALSA!
      -Na Alemanha:
      “Na Alemanha, a estratégia não é muito diferente. Depois de um fim de semana em que foram mostradas imagens dos primeiros vacinados, hoje o número cresce para abranger os residentes e funcionários dos lares de idosos, pessoas com mais de 80 anos e pessoal médico.”
      .
      -No Reino Unido:
      “As primeiras 800 mil doses são destinadas a pessoas com mais de 80 anos que estão hospitalizadas ou já têm consultas ambulatoriais agendadas ou doenças crónicas, juntamente com trabalhadores de lares de idosos e profissionais de saúde da linha da frente, numa fase posterior.”
      .
      Com 82 anos já devia saber que, quando não se sabe; pergunta-se – não se inventa!!

  2. Boa tarde.
    Li um artigo “Lisboa e Vale do Tejo recruta profissionais para acelerar inquérito epidemiologico”
    Encontro me desempregada e desejava o contacto do Watsapp da funcionária da ARS , para poder candidatar-me.
    Agradeço a vossa ajuda.
    Cumprimentos
    Isilda Gago

Responder a Eu! Cancelar resposta

A fronteira mais importante da China é imaginária: a Linha Hu

A Linha Hu, também conhecida como linha Heihe-Tengchong, é uma linha imaginária que divida a China em duas partes com áreas quase iguais. Estende-se da cidade de Heihe até Tengchong. Desenhada pela primeira vez em 1935, …

Algumas pessoas moram em aeroportos durante meses (ou até mesmo anos)

Aeroportos não servem de casa apenas para os sem-abrigo. Há pessoas que, involuntariamente ou não, ficam lá durante meses e, em alguns casos, até mesmo anos. Em janeiro, as autoridades de Chicago prenderam um homem de …

Senado da Carolina do Sul aprova fuzilamento como método de execução

Com esta decisão, a Carolina do Sul poderá converter-se no quarto estado do país a incorporar este método de execução de pena de morte, depois do Utah, Oklahoma e Mississípi. De acordo com a agência noticiosa …

"Oxigénio tornou-se ouro". Criminosos lucram com a sua escassez no México

A pandemia de covid-19 deixou a Cidade do México a atravessar uma grande escassez de oxigénio médico. Criminosos estão a aproveitar para lucrar com a situação. A capital mexicana registou um pico de infeções e hospitalizações …

Meteorito do tamanho de um damasco caiu em França (e os astrónomos precisam de ajuda para encontrá-lo)

Os entusiastas do Espaço estão a ser instados a procurar um meteorito do tamanho de um damasco que caiu no fim de semana passado no sudoeste de França.  O meteorito, com peso estimado em 150 gramas, …

Professora pediu a alunos para fingir que eram escravos e escreverem carta para África

Uma professora de uma escola secundária no Mississippi, nos Estados Unidos, está a ser alvo de críticas devido a uma fotografia de um trabalho de casa divulgada nas redes sociais. Foi pedido aos alunos do 8.º …

Obra de Churchill que pertencia a Angelina Jolie vendida por valor recorde

O quadro pintado pelo antigo primeiro-ministro britânico foi vendido por 8,3 milhões de libras. A pintura foi um presente de Winston Churchill para o presidente dos Estados Unidos, Franklin D. Roosevelt, e agora foi leiloada …

Milhares fugiram, mas Sakae Kato ficou. O homem que salva gatos abandonados em Fukushima há 10 anos

Durante a última década, um homem em Fukushima, no Japão, tem salvado todos os gatos na área abandonada de onde milhares de pessoas fugiram durante o desastre da central nuclear - e ainda continua a …

Governador de Nova Iorque "reescreveu relatório" para esconder mortes em lares

  Assistentes do governador de Nova Iorque, Andrew Cuomo, terão reescrito um relatório das autoridades de saúde locais, no verão de 2020, que apontava para um número de mortes por covid-19 nos lares de idosos muito …

"Europa vai andar para trás". Pandemia faz "descarrilar conquistas de igualdade"

Empregos perdidos, horários de trabalho reduzidos e violência doméstica crescente provam que o impacto da pandemia foi mais forte nas mulheres e fez “descarrilar as conquistas de igualdade”, alerta o Instituto Europeu para a Igualdade …